terça-feira, 24 de junho de 2014

Pelo Sagrado Caminho da Mariologia




Feliz a alma que ama e venera a Virgem
Mãe de Deus! Certamente salvar-se-á. 
A vinculação de Maria com o mistério de Cristo leva a teologia a explicitar cada vez mais o importante papel da Virgem Mãe na história da Salvação.

Ao finalizar a constituição dogmática sobre a Igreja com um capítulo completo dedicado à Virgem Maria, 1 o Concílio Vaticano II quis pôr em realce a importância fundamental da Santíssima Virgem na teologia e na piedade católica.

Nele se lembra a longa e ininterrupta tradição de veneração e especialíssimo amor àquela donzela de Nazaré, por sua participação fundamental na Redenção e na história da Salvação. Já no Cenáculo, os Apóstolos, os demais discípulos e as Santas Mulheres
tinham viva noção do papel relevante desta bondosíssima Mãe.

"Maior que Vós, só Deus"

No Novo Testamento encontramos poucas referências a Nossa Senhora, mas basta analisá-las com cuidado para notar que são de máxima importância. E nos primeiros símbolos da fé se inclui sempre Maria Santíssima como Mãe de Jesus por obra do Espírito Santo. Essa menção à Virgem é de alto valor teológico, nisso vemos seu papel especialíssimo.

Acentua, a este propósito, um teólogo contemporâneo: "Graças a Ela, Jesus é descendente de Davi, herdeiro do trono, portador das promessas messiânicas, Aquele sobre o qual pousa o Espírito de Iavé (cf. Lc 1, 32-36; Is, 11, 1-3). A participação ativa da ‘mulher' no mistério da Encarnação é algo positivamente querido por Deus, a tal ponto que não se pode captar o mistério de Cristo sem aceitar também que o modo pelo qual Ele passou a formar parte do gênero humano foi o de encarnar-Se, ‘por obra do Espírito Santo', na Santa Virgem Maria".2

Mas não é só isso. Ensina São Luís Grignion de Montfort que Deus quis servir-Se de Maria na Encarnação como o mais perfeito meio para o Verbo vir até nós e operar a Redenção.
Amar a Maria certamente nos faz
amar mais a Jesus. 

Esta vinculação de Maria com todo o mistério de Cristo - o mistério de seu ser e de sua missão - levou a teologia a explicitar cada vez mais a persuasão de que a Virgem Mãe ocupa um lugar importantíssimo na história da Salvação. E por esta razão a Igreja A coloca numa posição de superioridade com relação a todos os Santos, prestando-Lhe o culto de hiperdulia. Em inteira consonância com o ensinamento dos Papas e dos Doutores, cantam os fiéis na Espanha e na Hispano-América um hino muito antigo, nascido da piedade popular, cujo estribilho diz: "Maior que Vós, só Deus, só Deus...".

"Paraíso do novo Adão"

Ao escrever sobre a maternidade divina de Maria, os grandes Santos marianos afirmam que Ela é a "digna" Mãe de Deus. É muito importante este adjetivo, pois significa que Ela, sem deixar de ser uma mera criatura, estava à altura desse papel inimaginável: ser Mãe de Deus. Considerando esta expressão "digna Mãe de Deus", notamos tal santidade, altura e elevação de alma que nos resta apenas repetir o velho estribilho "maior que Vós, só Deus".

No Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, São Luís Grignion de Montfort A qualifica de "Paraíso do novo Adão", título não fácil de encontrar nos manuais de mariologia. O fato de se referir a Ela como o "Paraíso do novo Adão" nos faz ver a grandeza dessa alma e tudo quanto Deus Pai nela colocou.

Importância do estudo da mariologia

Estes são apenas alguns aspectos que nos ajudam a compreender a imensidade do papel da Santíssima Virgem na Redenção e, por conseguinte, na teologia católica.

Daí surgiu a mariologia, ciência que esteve presente no pensamento dos fiéis desde os primeiros Padres da Igreja e foi tomando corpo na teologia até que, por volta do século XVII, começou a distinguir-se como mais um ramo desta.

A devoção verdadeira a Maria é confiante,  humilde,
 terna, perseverante, sem escrúpulos e completamente
cristocêntrica.  Sejamos como crianças diante dela. 


Agora, qual é a importância do estudo da mariologia? Devemos estudá-la para amarmos mais esta boa Mãe. Só o estudo não basta, deve ele ser acompanhado pelo amor e fazer com que quanto mais estudamos, mais amamos e mais desejamos servir a Rainha do Céu. Há entre os católicos um erro muito comum, consistente numa espécie de temor de "exagerar" o amor e o culto à Santíssima Virgem, pois tal "exagero" poderia desagradar a Nosso Senhor. Nada mais falso. Quanto mais amarmos e prestarmos culto a Maria, mais nos aproximaremos do Sagrado Coração de seu Divino Filho. Esse erro tem suas raízes na velha heresia jansenista, que tanto mal causou à piedade mariana e eucarística.

Não devemos, pois, ter receio de amar, conhecer e trabalhar para que a Santíssima Virgem seja conhecida. A isto nos ajude a consideração destes pequenos pontos introdutórios para entrar pelo sagrado caminho da mariologia.

(Pe. Juan Carlos Casté, EP, Revista Arautos do Evangelho, Abril/2014, n. 148, p. 38-39)


Notas:

1 Trata-se do capítulo VIII da Lumen gentium, intitulado "A Bem-aventurada Virgem Maria, Mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja".

2 BASTERO DE ELIZALDE, Juan Luis. María Madre del Redentor. 2.ed. Pamplona: EUNSA, 2004, p.18.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...