sábado, 28 de março de 2020

Carta do Padre Geral - Frei Savério Cannistrà



Roma, 28 de março de 2020.

 Queridos irmãos do Carmelo Secular:
Neste dia em que lembramos o 505º aniversário do nascimento de Santa Madre Teresa, saúdo vos desejando que Jesus e a graça do Espírito Santo estejam com vocês, usando as palavras com as quais Teresa costumava começar suas cartas.
Este aniversário nos lembra os grandes dons que o Senhor nos concedeu na Santa Madre, de quem este ano também recordaremos o 50º aniversário do doutorado, proclamado por São Paulo VI em 27 de setembro de 1970. A Carta Apostólica Multiformis Sapientia Dei, que  vos convido a reler e meditar, reconhece que Teresa foi "celebrada em todos os momentos, seja pelos distintos eventos de sua vida, pelas excelentes virtudes de seu espírito ou pela nitidez de sua inteligência", e "escolhida como guia seguro e mestra por doutores das palavras sagradas ". Como escreveu a própria Teresa: "É evidente que amamos mais a uma pessoa quando nos lembramos muito das boas obras que fa por nós" (cf. Vida 10.5). Portanto, ao reconhecer os dons recebidos pela bondade de Deus na vida de nossos santos, na história de nossa Ordem, bem como na história pessoal de cada um de nós, tudo nos convida a agradecer e a captar os sinais. de sua presença viva, fiel e ativa nos acontecimentos de nosso tempo.
Nesse contexto, cito este ano outro evento importante de 20 anos atrás: o II Congresso Internacional da OCDS, realizado em San Juan de los Lagos (México), de 3 de agosto a 7 de setembro de 2000.
Ao recordar este evento gostaria de agradecer a todos que colaboraram com o evento, tanto na organização quanto no desenvolvimento, em particular Pe. Aloysius Deeney OCD (Delegado Geral para OCDS), Irmã Estrada Franco OCDS ( Secretária-Geral da OCDS) e os membros da OCDS do México.
Em segundo lugar, depois de uma breve recordação do andamento do Congresso, gostaria de listar alguns de seus frutos, oferecendo uma reflexão para que possam continuar no caminho do  seguimento de Jesus, de acordo com o carisma do Carmelo Teresiano, com a atitude desejada por Cardeal e agora santo John Henry Newman: "Para viver, você precisa mudar e ser perfeito significa ter mudado muitas vezes".

 O II Congresso Internacional

Na Carta aos participantes do Congresso (de 23 de setembro de 1999), foi dito que "o tema e o objetivo do Congresso será a revisão da Regra de Vida [de 1979], com atenção especial às responsabilidades e dons dos leigos na Ordem e na Igreja, tal como se expressam em Christifideles laici, na Vita Consecrata e em outros documentos da Igreja ".
Esse objetivo respondeu ao que foi solicitado no I Congresso Internacional da OCDS em 1996 (realizado em Roma) e nas conclusões operacionais do Capítulo Geral da OCD de 1997: "A Ordem Secular deve ser promovida e apoiada nas várias Circunscrições da Ordem, de acordo com a diversidade de situações. Em particular, considere a revisão da regra da vida do ponto de vista dos leigos "(nº 107a).
O II Congresso, com a participação de cerca de 250 delegados leigos e religiosos, teve como lema: Uma única ordem com o mesmo carisma. Queríamos enfatizar que o carisma único da Ordem é vivido de maneira diferente pelos frades, monjas e leigos, e que a partir de uma sólida formação sobre a identidade dos leigos da Ordem, com base na doutrina de nossos Santos Pais Fundadores brota também a essência de sua missão de dar testemunho de amizade com Cristo e com nossos irmãos e irmãs no meio do mundo.

