terça-feira, 30 de junho de 2009

DESTAQUES LITÚRGICOS DE JULHO DE 2009







“Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?.”
(Mt 12,48)


Ó Maria, Flor do Carmelo

Vinha florida, Esplendor do Céu


“Os céus são meus e minha a terra; minhas são as criaturas, os justos são meus e meus os pecadores; os anjos são meus e a Mãe de Deus e todas as coisas são minhas; e o próprio Deus e meu e para mim, porque Cristo é meu e todo para mim.”
São João da Cruz –D 26

“Filhas minhas, imitemos um pouco a grande humildade da Virgem Santíssima, cujo hábito trazemos, pois é muito impróprio nos chamarmos monjas suas, já que, por mais que tenhamos a impressão de nos humilhar, bem longe estamos de ser filhas de tal Mãe e esposas de tal Esposo.”
Santa Teresa de Jesus – C 13, 3


Intenção missionária do mês: A humanidade reconciliada e unida.
Para que a Igreja seja núcleo e semente da humanidade reconciliada e unida como única família de Deus, através do testemunho de todos os fiéis nas diversas nações do mundo



DESTAQUES DO MÊS



03 – (sexta-feira) São Tomé, Apóstolo
Primeira Sexta-Feira do mês



13 – (segunda-feira) SANTA TERESA DE JESUS “DOS ANDES”, Virgem de nossa Ordem



16 – (quinta-feira) VIRGEM MARIA DO MONTE CARMELO, Solene Comemoração na OCD



17 –(sexta-feira) Bv. TERESA DE SANTO AGOSTINHO e COMPANHEIRAS, Vgs e Mts OCD



20 – (segunda-feira) SANTO ELIAS, Profeta e nosso Pai - Festa na OCD



23 – (quinta-feira) VIRGEM MARIA, MÃE DA DIVINA GRAÇA - memória na OCD



24 - (sexta-feira) Bvs. MARIA PILAR, TERESA e MARIA ANGELES, Virgens e Mártires da nossa Ordem- Mf



25 – (sábado) São Tiago Maior, Apóstolo



26 – (domingo) São Joaquim e Sant´Ana (memória omitida nesse dia)



27 – (segunda-feira) Bv. TITO BRANDSMA, Presbítero e Mártir de nossa Ordem - Memória facultativa na OCD



28 – (terça-feira) Bv. JOÃO SORETH, Presbítero de nossa Ordem - Memória facultativa na OCD





Liturgia - 01 de julho - 4a-FEIRA DA 13a. SEMANA DO TEMPO COMUM








Cor litúrgica: Verde

Ofício do dia de semana
I Semana do Saltério
Liturgia das Horas
: 682
Oração das Horas: 801

Leituras: Gn 21,5.8-20 – Sl 33(34) – MT 8,28-34

“Os demônios são expulsos.”

Deus quer a liberdade e a justiça reinando em todos os corações e em todas as nações.

“A alma cativa por afeição a qualquer coisa jamais chegará a liberdade da união divina, por mais virtudes possua.”
São João da Cruz – IS 11,4

“Insisto tanto no aviso de evitar as ocasiões de pecado porque o demônio tenta muito mais uma alma destas do que várias outras a quem o Senhor não tenha concedido essas graças. Isso porque as almas que as receberam podem causar-lhe grande prejuízo levando outras consigo e, provavelmente, beneficiando muito a Igreja de Deus. Basta, aliás, ao demônio ver Sua Majestade mostrar por uma alma amor particular para que tudo faça a fim de perdê-la.”
Santa Teresa de Jesus – 4 M 3,10


Carta de Santa Teresa de Jesus em 01

1567 – C 6 – A D. Álvaro de Mendonza – Alegria com que esperavam a ida de D. Álvaro a Ávila. Reza o ofício. Garcia de Toledo, mestre de noviços... a algum seja tido, em especial de en...


Preciosíssimo Sangue de Jesus







Em 1848, o Papa Pio IX foi expulso de Roma pelas forças revolucionárias. No ano seguinte, os exércitos franceses permitiram-lhe voltar à Cidade Eterna, após um ataque que durou de 28 de Julho a 1 de Julho. Invocando e dando graças pelo sangue derramado por Jesus por amor aos homens de todos os tempos, o Sumo Pontífice criou esta festa, situando-a no dia em que lhe foi possível voltar a Roma. S. Pio X alargou a festa à Igreja Universal. Nos nossos dias é celebrada solenemente em algumas congregações religiosas.






segunda-feira, 29 de junho de 2009

Liturgia - 30 de junho - PRIMEIROS MÁRTIRES DA IGREJA DE ROMA














Cor litúrgica: Vermelho

Ofício da memória
Liturgia das Horas: 1401-1576-663
Oração das Horas: 1284-1493-789

Leituras: Gn 19,15-29 – Sl 25(26) – Mt 8,23-27
“Quem é esse homem a quem até o vento e o mar obedecem?”
Seguir a Jesus significa afrontar uma existência insegura e repleta de adversidades.




