terça-feira, 2 de setembro de 2014

Momento Mariano - parte 2


O sim de Maria e o nosso sim como carmelita secular (Lc 1, 38)
 

Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo a deixou”. (Lc. 1, 38) 

Maria não vacilou. Renovou constantemente o seu “sim” no correr da vida e como nossa mãe, acolhe-nos ternamente na Família de Jesus. Diante da proposta de Deus, Maria responde prontamente. O seu “sim” ecoa forte e sem ressalvas. Maria une a liberdade com a vontade: “Eis aqui a servidora do Senhor. Eu quero que se faça em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,37). Essa entrega do coração a Deus tem um nome muito simples: fé.

Ela diz “sim” a Deus e a seu plano constantemente, ao mesmo tempo em que diz “não” às injustiças e às causas da opressão do povo. Ela é “figura e expressão perfeita do povo fiel, serva do Senhor, e também mulher profética que traz em si a Palavra de Deus e as aspirações do povo. E fala e vive a denúncia do pecado e o anuncio da Aliança”.

O nosso sim tem que ser renovado constantemente.

O sim de Maria veio acompanhado de uma declaração de humildade: "Sou a serva do Senhor" (Lc 1,38).  São Bernardo: "Que sublime humildade é esta que não soube ceder às honras e não sabe orgulhar-se na gloria! É escolhida para ser a Mãe de Deus e se proclama a serva. É certamente sinal de grande humildade não se esquecer de ser humilde quando é oferecida tamanha glória. Não é grande coisa mostrar-se humilde quando se é desprezado; ao contrário, é virtude insigne e rara ser humilde quando se é honrado".  Com o sim de Maria, o Filho de Deus assumiu a carne humana; "subsistindo na condição de Deus, não se apegou à sua igualdade com Deus, tornou-se solidário com os seres humanos e apresentou-se como simples homem" (Fl 2,6-7). A paternidade de Deus une-se para sempre à maternidade da jovem Maria de Nazaré. O "faça-se" de Deus ao criar o universo soma-se ao "faça-se" de Maria para recriar, em seu Filho, todas as coisas na face da terra. Em Jesus Cristo, Messias e Salvador, não se separam mais a paternidade de Deus, que fecundou Maria mediante o Espírito Santo, e a maternidade de Maria, que acreditou no convite. 

O "faça-se" de Maria encerra o tempo da espera; as criaturas, tendo à frente o Filho de Deus concebido no seio virginal de uma mulher, entram na "plenitude dos tempos" (Gl 4,4): "pelo ingresso do eterno no tempo, do divino no humano, o próprio tempo foi redimido e, tendo sido preenchido pelo mistério de Cristo, se torna definitivamente tempo de salvação" (Redemptoris Mater, 1). Maria tornou-se assim, como diz o Prefácio da festa da Imaculada, o início, as primícias da Igreja. Estamos diante de vários mistérios unidos, que perfazem o grande e inaudito mistério da salvação. É estupendo, mas verdadeiro. É inédito e acima de qualquer inteligência humana, mas é obra, graça e vontade de Deus e, como afirmou o anjo na hora da Anunciação, "para Deus, nada é impossível" (Lc 1,37).

Assim, nessa Ave Maria, confirmemos nosso sim ao chamado a ser carmelita secular e reflitamos sobre ele, nos entregando nas mãos de Deus sob a intercessão de Nossa Senhora. 

Ave Maria, cheia de graça...

Reflexão: "Maria, Flor do Carmelo - lugar de revelação de Deus" preparada pelo Grupo Flos Carmeli,
da OCDS de Bananeiras-PB, para o Momento Mariano durante o XI Congresso da OCDS
Norte/Nordeste, realizado de 14 a 17/08/2014 em Fortaleza-CE

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...