sexta-feira, 10 de julho de 2015

A Unificação da Ordem em 1875

9/07/2015 (Communicationes) – Pe. Óscar Aparicio – Em 12/02/1875 o Papa Pio IX decretou a unificação de todos os Carmelitas Descalços, já que existiam três Congregações – a Espanhola, a Italiana e a Portuguesa – sob uma só Ordem regida pelas Constituições da chamada Congregação Italiana. Tal documento tem por título Lectissimas Christi Turmas, que são as primeiras palavras com as quais o escrito pontifício começa.
Trata-se de um dos documentos mais importantes da história de nossa Ordem. A divisão em várias Congregações dentro de uma mesma Ordem não é algo muito comum. Entre os Carmelitas Descalços se deu, sobretudo, pela ingerência da monarquia hispânica no governo interno da Ordem.
O monarca espanhol – primeiramente Felipe II, seguido por  seus sucessores – não queria que uma Ordem nascida em solo hispânico ultrapassasse os limites das possessões ibéricas, correndo o risco de ser “contaminada” pelas ideias  protestantes que pululavam na Europa.
Tendo conhecido os Carmelitas Descalços, o Papa quis tê-los a seu lado. Foi assim que, com poucos frades e apenas dois conventos – Gênova e La Scala –, o Papa criou a Congregação Italiana dos Carmelitas Descalços no ano de 1600.
A Congregação Portuguesa constituiu-se depois que o reino de Portugal tornou-se independente da monarquia espanhola e, depois de muitas vicissitudes, foi criada em 1773 a terceira das Congregações em que foi dividida a Ordem.
A união das Congregações deveu-se principalmente ao fato de que os Carmelitas espanhóis, após a exclaustração de 1835-1836, eram poucos e idosos. Mesmo por parte de alguns deles – Padre Maldonado, principalmente – houve uma tenaz oposição à união. Os próprios Descalços italianos estavam um pouco pesarosos pela reação negativa dos poucos Descalços espanhóis. Será o Papa Pio IX quem ordenará a unificação de ambas as Congregações. Nada se fala a respeito da Congregação Portuguesa, que nessa época já havia desaparecido.

A palavra para definir esse acontecimento é mais problemática. Alguns autores falam de unificação, outros de fusão e há até aqueles que empregam o vocábulo absorção. Há um pouco de tudo, já que o objetivo fundamental do documento pontifício é unir todos os Carmelitas em uma só Ordem – como, a bem da verdade, conseguiu fazer – segundo as Constituições italianas; por isso, pode-se falar, em nível jurídico, de absorção.

O importante é que, a partir de 1875, todos os Carmelitas Descalços estarão unidos em uma só Ordem. Também em nível documental isso terá uma importante consequência: só existirá um Arquivo Geral em Roma.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...