Hoje a Igreja celebra a memória dos cristãos que sofreram o martírio durante a perseguição de Nero, no ano 64. A culpa do incêndio de Roma recaiu sobre os cristãos, os quais foram cruelmente martirizados. Do lado Sul da Basílica Vaticana há um recinto pequeno, chamado ainda hoje Praça dos Protomártires (primeiros mártires) Romanos. As iluminações que lá se vêem na noite de 26 de Junho, evocam as fogueiras que, pelos anos 64 e 65 extinguiram, ou sublimaram, humildes e heróicas vidas humanas. Roma ardera seis dias e sete noites. Prendem-se primeiro os que são suspeitos de seguir o cristianismo, e depois, conforme as denúncias que se vão fazendo, prendem-se outros em massa, condenados menos pelo crime de incêndio, do que pelo ódio que outros lhes têm. Aos tormentos juntam-se as mofas, homens envolvidos em peles de animais morrem despedaçados pelos cães, ou são presos a cruzes, ou destinados a ser abrasados e acendidos, à maneira de luz noturna ao anoitecer. Nero oferece os seus jardins para este espetáculo; vestido de cocheiro, corre misturado com a multidão, ou em cima dum carro. A perseguição movida por Nero prolongou-se até ao ano 67. E entre os mártires mais ilustres estavam São Pedro e São Paulo. O primeiro foi crucificado no circo de Nero, atual Basílica de São Pedro. São Paulo foi decapitado junto da estrada que leva a Óstia.



“Ter constante desejo de imitar a Jesus Cristo em todas as obras, conformando-se com a sua vida, a qual deve considerar para saber imitá-la e comportar-se em todas as coisas como ele se comportaria.”
São João da Cruz – D 158


“Com certeza penso que, se nos chegássemos ao Santíssimo Sacramento com grande fé e amor, uma única vez bastaria para nos deixar ricas, quanto mais santas! Mas parece ser demasiado difícil aproximar-nos Dele e por isso é tão grande a nossa pobreza. Ó miserável mundo, que assim tem tapado os olhos dos que vivem em ti para que não vejam os tesouros com os quais poderiam obter riquezas perpétuas.”
Santa Teresa de Jesus – CAD 3.13


Cartas de Santa Teresa de Jesus em 30



1568 – C 12 – A Cristóbal Rodrigues de Moyá, em Segura de La Sierra. Sobre a fundação de Descalças em Toledo.

1581 – C 380 – Ao Licenciado Dionísio Ruiz de La Peña – Defende-se da acusação de ter influído sobre a vocação de D. Elena, sobrinha do Cardeal. Os falsos testemunhos lhe dão alegria, mas não quer passar por ongrata com o Arcebispo. Um voto de D. Elena. A Fundação de Madrid. Carinho que tem ao Arcebispo.



Rainha dos Mártires

Rogai por nós





domingo, 28 de junho de 2009

Liturgia - 29 de junho - 2a-FEIRA DA 13a.SEMANA DO TEMPO COMUM






Cor litúrgica: Verde


Ofício do dia de semana
I Semana do Saltério
Liturgia das Horas
: 645
Oração das Horas: 777

Leituras: Gn 18,16-33 – Sl 102(103) – Mt 8,18-22
“Mestre, seguir-te-ei para onde quer que fores.”
A característica que supõe o estilo de vida itinerante carrega uma ruptura com a própria família e a própria casa, que era a instituição sobre a qual se fundamentava a sociedade no tempo de Jesus.

“Grande mal é olhar mais para os bens de Deus que para o próprio Deus; oração e desapego.”
São João da Cruz – D 136

“O mundo nunca exalta senão para rebaixar, se os exaltados forem filhos de Deus. Eu tenho muita experiência disso. Costumava afligir-me muito ao ver tanta cegueira nesses louvores, mas hoje rio disso como se ouvisse palavras de louco.
Santa Teresa de Jesus – CAD 2,13

Carta de Santa Teresa de Jesus em 29

1576 – C 105 – Ao Padre Jerônimo Gracián, em Sevilla – Sobre alguns negócios dos Calçados de Anadluzia.








sábado, 27 de junho de 2009

Liturgia - 28 de junho - SÃO PEDRO e SÃO PAULO










DIA DO PAPA




Cor litúrgica: Vermelho


Ofício solene próprio
Liturgia das Horas: 1394-626
Oração das Horas: 1279-764

Leituras: At 12,1-11. Sl 33(34) – 2Tm 4,6-8.17-18 – Mt 16,13-19

“Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.”
Que representam os apóstolos Pedro e Paulo para nós?

Solenidade dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo, martirizados em Roma entre 64 e 67. São Pedro, escolhido por Cristo, depois de sua profissão de fé, para ser o fundamento da Igreja, foi confirmado em sua função de Pastor após ter expiado sua tríplice negação por uma declaração de amor, vindo mais tarde a sofrer um suplício semelhante ao de seu Divino Mestre. São Paulo, que era cidadão romano, foi decapitado depois de ter cumprido, por sua pregação e suas cartas, a missão de Doutor e arauto do Evangelho aos gentios, através da Ásia Menor e da Grécia durante cerca de trinta anos. Estas duas colunas da Igreja deram, assim, à Cidade Eterna, “sua doutrina junto com seu sangue.”



