sábado, 12 de julho de 2014

OS BEATOS LUÍS (1823-1894) E ZÉLIA MARTIN (1831-1877) (Pais de Santa Teresinha - Memória dia 12 de julho )





Este ano teremos o Sínodo sobre a Família, no mês de Outubro, o qual refletirá sobre Os  desafios pastorais sobre a família no contexto da evangelização. Um tema importante que  será estudado à luz do Evangelho e da doutrina da Igreja sobre a Família, tendo em conta as  
respostas ao questionário enviado aos fiéis de todo o mundo no ano passado.  Na Igreja e no Carmelo temos o exemplo de tantos casais santos que, reconhecidos   oficialmente como tais pela Igreja ou não, educaram e educam seus filhos segundo  os princípios cristãos. Tarefa não fácil, diante de uma sociedade que perde os valores  humanos e cristãos e se deixa levar por interesses desumanos e mercantilistas. Diante  disso, recordamos que a “educação cristã em família realiza-se, principalmente,  através do testemunho de vida dos pais em relação aos filhos. Algumas  respostas recordam que o método de transmissão da fé não se altera ao  longo do tempo, embora se tenha que adaptar às circunstâncias: caminho  de santificação do casal; oração pessoal e familiar; escuta da Palavra e  testemunho da caridade. Onde se vive este estilo de vida, a transmissão da  
fé é assegurada, não obstante os filhos sejam submetidos a pressões de sinal  oposto” (Instr. de trabalho do Sínodo Família,134) .

O teólogo Hans Urs von Balthasar afirmou que se S. Teresinha é santa, foi graças à  santidade de seus pais, os Beatos Luís e Zélia, que se casaram dia 13 de Julho de 1858  e foram beatificados em Lisieux dia 19 de Outubro de 2008. Deles podemos dizer que  viveram o que escreve o Instrumento de trabalho do próximo sínodo: “Ligados por um  vínculo sacramental indissolúvel, os esposos vivem a beleza do amor, da  paternidade, da maternidade e da dignidade de participar deste modo na  obra criadora de Deus” (Instr. de trabalho do Sínodo Família, 3).

Na recordação de sua festa, pedimos a intercessão deles pelas famílias, a  
fim de que sejam fortes e fiéis aos compromissos de amor e de fidelidade,
de abertura à vida e de educação humana e cristã dos filhos. A família é e
sempre será a célula básica da sociedade.

Com a Oração à Sagrada Família, composta pelo papa Francisco rezamos:

Jesus, Maria e José, em vós nós contemplamos o esplendor do amor  verdadeiro, e dirigimo-nos a vós com confiança.  Sagrada Família de  Nazaré,  faz também das nossas famílias  lugares de comunhão e cenáculos de oração,  autênticas escolas do Evangelho e pequenas igrejas domésticas.   Sagrada Família de Nazaré, nunca mais nas famílias se viva a experiência  de violência, fechamento e divisão:  quem quer que tenha sido ferido ou escandalizado conheça depressa a consolação e a cura. Sagrada Família de Nazaré, o próximo Sínodo dos Bispos possa despertar de novo em todos a consciência da índole sagrada e inviolável da família,
a sua beleza no desígnio de Deus.  Jesus, Maria e José,  ouvi e atendei a nossa súplica.   Amém. (Instr. Trabalho, 159).

(As fotos são da Urna com as relíquias dos B. Luís e Zélia, obra em bronze  
feita pelo artesão Lineo Tabarin, Verona -Italia)

frei Alzinir Francisco Debastiani, ocd-Delegado da Casa Geral para ocds






Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...