Alguns frutos do Congresso

Um primeiro fruto do II Congresso foi a criação de uma comissão internacional composta por 10 membros do OCDS de diferentes nacionalidades. O objetivo era realizar a elaboração das novas Constituições. Foi coordenado pelo Delegado Geral e deveria levar em consideração as contribuições do I Congresso Internacional e as propostas dos grupos de trabalho do II Congresso e outras contribuições enviadas pelas Províncias. O trabalho de redação foi realizado em três anos e, portanto, em 2003, um esboço das novas Constituições da OCDS foi apresentado no Capítulo Geral de Ávila. Esse projeto foi revisado pelo Definitório geral e finalmente enviado à Santa Sé, que o aprovou em junho de 2003.
As novas Constituições foram enriquecidas com a inserção do texto da Regra de Santo Alberto. Trata-se de uma adição importante, porque a Regra é a principal inspiração comum a todos: os frades, as monjas e os leigos. Isso foi confirmado pela inclusão nas Constituições da afirmação de que os leigos da OCDS são membros da Ordem, como os frades e as monjas (cf. Proemio e art. 1); Os carmelitas seculares vivem o carisma de Teresa de Jesus e João da Cruz no mundo e enriquecem a vida consagrada (frades e monjas do OCD) com sua secularidade.
Um desafio que talvez ainda tenhamos de enfrentar nas circunscrições é que a experiência do carisma Carmelita Teresiano para a OCDS deve ocorrer principalmente nos ambientes da família, no trabalho e em outros compromissos no meio do mundo. É aí que o testemunho do Deus vivo deve ser realizado, que deseja manter um relacionamento amigável com cada ser humano criado à sua imagem e semelhança. Infelizmente, percebe-se que ainda existem membros da OCDS que vivem sua vocação apenas nas sacristias dos mosteiros ou conventos, sem um verdadeiro "contágio" do carisma no mundo ao seu redor.
Outro fruto do Congresso foi o esclarecimento da identidade dos leigos na Ordem. Sua vocação é ao mesmo tempo contemplativa, secular e apostólica, o que pressupõe o compromisso diário de integrar esses três elementos-chave. Essa identidade traz consigo a consciência de ter elementos comuns do carisma teresiano com os demais ramos, com os quais colabora em uma interdependência que respeite as diferenças, as autonomias corretas e a identidade vocacional de cada um.
A autonomia da OCDS deve ser bem compreendida. Refere-se ao governo de acordo com suas próprias Constituições e Estatutos, mas também à formação. O acompanhamento dos frades, dos quais, por motivos históricos, a OCDS depende legalmente (cf. Const. 41; Relação 19; cf. Const. 2), deve promover a maturidade da identidade leiga na Ordem e nas relações fraternas de colaboração, no respeito mútuo da autonomia de cada um.
Um terceiro fruto do Congresso foi a ênfase na necessidade de participar da missão e apostolado da Igreja e da Ordem como parte integrante da identidade vocacional dos leigos da OCDS. A Igreja solicita isso nos documentos do Concílio Vaticano II, em Christifideles laici (1988) e em Vita Consecrata (1996). Esta dimensão foi subestimada e oculta devido a uma visão redutiva da contemplação. Em vez disso, sabemos que o fruto da autêntica oração contemplativa é servir aos outros, esforçando-se por produzir "boas obras" (cf. Santa Teresa, 5M 3,11; 7M 4,6), de acordo com as próprias habilidades e talentos, para o bem da Igreja, da Ordem e da sociedade, como fizeram Teresa e João da Cruz (cf. Const. 26).
Também a esse respeito, infelizmente, ainda hoje  existem mal-entendidos e muitos pensam que basta assistir às reuniões da comunidade para algumas práticas de devoção, reflexão ou conferência, mas sem um compromisso real e concreto de servir nas atividades da Ordem ou da Igreja  na qual se encontram. Talvez isso se deva a uma formação débil, que não leva em consideração o que as Constituições recomendam: " Nos três últimos anos de formação inicial, se tem  um estudo mais profundo das Escrituras, dos documentos da Igreja, dos santos da Ordem. oração e capacitação para uma participação no apostolado da Ordem ... "(n. 36 d).