SANTO DO DIA



Santo Irineu,
Bispo e Mártir (memória omitida hoje)


Santo Ireneu foi discípulo de São Policarpo de Esmirna, que por sua vez o foi do Apóstolo São João. Nasceu e se formou na Ásia Menor e viveu muitos anos na Gália, onde foi bispo de Lyon. A autoridade muito especial de que ele gozava lhe vinha da grande proximidade com a tradição apóstólica e do fato de ter conhecido tanto a tradição ocidental quanto a oriental da Igreja. Combateu arduamente os erros gnósticos e assentou as bases sobre as quais se desenvolveria, mais tarde, a ciência da Mariologia. , coroando com o martírio sua obra de Doutor da Igreja. Morreu em Lyon.



“Quando o temor é perfeito o amor divino também o é, e a transformação da alma em Deus por amor logo se opera.”
São João da Cruz – IS 2,4


“Se Nosso Senhor não me tivesse feito as graças que fez, não me parece que eu teria tido ânimo para as obras realizadas nem as forças para os sofrimento que se tem passado, as contradições e maus julgamentos.”
Santa Teresa de Jesus – R 34

Carta de Santa Teresa de Jesus em 28

1577 – C 191 – A Madre Maria de São José, Priora de Sevilla – Enfermidade de algimas religiosas. D. Lorenzo de Cepeda em Toledo. Admissão de uma escravinha e de outra postulante. Discrição nas mortificações. "Não passem fome."




Rainha dos Apóstolos

rogai por nós



sexta-feira, 26 de junho de 2009

Liturgia - 27 de junho - NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO




Cor litúrgica: Branco


Ofício: Nossa Senhora no sábado
Laudes: Liturgia das horas: 1519-1150
Oração das Horas: 1108-1462
I Vésperas:Liturgia das Horas: 1546-1557
Oração das Horas: 1277-1477

Leituras: Gn 18,1-15 – Medit: Lc 1,46-55 – Mt 8,5-17
“Dizei uma só palavra e meu servo será curado.”
É a fé que possibilita ao homem livrar-se de todas as enfermidades que o condicionam a tantos tipos de morte.

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro



Na ilha de Creta havia um quadro da Virgem Maria muito venerado devido aos estupendos milagres que operava. Certo dia, porém, um rico negociante, pensando no bom preço que poderia obter por ele, roubou-o e levou-o para Roma. Durante a travessia do Mediterrâneo, o navio que transportava a preciosa carga foi atingido por terrível tempestade, que ameaçava submergi-lo. Os tripulantes, sem saber da presença do quadro, recorreram à Virgem Maria. Logo a tormenta amainou, permitindo que a embarcação ancorasse, sendo salva num porto italiano.Algum tempo depois, o ladrão faleceu e a Santíssima Virgem apareceu a uma menina, filha da mulher que guardava a pintura em sua casa, avisando que a imagem de Santa Maria do Perpétuo Socorro deveria ser colocada numa igreja. O milagroso quadro foi então solenemente entronizado na capela de São Mateus, em Roma, no ano de 1499, e aí permaneceu recebendo a homenagem dos fiéis durante três séculos, até que o templo foi criminosamente destruído. Os religiosos dispersaram-se e a imagem caiu no esquecimento. Finalmente em 1866 a milagrosa efígie foi conduzida triunfalmente ao seu atual santuário por ordem do Santo Padre, que recomendou aos filhos de Santo Afonso de Liguório: - "Fazei que todo o mundo conheça o Perpétuo Socorro".


“Esta igualdade de amor realiza na vida eterna mediante a luz da glória; e aqui na terra, pela fé já muito esclarecida.”
São João da Cruz – Ch 3,80

“Uma vez ouvi que o Senhor está em todas as coisas e em nossa alma; apresentou-se a mim a comparação de uma esponja que se embebe de água.”
Santa Teresa de Jesus – R 45

Cartas de Santa Teresa de Jesus em 27

1581 – C 378 – Ao Padre Jerônimo Gracián, em Salamanca – Viagem a Ávila e negócios dos Conventos. Inveja o Padre Gracián por viver em Salamanca, junto do Rio.



