sábado, 20 de abril de 2013

XXX CONGRESSO- Quintas Moradas- Frei Fabiano





Quintas Moradas

Capítulo 1
Começa a falar como a alma se une a Deus na oração.
Diz como se saberá não ser engano.

Nesta morada Teresa explica as riquezas e os tesouros que o Senhor realiza nas almas. Porém o intelecto não é capaz de captá-las nem as comparações servem para explicá-las. Para este fim, são muito baixas as coisas da terra.
Pede a luz do Senhor para explicar e esclarecer as irmãs, para que não sejam enganadas pelo demônio, transfigurado em anjo de luz. Não são todos que recebem as graças e não chegam a esta morada, pois “poucos de nós nos dispomos a que o Senhor nos revele este tesouro”. Que Ele nos mostre o caminho e dê forças à nossa alma para cavar até encontrar esse tesouro escondido (Mt 13,44). “A verdade é que Ele está em nós mesmos”.
Se cada um der o que tiver, Ele já se contenta. O Senhor não quer que fiquemos com nada. Pouco ou muito, tudo o quer para Si. A prova para saber se nossa oração chegou ou não à união total é considerar o que temos dado ao Senhor. O Senhor está tão unido à essência da alma que o inimigo não arriscará a aproximar-se.
Tem as portas bem fechadas ao recebimento destas graças aquele que não crê que Deus pode muito mais. Crede que Deus pode fazer muito mais.
A certeza que temos destas graças é que Deus é todo poderoso. É Deus quem o faz; por isso não desejemos entendê-lo. É o Senhor quem vai nos introduzir, estando Ele no centro da nossa alma – “Levou-me o Rei à adega dos vinhos, ou introduziu-me” (Ct2,4 e 3,2). Qual é a nossa participação então? Rendermos inteiramente a nossa vontade à Sua.

Capítulo 2
Prossegue o mesmo assunto. Explica a oração de união por meio de uma comparação delicada. Fala dos efeitos disso na alma.

Teresa compara este processo, ou a oração de união, com o bicho da seda, onde os vermes tecem a seda e forma o casulo muito apertado, onde se encerra; então desaparece o verme, que é muito feio, e sai do mesmo casulo uma borboletinha branca, muito graciosa. Aí podeis considerar as maravilhas e a sabedoria do nosso Deus.
A alma = lagarta. Começa a ter vida com o calor do Espírito santo. Fazendo uso dos meios que o Senhor concede à Igreja (confissões, boas leituras, sermões, etc). A lagarta começa a fabricar a seda e a edificar a casa – a casa é, para nós, Cristo. “Nossa vida está escondida com Cristo em Deus” (Col3,3-4). O Senhor é a nossa morada.  
Efeitos: a alma não se conhece a si mesma, a alma não sabe como pode merecer tanto bem, tem um grande desejo de louvar o Senhor que gostaria de desfazer-se e morrer por Ele mil mortes, tem desejos de penitência, de solidão e de que todos conheçam a Deus, grande pesar de O ver ofendido. Na próxima morada vai explicar com mais detalhes todos esses efeitos.
Nasceram-lhe asas. Se pode voar, como pode ela contentar-se em andar passo a passo?
Cada vez que tem oração, esse é seu pesar, decorrente, de certo modo, da dor que lhe causa ver o quanto Deus é ofendido e pouco estimado no mundo. A alma está tão rendida pelo grande amor que não sabe nem deseja senão que Deus faça dela o que quiser. Quer sair dali marcada com o seu selo (cera).

Capítulo 3
Prossegue no mesmo tema. Fala de outra maneira de união que a alma pode alcançar com o favor de Deus e de como é importante para isso o amor ao próximo.

Deus não quer que uma graça tão grande seja concedida inutilmente. A verdadeira união pode ser alcançada se nos esforçarmos em procurá-la mantendo a nossa vontade atada apenas ao que for a vontade de Deus. A união da qual fala Teresa neste capítulo é a conformidade com a vontade de Deus (união não-deleitosa, de pura conformidade de vontades. Cf nota 9). É esta união que Santa Teresa mais desejou em sua vida (5).
O amor ao próximo – sinal para saber se já alcançamos esta união com o Senhor. Quanto mais praticamos o amor ao próximo, mais estaremos praticando o amor a Deus.

Capítulo 4
Prossegue o mesmo assunto, explicando com mais detalhes este tipo de oração.
Fala de andar com atenção, pois o demônio faz de tudo para levar a alma a
retroceder no caminho recomeçado.

O que é a oração de união? Faz uma comparação com o sacramento do matrimônio (nota 4).
O contrato: corresponde às graças preparatórias das IV M;
O encontro: inicia na alma um conhecimento mais profundo de Deus e desperta nela um amor novo;
O enamoramento: uma permanente ferida de amor;
O conceder a mão: o compromisso de vigilância e proteção do esposo divino com relação à alma;
O mútuo intercambio de dons tem sua correspondência mística nas três “jóias que o Esposo começa a dar à esposa”: conhecimento da grandeza de Deus, conhecimento próprio e desprezo do terreno.
Atenção com as sutilezas do inimigo. Se alma estivesse sempre unida à vontade de Deus, está claro que não se perderia.
Teresa coloca duas dúvidas:
1)      Se a alma está tão unida à vontade de Deus, como se pode enganar já que em nada quer fazer a própria vontade (7)? Resposta: se a alma estivesse sempre unida à vontade de Deus, está claro que não se perderia (8).
2)      Porque meios o demônio pode entrar tão perigosamente que vos faça perder a alma? Resposta: Não há recinto tão fechado onde o demônio não possa penetrar nem deserto tão isolado onde deixe de ir. O Senhor pode permitir para ver como se comporta a alma.
Procuremos sempre avançar pois o amor nunca está ocioso.



Obs: este texto não é uma síntese, mas uma cópia literal de alguns trechos das Quintas Moradas de Santa Teresa de Jesus. Portanto não se encontra entre aspas.


Frei Fabiano Alcides

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...