No Congresso, e como aparece nas Constituições, foi enfatizada a importância de organizar os conselhos provinciais nos círculos eleitorais da Ordem (cf. Const. 57). Sua missão específica é preparar os Estatutos da circunscrição e coordenar as iniciativas de apostolado e formação nas Comunidades. Nesse sentido, muitas circunscrições organizaram e desenvolveram a OCDS com grande comprometimento e colaboraram para aumentar a conscientização da identidade leiga na Ordem e amadurecer a autonomia, crescendo em número, na organização interna e na formação, como também desenvolveram o comunhão entre comunidades. Em outros países ou círculos eleitorais, infelizmente e por várias razões, não houve progresso nessa direção. O Conselho provincial não atuou como órgão de comunhão e animação, tanto para a vida das comunidades como para as relações com os frades e monjas. E aqui para todos ainda existe um bom caminho a seguir, de acordo com o princípio da sinodalidade, como mencionei na carta do ano passado.
Finalmente, como resultado adicional do Congresso, em 2009 foi publicada a Ratio Institutionis para OCDS, que oferece os princípios orientadores para a formação dos leigos do Carmelo Teresiano, reafirmando a necessidade de uma formação sólida que permita empreender um caminho e serviço vocacional em missão animados pelo espírito de nossos santos. Mais recentemente, o aspecto da comunhão fraterna foi destacado na OCDS, com a inclusão do capítulo sobre comunhão fraterna (3 b) e do parágrafo sobre São José (31 a). Assim, o essencial da OCDS foi concluído nos documentos, definindo sua identidade, objetivos e metas como membros leigos da Ordem.
Caros irmãos e irmãs da OCDS, com esta lembrança do II Congresso Internacional da OCDS e a indicação de alguns de seus frutos, além de comemorar um evento importante na história da OCDS, gostaria de agradecer ao Senhor vossos dons. Que isso ao mesmo tempo nos leve a crescer espiritualmente, acima de tudo a viver a caridade, para que paguemos com amor o Amor infinito da Santíssima Trindade (cf. Juan de la Cruz, artigo 38, 2-4).
Exorto-vos a conhecer cada vez mais seus documentos, em particular as Constituições, tanto na formação inicial quanto na contínua. Lembre-se sempre de que um carisma na Igreja é um dom do Espírito Santo, é uma realidade viva e dinâmica que deve ser constantemente cultivada e dar frutos, caso contrário, secará. E é lá, nos documentos da OCDS, onde encontrareis os elementos essenciais do carisma do Carmelo Teresiano adaptados à sua vida leiga. Diante dos muitos compromissos e rápidas mudanças em nosso mundo pós-moderno, muitas vezes corremos o risco de perder nossas raízes e esquecer quem somos. Retornar de tempos em tempos às Constituições e aos escritos de nossos santos os confirmará em uma doutrina segura que vos  permitam caminhar com firmeza e entusiasmo pelos caminhos do mundo.
Peço ao Senhor que vos ilumine, para  que permaneçam fieis aos elementos essenciais da vocação do Carmelita Secular. Que a luz e a força que advêm da oração como amizade com o Senhor e do relacionamento fraterno com irmãos e irmãs lhes permitam responder aos desafios e necessidades de suas realidades pessoais, familiares e comunitárias.
Confio também à sua oração fraterna e filial o último Definitório extraordinário deste sexênio, que ocorrerá na Cidade do México em setembro, bem como o trabalho preparatório do Capítulo Geral a ser realizado em maio de 2021.
Desejo uma Santa Páscoa a cada um de vocês, a suas famílias e comunidades. Que a contemplação de Cristo ressuscitado os encha de paz e alegria (cf. Caminho 26, 4). Que Maria, Rainha Céu, conceda  vos a alegria de seu Filho vivo para sempre.