SANTO DO DIA





São Cirilo de Alexandria
Bispo e Doutor



São Cirilo nasceu em 370, no Egipto, e durante muitos anos foi o firme condutor da Igreja do Egipto. Lutou pela ortodoxia da doutrina católica e presidiu o Concílio de Éfeso, em 431, que definiu a maternidade de Maria, derrotando seu adversário Nestório que colocava em discussão a maternidade divina de Nossa Senhora. Durante o Concílio pronunciou o célebre “Sermão em louvor à Mãe de Deus” (Theotókos) que marca o início do florescimento dos hinos em honra à Virgem Maria. A coragem e a persistência com a qual defendia a verdade católica deram a santidade a este bispo de Alexandria: “Nós – dizia – pela fé em Cristo, estamos prontos a sofrer tudo – algemas, cárcere, a própria morte”. São Cirilo morreu em 444. Sua santidade foi reconhecida no pontificado de Leão XIII que lhe outorgou também o título de Doutor da Igreja. A sua devoção foi assim estendida a toda a Igreja latina.






quinta-feira, 25 de junho de 2009

Liturgia - 26 de junho - 6a-FEIRA DA 12a. SEMANA DO TEMPO COMUM


Cor litúrgica: Verde

Ofício do dia de semana
Liturgia das Horas: 1131
Oração das Horas: 1096

Leituras: Gn 17,1-9.10.15-22 – Sl 127(128) – Mt 8,1-4
“Se queres, podes curar-me.”
O gesto de Jesus de estender a mão mostra a afeição unida à misericórdia. Ele oferece ao leproso a oportunidade de voltar à comunidade.

“Tenha como misericórdia de Deus o dizerem-lhe por vezes alguma palavra boa, pois não mereces nenhuma.”
São João da Cruz – D 143

“Ó alma minha! Deixa que se faça a vontade de seu Deus! Isso te convém! Serve e espera em sua misericórdia que Ele remediará o teu sofrer quando, com a penitência de tuas culpas, tiveres ganho algum perdão delas. Não queiras gozar sem padecer.
Santa Teresa de Jesus – E VI 3

SANTO DO DIA




São Josemaria Escrivá

Josemaría Escrivá nasceu em Barbastro (Huesca, Espanha) no dia 9 de Janeiro de 1902. Os pais chamavam-se José e Dolores que deram aos filhos uma profunda educação cristã. Em 1915 faliu o negócio do pai, que era um industrial de tecidos, e ele teve de mudar-se para Logronho, onde encontrou outro trabalho. Nessa cidade, Josemaría apercebe-se da sua vocação pela primeira vez: depois de ver na neve umas pegadas dos pés descalços de um frade, intui que Deus deseja qualquer coisa dele, embora não saiba exatamente o que é. Pensa que poderá descobri-lo mais facilmente se se fizer sacerdote e começa a preparar-se para tanto, primeiro em Logronho, e mais tarde no seminário de Saragoza. Estuda Direito como aluno voluntário. O pai morre em 1924, e ele fica como chefe de família. Recebe a ordenação sacerdotal em 28 de Março de 1925 e começa a exercer o seu ministério numa paróquia rural e, depois, em Saragoza. Em 1927 muda-se para Madrid, com autorização do seu bispo, com o objetivo de se doutorar em Direito. Aí, no dia 2 de Outubro de 1928, no decorrer de um retiro espiritual, vê aquilo que Deus lhe pede e funda o Opus Dei. Desde então começa a trabalhar na fundação, ao mesmo tempo, continua exercendo o ministério sacerdotal, especialmente entre pobres e doentes. Além disso, estuda na Universidade de Madrid e dá aulas para manter a família. Quando rebenta a guerra civil encontra-se em Madrid, e a perseguição religiosa obriga-o a refugiar-se em diversos lugares. Exerce o ministério sacerdotal clandestinamente, até que consegue sair de Madrid. Depois de ter atravessado os Pirinéus, fixa residência em Burgos. Acabada a guerra, em 1939, regressa a Madrid e obtém o doutoramento em Direito. Nos anos que se seguem dirige numerosos retiros para leigos, para sacerdotes e para religiosos. Em 1946 fixa residência em Roma. Faz o doutoramento em Teologia pela Universidade Lateranense. É nomeado consultor de duas Congregações da Cúria Romana, membro honorário da Academia Pontifícia de Teologia e prelado honorário de Sua Santidade. De Roma desloca-se, em numerosas ocasiões, a diversos países da Europa - e em 1970 ao México -, a fim de impulsionar o estabelecimento e consolidação do Opus Dei nessas regiões. Com o mesmo objetivo, em 1974 e em 1975, realiza duas longas viagens pela América Central e do Sul, onde, além disso, tem reuniões de catequese com grupos numerosos de pessoas. A Santa Missa era a raiz e o centro da sua vida interior. O sentido profundo da sua filiação divina, vivido numa contínua presença de Deus Uno e Trino, levava-o a procurar em tudo a mais completa identificação com Jesus Cristo, a uma devoção terna e forte a Nossa Senhora e a S. José, a um trato habitual e confiado com os Santos Anjos da Guarda e a ser um semeador de paz e de alegria por todos os caminhos da terra. Mons. Escrivá oferecera a sua vida, repetidas vezes, pela Igreja e pelo Romano Pontífice. O Senhor acolheu esta oferta e Mons. Escrivá entregou santamente a alma a Deus, em Roma, no dia 26 de Junho de 1975, no seu quarto de trabalho.








quarta-feira, 24 de junho de 2009

Liturgia - 25 de junho - 5a-FEIRA DA 12a. SEMANA DO TEMPO COMUM





Cor litúrgica: Verde

Ofício do dia de semana
Liturgia das Horas: 1112
Oração das Horas: 1084

Leituras: Gn 16,1-12.15-16 – Sl 105(106) – Mt 7, 21-29
“Só entrará no Reino dos Céus aquele que pratica a vontade do meu Pai que está nos céus.”
A Boa Nova ensina aos cristãos de todos os tempos a se enraizar firmemente nos ensinamentos de Jesus e a traduzi-los em ações concretas.

