terça-feira, 15 de novembro de 2016

15 DE NOVEMBRO: COMEMORAÇÃO DE TODOS OS FIÉIS DEFUNTOS DE NOSSA ORDEM.



A Igreja ensina no Catecismo que “os que morrem na graça e na amizade de Deus, mas não de todo purificados, embora seguros da sua salvação eterna, sofrem depois da morte uma purificação, a fim de obterem a santidade necessária para entrar na alegria do céu”.

“A Igreja chama Purgatório a esta purificação final dos eleitos, que é absolutamente distinta do castigo dos condenados”, assinala no numeral 1031 do Catecismo.



Pe. Carlos Rossel, doutor em Sagrada Teologia pela Universidade de Navarra, deu 5 chaves que os católicos devem levar em consideração para compreender o dogma do Purgatório.


1. Não é um invento, está fundamentado na Bíblia

No Antigo Testamento é mencionada a oração pelos defuntos, mas é a Igreja que, baseando-se em toda a Escritura, definiu o dogma do Purgatório. Foi ensinado pela primeira vez no II Concílio de Lyon na Profissão de fé de Miguel Paleólogo.

Uma primeira ideia bíblica é que nada impuro pode ver Deus. Por exemplo, em Mateus 5,8 diz: ‘os limpos de coração verão a Deus’; e no Apocalipse 21,27 diz que nada impuro entrará na Jerusalém do Céu.

A Bíblia também nos fala da oração pelos defuntos. No II Livro de Macabeus 12,38 e versículos seguintes nos indica que Judas Macabeu ofereceu sacrifícios de expiação pelos seus soldados defuntos.

Para falar do Purgatório também é utilizado Mateus 12,31-32, quando Jesus diz que quem peca contra o Espírito Santo não será perdoado neste mundo nem no outro. Muitos teólogos afirmam que quando o Senhor afirma que no outro mundo poderiam ser perdoados alguns pecados, estaria falando do Purgatório.


Há também um texto importante citado pelo Papa Emérito Bento XVI que está na 1ª Carta de São Paulo aos Coríntios 3,10-15. São Paulo diz que todos os que constroem suas vidas sobre um fundamento que é Cristo vão se salvar, mas alguns passarão através do fogo.

E quem são eles? Os que constroem a sua vida com madeira, palha ou feno, ou seja, aqueles que viveram com Cristo e não tiveram uma vida tão santa como esperavam.

2. Pode-se ajudar as almas do Purgatório

A Igreja nos fala da comunhão dos santos. Ou seja, existe uma comunhão entre os santos que estão no Céu e veem Deus, as almas do Purgatório que estão em um período de purificação para entrar no Céu e os batizados que peregrinam neste mundo.

O que podemos fazer pelas almas do Purgatório? Rezar por elas; uma das obras da misericórdia é rezar pelos defuntos.

O melhor que podemos fazer por elas é oferecer o santo sacrifício da Missa, porque o que estamos fazendo é inserir este defunto no mistério pascal de Cristo, a fim de que entre no céu devidamente purificado.


3. As indulgências são efetivas

As indulgências são um presente que a Santa Mãe Igreja oferece, para ir ao céu imediatamente. A Igreja diz também que podem ser aplicadas aos defuntos; é um costume bonito, muito católico, que todos os dias ganhemos uma indulgência plenária.

Indulgência plenária significa que ao realizar essa obra que a Igreja nos pede, com distintas condições e na graça de Deus, nós podemos acessar esse tesouro que Cristo abriu com a sua Morte e Ressurreição (o Céu).


4. Não é comum que uma alma do Purgatório tenha contato com um ser vivo

Onde estão as almas? As almas estão no Céu, no Purgatório ou no Inferno.

Deus que é o Senhor e o Todo-poderoso pode permitir que uma alma do Purgatório entre em contato com um ser vivo.

De fato, se nos fixarmos em algumas experiências de místicos, por exemplo São Pio de Pietrelcina ou Santa Faustina Kowalska, conta-nos que em algum momento tiveram relação com alguma alma do Purgatório. Entretanto, isto não é algo ordinário, mas extraordinário, e é preciso ter cautela.


5. As almas do Purgatório intercederão por nós no Céu

O dogma diz que existe o Purgatório e é um estado transitório. É a antessala do Céu. Mas, a Igreja não falou nada se as almas do Purgatório podem interceder por nós.

Aqui, há duas posturas teológicas. Alguns teólogos dizem que as almas do Purgatório podem interceder por nós porque são membros da Igreja e fazem parte do Corpo Místico de Cristo. Outros teólogos dizem que não.

O que nós fazemos por elas, logo nos vão devolver quando chegarem ao Céu. Ou seja, que quando entrarem no Céu, elas intercederão por nós.


Por outro lado, é preciso evitar todo tipo de práticas que são anticristãs e são próprias do paganismo. Entre elas, a evocação de espíritos, que é um pecado grave.

(Fonte: ACI Digital)


*******




Santa Madre Teresa de Jesus era muito devota
das Almas. Oferecia sempre os méritos de suas
preces pelo alívio e libertação das mesmas. 
Notas: 
1. Uma má interpretação da fé e confiança na Misericórdia divina podem nos levar à descrer do inferno ou do purgatório, achando que "Deus jamais seria capaz de condenar alguém" (sic). Sim. Deus é Amor e Misericórdia, no entanto, também é Justiça. Em seu Amor infinito, Deus criou o Purgatório para aquelas almas ainda não puras ou não santas o suficiente para irem direto ao Céu após a morte. Porém, como tais almas também não estão totalmente apartadas e inimigas dEle, e, apesar de suas fraquezas, ainda O amam, era necessário que exista um "lugar" ou um "tempo" para que possam se purificar. Portanto, o purgatório é um lugar da MISERICÓRDIA divina, não um lugar de um Deus "carrasco" ou punitivo. 


2. Nossa mãe, Santa Teresa, era muito devota das Almas do Purgatório. Em seu Livro da Vida cita 17 vezes a palavra "purgatório" e foi favorecida algumas vezes com aparições das mesmas. Transcrevo abaixo um dos relatos: 

"Só direi isto que me aconteceu numa noite de Finados. Estando eu num oratório, e tendo rezado um noturno e dizendo umas orações - que estão no fim do nosso Breviário e são muito devotas -, se me pôs um demônio sobre o livro para que eu não acabasse a oração. Eu benzi-me e ele desapareceu. Tornando eu a começar, voltou; creio que foram três vezes as que a comecei, e, enquanto lhe não deitei água benta, não pude acabar. E, no mesmo instante, vi que saíram algumas almas do Purgatório, às quais devia faltar pouco, e pensei que era isto o que o demônio pretendia estorvar. Poucas vezes o tenho visto tomando forma corporal e muitas sem forma nenhuma, como na visão em que, sem forma, se vê claramente que está ali, como tenho dito".
(Vida 31, 10)

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...