Fraternalmente



 PS:
Gostaria de acrescentar a vocêS, membros do OCDS e seus entes queridos, uma palavra de proximidade, conforto e esperança nestes tempos de provação devido a Covid-19. Uma situação inesperada, rápida e envolvente que nos faz experimentar fragilidade e precariedade humana, física, psicológica, econômica e, acima de tudo, nos leva a refletir sobre nosso relacionamento com Deus, com os outros e com a natureza.
Obviamente, nosso primeiro dever é cumprir as disposições das autoridades civis e eclesiásticas para evitar nos expor ao contágio e colocar em risco nossa família e as pessoas ao nosso redor.
Sei que há muitos desafios que vocês devem enfrentar, principalmente não poder trabalhar para sustentar a família; Aqueles com crianças e idosos em casa precisam gerenciar suas necessidades de cuidados e educação em espaços confinados, e isso também cria tensões e requer sacrifícios. Outros, no entanto, experimentam solidão e isolamento, trancados em casa sem a possibilidade de receber visitantes. São situações que exigem muito equilíbrio, muita paciência e o compromisso diário de viver em harmonia e paz com os outros. Definitivamente, é um momento favorável para o exercício das virtudes teresianas.
Hoje estamos preocupados em equipar-nos com dispositivos de proteção contra o contágio, mas também é importante usar a armadura de que fala nossa Regra, " armar se com a prática das virtudes, ao mesmo tempo que se vive uma intensa vida de fé, esperança e caridade" (Const. 6 e f). ), confiando em Deus, que permite a provação, mas não nos abandona. Lembremo-nos constantemente das palavras de Isaías, citadas em nossa Regra: "...guardar em silêncio, no qual está todo culto da justiça." (Is 35,15; Regra de Santo Alberto, 21).
Aproveitemos este momento de aparente impotência para rezar, ler, formar, fortalecer os relacionamentos familiares, transformando a necessidade em virtude, como disse Santa Madre Teresa (cf. Camino 32.4; 5M 3.7; 6M 5.2) . Vamos intensificar a oração, pedindo à misericórdia do Senhor que acabe com esta pandemia e outros males; que ele dê força a todos os envolvidos na luta contra o vírus e no cuidado dos doentes.

Tradução: 
Márcia Andrade
Comunidade Alegria da Sagrada Face
OCDS- Província São José 
   


NASCIMENTO DE SANTA TERESA DE JESUS. 505 ANOS (1515-2020)

"Ditosas vidas que se acabaram no serviço da Igreja!" (Santa Teresa de Jesus - V 40, 15)


Celebramos neste dia 28 de março o nascimento de Santa Teresa de Jesus, nossa Mãe e Fundadora do Carmelo Descalço (28 - 1582). Santa Teresa viveu 67 anos dos quais apenas vinte de intensa atividade como fundadora, escritora, contemplativa e caminheira de Deus pelas terras da Espanha do século XVI. Educada com esmero, ouvia nas longas noites invernais, ao calor da lareira, a leitura da vida dos santos mártires, feita por seus pais. Animada por essas leituras, aos 7 anos Teresa sente a necessidade de fugir para a terra dos mouros, com seu irmão, Rodrigo. Fuga frustrada. Mas o ideal da fuga — 'quero ver a Deus' — torna-se o seu horizonte de vida.

Teresa de Jesus foi educada na fé da Igreja Católica. Muito depressa deu mostras de uma rara sensibilidade religiosa (Vida 1,5). Para ela, a princípio, a religião concentrava-se na figura de Deus, sem especificar muito (Vida 2,7). Depois surge a pessoa de Jesus como expressão do divino (Vida 3,1). Mais tarde Jesus a introduz no mistério trinitário (Contas de Consciência 14), e desde ali redescobre a Deus (Contas de Consciência 15), mas com mais profundidade, sem que nunca falte no horizonte da sua existência Jesus Cristo homem e Deus (Contas de Consciência 66,3), como centro de compreensão e de vivência de toda a realidade divina e humana.


Com profundas convicções de sua origem, sempre dá destaque às virtudes dos seus pais e irmãos. "Meu pai era homem muito caridoso com os pobres e piedoso com enfermos e até com os criados; ninguém jamais o viu praguejar ou murmurar. Era de extrema honestidade". (V 1,1) "Minha mãe também tinha muitas virtudes e passou a vida com grandes enfermidades. Grandíssima honestidade. Muito pacífica e de grande entendimento. Foram enormes os trabalhos por que passou enquanto viveu. Morreu muito cristãmente". (V 1,2) Seu pai, Alonso Sánchez de Cepeda (1480-1543), morreu com 63 anos de idade. Sua mãe, Beatriz de Ahumada (1495-1529), morreu jovem, com 34 anos de idade.