“O cristão só deve pôr os olhos e todo o seu gosto em servir e honrar ao Senhor, com seus bons costumes e virtudes.”
São João da Cruz – 3S 27,4


“Ó Senhor, me Deus! Choro o tempo em que não entendi. E como sabeis, meu Deus, o quanto me aflige ver os muitos que não querem entender, permiti que ao menos um, um pelo menos, por que agora Vos peço alcance a luz para que a tenham muitos.”
Santa Teresa de Jesus – E XI.3


SANTO DO DIA




São Guilherme de Vercelli




São Guilherme nasceu em Vercelli, no ano de 1085, de uma rica família da nobreza francesa. Aos quinze anos já vestia o hábito de monge e era um fervoroso peregrino. Percorreu toda a Europa visitando os santuários mais famosos e sagrados, pretendendo se tornar um simples monge peregrino na Terra Santa. Foi dissuadido, ao visitar, na Itália, João de Matera, hoje Santo. O qual lhe disse profeticamente que Deus não desejava apenas isto dele. Contribuiu também, para sua desistência, o facto de ter sido assaltado por ladrões de estrada que lhe aplicaram uma violenta surra. O incidente acabou levando-o a procurar a solidão na região próxima de Avellino, na montanha de Montevergine. Era uma terra habitada apenas por animais selvagens, onde, segundo a tradição, um lobo teria matado o burro que lhe servia de transporte. Guilherme então teria domesticado toda a matilha, que passou a lhe prestar todo tipo de auxílio. Vivia ali como eremita, dedicando-se à oração e penitência, mas isto durou pouco tempo. Logo começou a ser procurado por outros eremitas, religiosos e fiéis. Acabou fundando, em 1128, um mosteiro masculino, o qual colocou sob as regras beneditinas, e dedicou a Maria, e ficou conhecido como o mosteiro de Montevergine. Dele, Guilherme tornou-se o abade, todavia por pouco tempo, pois transmitiu o cargo para um monge sucessor e continuou peregrinando. Entretanto, este procedimento tornou-se a rotina de sua vida monástica. Guilherme acabou fundando um outro mosteiro beneditino, dedicado a Maria, em Monte Cognato. Mais uma vez encontrou-se na posição de abade e novamente transmitiu o posto ao monge que elegeu para ser seu sucessor. Desejando imensamente a solidão, foi para a planície de Goleto, não muito distante dali, onde por um ano inteiro viveu dentro do buraco de uma árvore gigantesca. E eis que tornou a ser descoberto e mais outra comunidade se formou ao seu redor. Desta vez teve de fundar um mosteiro "duplo", ou seja, masculino e feminino. Contudo, criou duas unidades distintas, cada uma com sua sede e igreja própria. E assim foi que muitíssimos mosteiros nasceram em Irpínia e em Puglia, como revelou a sua biografia datada do século XII. Deste modo, ele que desejava apenas ser um monge peregrino na Terra Santa, fundou a Congregação Beneditina de Montevergine, que floresceu por muitos séculos. Somente em 1879 ela se fundiu à Congregação de Montecassino. Guilherme morreu no dia 25 de Junho de 1142, no mosteiro de Goleto. Teve os restos mortais transferidos, em 1807, para o Santuário do Mosteiro de Maria de Montevergine, o primeiro que ele fundara, hoje um dos mais belos Santuários Marianos existentes. Em 1942, o Papa Pio XII canonizou-o e declarou São Guilherme de Vercelli padroeiro principal da Irpínia.



Bento XVI com astronauta que levou relíquias de Teresinha ao espaço, Ronald Garan, tripulante do Discovery Shuttle


CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 24 de junho de 2009 (ZENIT.org).

- Entre os milhares de peregrinos que participaram da audiência geral nesta quarta-feira, na Praça de São Pedro, Bento XVI cumprimentou o astronauta americano Ronald Garan, quem levou uma relíquia de Santa Teresinha ao espaço a bordo do Discovery Shuttle.A esta relíquia, que se encontra em órbita há um ano, será acrescentada outra que o próprio coronel Garan levará na próxima missão, programada para março de 2011, na estação espacial internacional.Segundo contou o coronel da NASA, antes de empreender a missão espacial, de 31 de maio a 14 de junho do ano passado, para transportar e acrescentar o módulo de laboratório japonês Kibo (Esperança) à Estação Espacial Internacional, ligou para as religiosas da comunidade carmelita de New Caney (Texas) para pedir-lhes orações e lhes disse que poderia levar algum pequeno objeto ao espaço, em nome da comunidade.A comunidade se lembrou das palavras de Santa Teresinha: “Sinto a vocação de apóstolo... Eu gostaria de percorrer a terra, pregar o teu nome e plantar sobre o solo infiel a tua cruz gloriosa. Mas, meu Amado, uma só missão não me bastaria! Eu gostaria de anunciar ao mesmo tempo o teu Evangelho nas cinco partes do mundo, e até nas ilhas mais remotas...”.Com esta invocação, as carmelitas não hesitaram em entregar ao astronauta uma relíquia de Santa Teresinha.Garan, com seus familiares, também criou a Manna Energy Foundation que, com tecnologia da NASA e o financiamento da ONU, desenvolveu um sistema para tornar potável a água das aldeias da Ruanda e instalar painéis solares em escolas e hospitais.

feliz aniversário

ANA MARIA!!


