quarta-feira, 7 de março de 2012

O SILÊNCIO DÁ FUNDAMENTO À ORAÇÃO


S.S. Papa Bento XVI 
| 07/03/2012

  Na conclusão do seu ciclo de catequeses sobre a oração de Jesus, durante a Audiência geral, o Papa Bento XVI focou sobre o valor do silêncio na relação do homem com Deus.
 O silêncio de Deus mais eloqüente, explicou o Papa, é aquele de Cristo na cruz, onde “o Verbo calou, tornou-se silêncio mortal” (cf. Verbum Domini). No entanto, trata-se de um silêncio que fala, porque a crucificação do Senhor "é profundamente reveladora da situação do homem que reza e do ápice da oração”, o silêncio é fundamental para  dar espaço à Palavra de Deus: e ele deverá ser “interior e exterior”. O recolhimento não é nada fácil no nosso tempo, tanto é assim que às vezes “parece que existe medo em distanciar-se, ainda que por um momento, do rio de palavras e imagens que marcam e enchem as nossas jornadas”, observou o Pontífice.
 Citando novamente a Verbum Domini, o Santo Padre recordou a "grande tradição patrística" que nos ensina que "os mistérios de Cristo estão unidos ao silêncio e somente nele "a Palavra pode habitar em nós, como aconteceu com Maria, inseparavelmente mulher da Palavra e do silêncio".
 O tema do silêncio, ressaltou Bento XVI, é também fundamental para a liturgia: "para facilitar uma escuta autêntica", as missas devem estar "cheias de momentos de silêncio e de acolhida não -verbal". E nesse sentido citou Santo Agostinho que dizia: verbo crescente, verba deficiunt("Quando o Verbo de Deus cresce, as palavras humanas têm menos importância").
 O silêncio é "capaz de cavar um espaço interior no mais profundo de nós mesmos, para fazer Deus habitar, para que a Palavra permaneça em nós, para que o amor por Ele se enraize na nossa mente e no nosso coração, e anime a nossa vida”, continuou. Além da abertura da escuta, que implica o silêncio do homem diante de Deus, há o aspecto do silêncio de Deus que, no entanto, "não marca a sua ausência". O silêncio é essencial para abrir-nos a Deus e "conhecê-lo realmente”, como experimenta Jó que, depois de ter perdido tudo aquilo de mais precioso, admite que antes conhecia a Deus só por “ter ouvido falar” (Jó 42,5).
 Jesus nos ensina a orar, mostrando-nos  "a pureza do coração, que procura o Reino e perdoa os inimigos; a confiança audaz e filial, que vai além do que sentimos e compreendemos; a vigilância, que protege o discípulo da tentação" (Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, n º 54).
 No exemplo de Cristo aprendemos a oração como momento crucial para "interpretar a nossa vida", para "fazer as nossas escolhas", para "acolher a nossa vocação" e para "descobrir os talentos que Deus nos deu" para cumprir a Sua vontade e realizar a nossa existência.
 O clímax da oração de Cristo ao Pai é especialmente o grito que Lhe dirige da cruz, no qual se reúnem "todas as angústias da humanidade de todos os tempos, escrava do pecado e da morte, todas as implorações e as intercessões da história da salvação”, que no final o Pai acolhe e, “além de toda esperança, o escuta ressuscitando o seu Filho” (Catecismo da Igreja Católica, 2598).

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...