A descoberta de Jesus, como Deus que saiu ao nosso encontro, coincide com o despertar da sua puberdade (Vida 3,6) e supõe para ela o começo de uma religiosidade adulta. Começa a entender toda a sua existência como relação – oração, assim o diz ela (Vida 4,7).
Teresa vê os seus primeiros anos como se fossem uma nova criação de Deus, onde tudo era bom (Vida 1), mas logo a seguir também ela foi apanhada pela tentação (Vida 2), e é então quando Jesus a começa a chamar (Vida 3,6). Interrogando-se acerca do sentido da sua vida e contemplando a de Jesus, pensa que a melhor resposta ao seu amor é consagrar-se inteiramente a Ele, ainda que para isso tenha que usar de grande violência. Acerca disto escreve: “Recordo-me, e a meu parecer com toda a verdade, que quando saí de casa de meu pai [para fazer-se religiosa], foi tal a aflição, que não creio que será maior quando eu morrer” (Vida 4,1). E assim a sua primeira séria decisão é por Cristo, fazendo-se carmelita.


Se queremos aprofundar no conhecimento de sua vida, precisamos adentrar à leitura do Livro da Vida, vale ressaltar, que não poderá ser lido considerando uma autobiografia no sentido técnico da palavra. Pois aqui, conheceremos Teresa menina, jovem, carmelita expressa com o sabor de uma longa e detida confissão de sua vida, que em linguagem coloquial, nos seduz e conduz aos seus projetos audaciosos. 
Santa Teresa é uma reformadora da vida religiosa do seu tempo. O seu espírito crítico leva-a a seguir novos caminhos. Teresa concede particular atenção a oração, sem deixar de abordar a triste e difícil situação da Igreja, problemas da Espanha do século XVI. 


Teve amigos que participaram de sua vida espiritual, entre eles, dominicanos e jesuítas, frequentes parceiros de amigos espirituais são Pedro de Alcântara se destaca, e as extravagantes penitências eram admiradas por ela, a comoviam, mas sem incentivá-la à imitá-lo. Mas, será a amizade com são João da Cruz que santa Teresa ter a seus propósitos dilatados e alargados, pois a seu lado reformara o Carmelo masculino. Amizade nascida no ano de 1567, em Medina, que mudará a vida dos dois frente a realização da vontade de Deus. Entre seus diálogos Teresa o convence a deixar de lado a ideia de ir para a Cartuxa pedindo-lhe que aderisse à nova família carmelita. João aceita e volta a Salamanca para fazer um ano de teologia. Em 1568 volta de Salamanca e continua dialogando com Teresa sobre a nova vida carmelita. Acompanha-a na fundação das monjas em Valladolid aprendendo o estilo da reforma. 

De Teresa de Jesus, dizemos ser uma mulher que fala de Deus. Fala de Deus como de Alguém conhecido. Quem mergulhar na leitura destas suas Obras terá a real impressão de que ela se encontrou com Ele, antes de se pôr a escrever. Mas nem todos viram a Santa de Ávila por esse prisma, houve quem dissesse tratar-se de uma mulher inquieta, andarilha, desobediente e teimosa, que a título de devoção inventava más doutrinas, andando fora da clausura, contra o que ordenara o Concílio de Trento e os prelados; ensinando como mestra, contra são Paulo, que ordenara às mulheres não ensinar. As ações, palavras e escritos dessa mulher audaciosa perturbaram a tantos, mas iluminaram a muitos outros em seu tempo e ao longo da história. A sua doutrina tornou-se um texto de indiscutível sabedoria, onde todos vão beber com segurança, em busca de uma autêntica experiência de Deus. 


Santa Teresa vive e transcorre a sua vida preferentemente na sua Ávila e na sua Castela, com alguns lances na Andaluzia. É uma santa tipicamente castelhana, por seu caráter sincero e nobre. 


Enquanto carmelitas, ao celebrarmos o nascimento de santa Teresa, nossa Madre, é momento de agradecermos a Deus por sua vocação "polifacética", respondida e desenvolvida em meio a um coração que "ama a Deus", que "morre por que não morre"; porque crê unicamente em Deus "sois o meu fim"; e para Ele destina sua vida continuamente a dizer: "Que mandais fazer de mim?" (P. 5; 1; 2). Mas com ela aprendermos e renovarmos o nosso chamado e vocação, e dela ouvir o contundente conselho "Ditosas vidas que se acabaram no serviço da Igreja!". (V 40, 15)
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