PARA ANA MARIA COM CARINHO




SUA ENERGIA, SUA ALEGRIA, SEU JEITO ATIVO E ALTIVO, SEU CARINHO E ATENÇÃO, TUDO E TODA A SUA PESSOA FICAM MAIS EXPERIENTES HOJE! SENTIMOS SAUDADES! RECEBA O NOSSO ABRAÇO. PARABÉNS!
Ana,
Hoje é seu aniversário...
Hora de festejar essa pessoa linda que você é.
Dar-lhe beijos e abraços, comemorar o seu dia.
Cantando a nossa amizade em forma de poesia.
Hoje é seu dia de festa...
Iluminado, em seu rosto, abre-se um largo sorriso.
Ao ver amigos, surpresas, quanta felicidade!
No seu olhar – a brilhar – a luz da nossa amizade.
Hoje é seu dia de bênçãos...
Mil vezes bendiga os presentes que vêm de Deus!
E, quando for brindar, brinde também por nós.
Que aqui em pensamento e oração brindaremos por você.
Feliz Aniversário!
FAMÍLIA OCDS

terça-feira, 23 de junho de 2009

Liturgia - 24 de junho - NATIVIDADE DE SÃO JOÃO BATISTA







Cor litúrgica: Branco

Ofício solene próprio
Liturgia das Horas: 1376-626
Oração das Horas: 1271-764

Leituras: Is 49,1-6 – Sl 138(139) – At 13,22-26 – Lc 1,57-66.80
“Seu nome é João, e todos ficaram admirados.”
João convida o povo a reconhecer Cristo, como o sol que nos vem visitar.
A vida e a missão de João tem profunda relação com a vida de todo aquele que busca a Deus.


“Nesta noite árida cresce a solicitude de Deus e as ânsias para servi-lo.”
São João da Cruz – 3S 30,5

Carta de Santa Teresa de Jesus em 24

1579 – C 289 – À Maria de S. José, Priora de Sevilla. Nicolas Doria, bom elemento para a Reforma. Aconselha à Madre que aceite o Priorado de Sevilla. Desejava ter notícias das duas Religiosas que tanto davam o que fazer. Partida para Valladolid e Salamanca.


Solenidade do Nascimento de João Batista


Com muita alegria a Igreja Universal Solenemente celebra o nascimento de São João Batista que ao lado da Virgem Maria são os únicos em que a Liturgia lembra o seu natal. São João Batista nasceu seis meses antes de Jesus Cristo seu primo, e foi um anjo quem revelou o seu nome ao pai Zacarias, que a tempos rezava com Elisabete para terem um filho. Estudiosos mostram que possivelmente depois de idade suficiente, João teria participado da vida monásticas de uma comunidade rigorista que na beira do Jordão ou Mar Morto viviam em profunda penitência e oração, disto compreendemos o texto de Mateus: "João usava um traje de pêlo de camelo, com um cinto de couro à volta dos rins; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre". O que tornou João importante para a história do Cristianismo é que além de ser o último profeta a anunciar o Messias, foi ele quem preparou o caminho através de suas pregações que chamavam a mudança de vida e batismo de penitência (por isto Batista), pois "Eu vos batizo na água, em vista da conversão; mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu: eu não sou digno de tirar-lhe as sandálias; ele vos batizará no Espírito Santo" (Mt 3, 11). Os Evangelhos nos revelam a inauguração da Missão Salvífica de Jesus, a partir do batismo recebido pelas mãos do precursor João e manifestação da Trindade. São João ao reconhecer e apresentar Jesus como o Cristo, continuou sua missão em sentido descendente, afim de que somente o Cristo aparecesse. Grande anunciador e denunciador São João Batista que foi preso por não concordar com as atitudes pecaminosas de Herodes, acabou decapitado devido o ódio de Herodíades, mas morreu na santidade e reconhecimento do próprio Cristo: "Em verdade eu vos digo, dentre os que nasceram de mulher, não surgiu ninguém maior que João , o Batista" (Mt 11, 11).


