quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Comentário ao Evangelho do dia feito por São João da Cruz




(1542-1591), carmelita, Doutor da Igreja
Conselhos e máximas (a partir dos n.° 220-226 in trad. Seuil 1945, p. 1212 rev.)

«Os seus anjos, no Céu, vêem constantemente a face de Meu Pai que está no Céu» (Mt 18,10)

Os anjos são os nossos pastores; não só levam a Deus as nossas mensagens,
como também trazem até nós as que Deus nos envia. Apascentam-nos a alma com
doces inspirações e comunicações divinas; sendo bons pastores, protegem-nos
e defendem-nos dos lobos, isto é, dos demónios.


Com as suas secretas inspirações, os anjos possibilitam à alma um
conhecimento mais elevado de Deus; inflamam-na assim de uma chama mais viva
de amor para com Ele; chegam até a deixá-la ferida de amor [...].


A luz de Deus ilumina o anjo, penetrando-o com o seu esplendor e
inflamando-o com o seu amor, porque o anjo é um espírito puro completamente
disposto a essa participação divina, mas, ao homem, ilumina-o habitualmente
de uma maneira obscura, dolorosa e penosa, porque o homem é impuro e fraco
[...].


Quando o homem se torna verdadeiramente espiritual e fica transformado pelo
amor divino que o purifica, recebe a união e a amorosa iluminação de Deus
com uma suavidade semelhante à dos anjos [...].


Lembrai-vos de como é vão, perigoso e funesto exultarmos com tudo o que não
seja serviço de Deus, e considerai a tamanha infelicidade dos anjos que
exultaram e se comprazeram com a sua própria beleza e seus próprios dons
naturais; pois foi esse o motivo por que alguns deles caíram, privados de
toda a beleza, no fundo dos abismos.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...