#ComissãoDeHistória
#EstelaDaPaz 

Ref.:
Araújo, Estela Márcia Paz M.100 Anos da OCDS no Brasil. 2018.
Alvarez OCD, Frei Tomás. Obras completas. 
MARIONES. OCD. Ildefonso. O CARMELO TERESIANO.
CERVER. OCD. Frei Jesus Castellano. Teresa de Jesus, Mestra da vida Espiritual. (Tradução de Frei Antônio João Perim, OCD)
Sánchez. Secundino Castro. site da Ordem do Carmo em Portugal

sexta-feira, 27 de março de 2020

VIA SACRA COM SANTA TERESA DE JESUS (II). 


Santa Teresa viveu sua espiritualidade profundamente voltada para a "Sacratíssima  Humanidade de Nosso Senhor" (M 6,7), recomendando que A buscasse com todas as forças (V 12,9). E ao falar do mistério da Cruz, afirmava ser este o "selo dos fortes amigos de Cristo". (C 17,7)

O Catecismo vem nos lembrar que ao entregar o seu Filho pelos nossos pecados, Deus manifesta que o seu plano sobre nós é um desígnio de amor benevolente, independente de qualquer mérito da nossa parte, pois "Cristo morreu por nós quando ainda éramos pecadores" - cf. Rm 5, 8. (CEC 604)
Rezemos com confiança esta Via Sacra, contemplando os mistérios de nossa salvação, com o auxílio dos escritos de santa Madre Teresa de Jesus.

ORAÇÃO INICIAL:
▪︎Sinal da Cruz.
▪︎Credo.
▪︎Pai Nosso, Ave-Maria e Glória.

I. JESUS É CONDENADO À MORTE.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Muitos anos, a maior parte das noites, antes que adormecesse, quando para dormir me encomendava a Deus, pensava sempre um pouco neste passo da oração do Horto, ainda mesmo antes de ser freira, porque me disseram que se ganhavam muitos perdões. Tenho para mim que assim ganhou muito a minha alma, porque comecei a ter oração sem saber que coisa era e já o costume tão assente em mim me fazia não a deixar, bem como de me persignar para dormir. Em especial achava-me muito bem na oração do Horto; ali era o fazer-Lhe eu companhia. Pensava naquele suor e aflição que ali tinha tido. Se pudesse, desejaria limpar-Lhe aquele tão penoso suor, mas recordo-me de que jamais ousava determinar-me a fazê-lo, pois se me representavam os meus tão graves pecados. Ficava-me ali com Ele o mais que me permitiam meus pensamentos, porque eram muitos os que me atormentavam". (Vida 9,4)

"Ficai aqui e vigiai comigo. Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca". (Mt 26,41)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

II. JESUS TOMA A CRUZ NOS OMBROS.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Já Vós sabeis, meu Bem, que, se tenho algum bem, não é dado por outras mãos senão pelas Vossas. Pois, que se Vos dá, Senhor, em antes dar muito do que dar pouco? Se é por eu não o merecer, tão-pouco merecia as graças que me tendes feito (...) Não, não se pode sofrer, Deus meu - nem quisera eu sofrêsseis Vós - que haja em Vossa serva coisa que não contente os Vossos olhos. Pois olhai, Senhor, que os meus estão cegos e se contentam com muito pouco. Dai-me Vós a luz e fazei que, com verdade, deseje que todos me aborreçam, pois tantas vezes Vos tenho deixado a Vós, que me amais com tanta fidelidade!" (C 15,5)

"Seguia-o uma grande multidão de povo..." (Lc 23,27a)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

III. JESUS CAI PELA PRIMEIRA VEZ.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Era a de Cristo muito chagado e tão devota que, ao pôr nela os olhos, toda eu me perturbei por O ver assim, porque representava bem o que passou por nós. Foi tanto o que senti por tão mal Lhe ter agradecido aquelas chagas, que o coração, me parece, se me partia e arrojei-me junto d' Ele com grandíssimo derramamento de lágrimas, suplicando-Lhe me fortalecesse de uma vez para sempre para não O ofender".
(Vida 9,1)

"Levaram então consigo Jesus. Ele próprio carregava a sua cruz..." (Jo 19,17)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