João Batista era primo de Jesus e teve o privilégio de batizá-lo



A Bíblia conta que Isabel era prima e muito amiga de Maria e elas tinham o costume de se visitarem. Numa dessas ocasiões, já grávida, "quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança lhe estremeceu no ventre e Isabel ficou repleta do Espírito Santo" (Lc 1,41). Ainda no ventre da mãe, João se reverencia e reconhece a presença do Cristo Jesus. Na despedida, as primas combinam que o nascimento de João seria sinalizado com uma fogueira, para que Maria pudesse ir ajudar a prima depois do parto. Desta forma os evangelistas apresentam com todo rigor a figura de João como precursor do Messias, cujo dia do nascimento é também chamado de "Aurora da Salvação". Ele era um filho muito desejado por seus pais, Isabel e Zacarias, ela estéril e ele mudo, ambos de estirpe sacerdotal e já com idade bem avançada. Isabel haveria de dar à luz um menino, o qual deveria receber o nome de João, que significa "Deus é propício". Assim foi avisado Zacarias pelo Anjo Gabriel que o visitou anunciando a chegada do tão esperado herdeiro. Conforme a indicação de Lucas, Isabel estava no sexto mês do nascimento de João, que foi fixado pela Igreja três meses após a Anunciação de Maria e seis meses antes do Natal de Jesus. O sobrinho da Virgem Maria foi o último profeta e o primeiro apóstolo. Com palavras firmes, pregava a conversão e a necessidade do batismo de penitência. Anunciava a vinda do Messias prometido e esperado. Sua originalidade era o convite a receber a ablução com água no rio Jordão, prática chamada batismo. Daí o seu apelido de Batista. João Batista teve a grande missão de batizar o próprio Cristo. Ele apresentou oficialmente Cristo ao povo como Messias, com estas palavras: "eis o Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo... Ele vos batizará com o Espírito Santo e com o fogo" (Mt 3,11). João Batista morre degolado sob o governo do rei Herodes Antipas, por defender a moralidade e os bons costumes. É um dos Santos mais populares em todo o mundo cristão. Em sua festa, que tem música e dança, o ponto central é a fogueira, lembrando a primeira feita por seus pais para comunicar o seu nascimento: anel de ligação entre a antiga e a nova aliança.


Fonte: http://www.pastoraldapessoaidosa.org.br/



Arcebispo lança campanha vocacional no Twitter


Abre dois sites para sacerdotes e aspirantes

UTRECHT, segunda-feira, 22 de junho de 2009 (ZENIT.org).- Dom Willem J. Eijk, arcebispo de Utrecht (Holanda), lançou na sexta-feira, no contexto do início do Ano Sacerdotal, uma campanha pelas vocações sacerdotais no Twitter.Com uma mensagem enviada a partir do site da arquidiocese, Dom Eijk convida a rezar pelas vocações e difundir este apelo via Twitter.

"O Twitter é neste momento uma das redes sociais mais populares do mundo. Milhões de pessoas se conectam pelas mensagens curtas. Enquanto católicos, queremos que a Igreja igualmente faça uso desses novos meios de comunicação”, afirma.

Como em muitas outras dioceses do mundo, a necessidade de sacerdotes é grande na arquidiocese holandesa de Utrecht. As projeções mostram que dentro de cinco anos apenas 50 sacerdotes estarão ativos. Trabalharão em 48 paróquias com mais de 300 igrejas.

“Somente em nossa diocese, precisamos de outros 100 novos sacerdotes –afirma o arcebispo. No entanto, a qualidade é mais importante que a quantidade. Não é fácil ser sacerdote em nosso mundo hoje. Precisamos de homens que estejam dispostos a seguir Cristo com total dedicação.”

O arcebispo Eijk espera que os católicos usem o Twitter diariamente durante o Ano Sacerdotal para recordar a seus amigos que rezem pelas vocações.

O prelado holandês lançou também no primeiro dia do Ano Sacerdotal dois sites que oferecem aos participantes na campanha um lugar para se encontrar com seminaristas, sacerdotes e jovens que estão discernindo sua vocação. Um dirigido aos holandeses, "jaarvandepriester.nl" e outro internacional, "futurepriests.com".

“Com esses sites –explica Dom Ejik–, pode-se ver com quem e por quem se reza. Ali nos colocamos em contato com os participantes na campanha pelas vocações e com os futuros e jovens sacerdotes”.



(Nieves San Martín)

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Liturgia - 23 de junho - 3a-FEIRA DA 12a. SEMANA DO TEMPO COMUM






Cor litúrgica: Verde

Ofício do dia de semana
Laudes: Liturgia das Horas: 1074
Oração das Horas: 1058
I Vésperas: Liturgia das Horas: 1369-1677
Oração das Horas: 1269-1547


Leituras: Gn 13,2.5-18 – Sl 14(15) – Mt 7,6.12-14
“Pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto. Porque aquele que pede, recebe. Quem busca, acha.”
O caminho que conduz à vida é penoso e a porta, estreita.

“Conseguiram refrear algum tanto os apetites naturais, e estão dispostos a sofrer por Deus um pouco de trabalho e secura sem volver atrás, para o tempo mais feliz.”
São João da Cruz – 2S 20,6

“Tende piedade dos que não a tem de si, já que sua desventura os deixa em tal condição que não querem vir a Vós, vinde Vós a eles, Deus meu. Eu Vô-lo peça em seu nome e sei que, se se entenderem e caírem em si, começando a gostar de Vós, esses mortos ressuscitarão.”
Santa Teresa de Jesus – E IX.1

Carta de Santa Teresa de Jesus em 23

1568 – C 11 – À D. Luisa de La Cerda, em Antequera – Próxima viagem da Santa em Valladolid. Pede aD. Luisa lhe envie quanto antes o manuscrito da Vida. Assuntos do Convento de Malagón.

SANTO DO DIA



São José Cafasso,
Presbítero




José Cafasso nasceu em Castelnuovo d'Asti, em 1811, quatro anos antes do conterrâneo João Bosco, o apóstolo dos jovens e também Santo da Igreja. Ambos trabalharam, na mesma época, em favor do povo e dos menos favorecidos, material e espiritualmente. Mas, enquanto João Bosco era eloqüente com os estudantes, um verdadeiro farol a iluminar os caminhos tormentosos da adolescência, Cafasso se dedicava à contemplação e a ouvir seus fiéis em confissão, o que acabou levando-o aos cárceres e prisões. Estava determinado a ouvir os criminosos que queriam se confessar e depois consolá-los mesmo fora da confissão. Era uma figura magra e encurvada devido a um defeito na coluna que o fazia a se manter nessa posição mesmo nas horas em que não estava no confessionário. Padre Cafasso freqüentou o curso de teologia de Turim e ordenou-se aos vinte e dois anos. Difícil predizer que seria um grande pregador, mas com sua voz mansa e suave era muito requisitado pelos companheiros de sacerdócio que procuravam os seus conselhos. Formado, passou a dar aulas e acabou tendo João Bosco como aluno. Apoiou Bosco em todas as suas empreitadas, inclusive quando lotou a escola de jovens pobres de toda a região que não tinham dinheiro para a educação. Quando Bosco retirou a criançada e a levou para sua própria casa, em Valdocco, foi a ajuda financeira de seu mestre José Cafasso que tornou isso possível. E ele fez mais, pouco antes de morrer, doou tudo o que possuía à João Bosco, para que ele continuasse sua obra no ensino e orientação dos jovens. Morreu jovem, com apenas quarenta e nove anos, no dia 23 de junho de 1860. O título de "padroeiro dos encarcerados e dos condenados à pena capital" esclarece bem como viveu o seu apostolado. Suas visitas aos cárceres eram o consolo dos presos e sua figura se tornou a presença mais constante em todos os enforcamentos realizados em sua cidade, Turim. Mas sua ajuda não se limitava aos encarcerados, estendia-se às famílias, ao socorro às esposas e filhos para que não se desviassem do caminho de Cristo. Padre José Cafasso era sempre o último companheiro de todos que seriam executados no cadafalso e, por isso, ficou conhecido entre o povo como o "padre da forca". Em 1947, foi canonizado e sua veneração litúrgica designada para o dia de seu trânsito.






domingo, 21 de junho de 2009

Liturgia - 22 de junho - 2a-FEIRA DA 12a. SEMANA DO TEMPO COMUM.




Cor litúrgica: Verde

Ofício do dia de semana
Liturgia das Horas: 1055
Oração das Horas: 1045

Leituras: Gn 12,1-9 – Sl 32(33) – Mt 7,1-5
“Não julgues e não sereis julgados, pois do mesmo modo que julgardes será também julgados.”
Não somos melhores do que os outros; não estamos em posição de julgar ninguém.

“Não te entristeças repentinamente com os casos adversos do século, pois não sabes o bem que consigo trazem, ordenados nos juízos de Deus para o gozo sempiterno dos eleitos.”



São João da Cruz – D 62

“Ó Deus de minha alma, como nos apressamos em vos ofender, e como apressais ainda mais em nos perdoar! Qual é a causa de tão desatinado atrevimento? Será o termos entendido vossa grande misericórdia e termos esquecidos de que é justa a vossa justiça.”
Santa Teresa de Jesus – E X.1

SANTOS DO DIA


São Paulino de Nola,

Bispo




No ano da graça de 431, o nascimento no céu de São Paulino. Originário de uma família senatorial romana residente em Bordeaux, renunciou a um rico e bem consolidado patrimônio para colocar-se a serviço da Igreja. Ordenado sacerdote em Barcelona, fixou-se junto ao sepulcro de São Félix, em Nola, na Campânia. Quando chegou a hora de sua eleição episcopal, zelou com grande solicitude por seus fiéis, que estavam sofrendo com a invasão dos godos.


São João Fisher e São Tomás Morus

Mártires

Em Londres, no ano do Senhor de 1535, São João Fisher, professor da Universidade de Cambridge e São Tomás Morus, Lorde Chanceler do rei Henrique VIII da Inglaterra. Humanistas da Renascença, amigos de Erasmo e de Holbein, serviram à Coroa com inteligência e lealdade, o que não os impediu de ficar ao lado da Igreja até à morte.
Foram martirizados (decapitação e enforcamento) porque se opuseram ao divórcio de Henrique VIII e não aceitaram o ato pelo qual aquele monarca rompeu com o Papado.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...