 IV. JESUS ENCONTRA SUA MÃE.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.




"O Senhor toma a cruz da Santa e a restitui adornada de cinco pedras preciosas (...) Também vos parecerá que quem goza de coisas tão sublimes, não terá meditação nos mistérios da sacratíssima Humanidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, porque já se exercitará toda em amor (...) Também lhes parecerá a algumas que não podem pensar na Paixão; pois menos poderão pensar na Santíssima Virgem, nem na vida dos Santos, que tão grande proveito e alento nos dá a sua memória". (V 29,7; M 6,7,4-6)

"Simeão disse a Maria, sua mãe: uma espada de dor transpassará a tua alma". (Lc 2,35)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

V. JESUS É AJUDADO POR SIMÃO CIRINEU.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.



"Ele Vos quer levar como almas fortes, dando aqui a cruz que Sua Majestade sempre teve. E que maior amizade do que escolher para vós o que escolheu para Si? Talvez não fôsseis tão recompensadas no caminho da contemplação. A Deus cabem os julgamentos, não havendo razão para interferirmos neles (...) Tudo é dado por Deus. Mas penso que para isto podemos contribuir muito, considerando nossa baixeza e a ingratidão que temos para com Deus, o muito que fez por nós, Sua Paixão com tão graves dores, Sua vida tão atormentada; e deleitando-nos de ver Suas obras, Sua grandeza, o quanto nos ama e outras muitas coisas em que tropeça muitas vezes quem com cuidado quer aproveitar, embora não ande com muita advertência". (C 18,7; Vida 10,2)

"Encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, a quem obrigaram a levar a cruz de Jesus". (Mt 27,32)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

VI. VERÔNICA ENXUGA O ROSTO DE JESUS.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Se, para isto, há algum amor, regala-se a alma, enternece-se o coração, vêm as lágrimas. Algumas vezes parece que as arrancamos à força; outras que o Senhor no-las dá para não podermos resistir. Parece que nos paga Sua Majestade aquele cuidadito com um dom tão grande como é o consolo que dá a uma alma ver que chora por tão grande Senhor; e não me espanto, pois lhe sobra razão de se consolar. Ali se regala, ali folga". (Vida 10,2)

"Seguia-o uma grande multidão de povo e de mulheres, que batiam no peito e o lamentavam." (Lc 23,27)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

VII. JESUS CAI PELA SEGUNDA VEZ.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Pensava naquele suor e aflição que ali tinha tido. Se pudesse, desejaria limpar-Lhe aquele tão penoso suor, mas recordo-me de que jamais ousava determinar-me a fazê-lo, pois se me representavam os meus tão graves pecados (...) Pensar em Cristo atado à coluna, é bom discorrer um pouco e pensar nas penas que ali teve e por que as teve e quem é Aquele que as teve e o amor com que as passou. Mas não se canse em andar sempre a buscar isto, antes se fique ali com Ele, aquietado o entendimento. Se puder ocupá-lo em ver que o Senhor o olha, e acompanhe-O, e fale, e peça, e humilhe-se, e regale-se com Ele, e lembre-se que não merecia estar ali.” (V 9,4;13,22)

"Jesus carregava a sua cruz para fora da cidade...". (Jo 19,17)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

VIII. JESUS CONSOLA AS MULHERES PIEDOSAS.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"É que somos tão miseráveis e tão inclinados às coisas da terra, que mal poderá aborrecer, de fato, tudo o que é cá de baixo e com grande desapego, quem não entender que tem algum penhor lá de cima. É com estes dons que o Senhor nos dá a fortaleza que perdemos com os nossos pecados. E como poderá desejar que todos se descontentem com ele e o aborreçam, e como praticará todas as demais grandes virtudes que possuem os perfeitos quem não tiver alguma prova do amor que Deus lhe tem, juntamente com uma fé viva?" (Vida 10,6)

"Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, chorai por vós mesmas e por vossos filhos".
(Lc 23,28)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

IX. JESUS CAI PELA TERCEIRA VEZ.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Ó Filho do Pai Eterno, Jesus Cristo, Nosso Senhor, Rei verdadeiro de tudo! Que deixastes no mundo! Que podemos herdar de Vós os Vossos descendentes? Que possuístes, Senhor meu, além de sofrimentos, dores e desonras, e não tivestes mais do que um madeiro para sorver o trabalhoso trago da morte? Enfim, Deus meu, os que quisermos ser de fato filhos Vossos e não renunciar à herança não devemos fugir do padecimento". (F 10,11)

"Jesus carregava a cruz... em direção ao lugar chamado Calvário, em hebraico Gólgota". 
(Jo 19,17)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

X. JESUS É DESPOJADO DE SUAS VESTES.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Umas vezes parece-me que estou muito desprendida e, na verdade, chegando-me à prova, vejo que o estou de fato; outras vezes encontro-me tão apegada e, porventura, a coisas de que no dia anterior eu zombara, que quase não me reconheço. Outras vezes me parece ter muito ânimo, e que a coisas que fossem servir a Deus não voltaria o rosto; e está provado que assim o tenho em algumas. Vem outro dia em que não me acho com ele para matar uma formiga por Deus, se achasse nisso contradição (...) Vem outros dias em que uma só palavra me aflige e quereria ir-me deste mundo, porque tudo nele me cansa. E isto não acontece só a mim, pois o tenho visto em muitas pessoas melhores do que eu, e sei que é assim que se passam as coisas". (C 38,5)

"Repartiram entre si as minhas vestes e deitaram sorte sobre a minha túnica". (Jo 19,24)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

XI. JESUS É CRUCIFICADO.
V. Nós vos  adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus!
R. Porque porque pela vossa cruz remistes o mundo.


"Desnudo colocaram-No na cruz (...) Ponde os olhos no Crucificado e tudo se vos fará pouco. Se Sua Majestade nos mostrou o Seu amor com tão espantosas obras e tormentos, como quereis contentá-l'O só com palavras? Sabeis o que é ser espiritual de verdade? É fazer-se escravos de Deus, para que, marcados com o Seu ferrete que é a cruz, pois já Lhe deram a sua liberdade, os possa vender por escravos de todo o mundo, como Ele o foi... Acontecia-me, nesta representação que eu me fazia de me pôr ao pé de Cristo - da qual já falei e até algumas vezes lendo, vir-me a desoras um tal sentimento da presença de Deus, que de nenhuma maneira podia duvidar que estivesse dentro de mim e eu toda engolfada n'Ele. Isto não era a modo de visão". (M 5, 3, 2; 7,4,8; Vida 10,1)

"Chegados que foram ao lugar chamado Calvário, ali o crucificaram..." (Lc 23,33)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

XII. JESUS MORRE NA CRUZ.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Pus os olhos em Jesus que estava na cruz correndo sangue (...) Tudo quanto podemos fazer é asco em comparação com uma gota de sangue das que o Senhor derramou por nós (...) Pensar e esquadrinhar o que o Senhor passou por nós, move-nos à compaixão e é saborosa esta pena e as lágrimas que daqui procedem (...) Vossas armas são cinco chagas. Esta há de ser a nossa divisa, se quisermos herdar o Seu reino; não com descansos, não com prazeres, não com honras, não com riquezas haveremos de ganhar o que Ele adquiriu com tanto sangue".
(F 22,6; V 39,16; 12,1; F 10,11)

"Jesus deu um grande brado e expirou. O véu do templo rasgou-se então de alto a baixo em duas partes". (Mc 15,37-38)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

XIII. JESUS É DESCIDO DA CRUZ E ENTREGUE A SUA MÃE.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.


"Será bom dizer-vos, qual o fim para que o Senhor trouxe tantos merecimentos neste mundo... Sua Majestade não nos pôde fazer maior que em dar-nos vida, que seja imitando a que viveu Seu Filho tão amado; e assim tenho por certo serem estes merecimentos para fortalecer a nossa fraqueza - como aqui já tenho dito alguma vez para podê-Lo imitar no muito padecer... Sempre temos visto que aqueles que mais de perto acompanhavam a Cristo Nosso Senhor, foram os que tiveram maiores trabalhos. Vejamos os que passou Sua gloriosa Mãe... Toda a memória se lhe vai em contentá-l'O mais, e em quê ou como Lhe mostrará o amor que Lhe tem". (M 7,4,4-6)

"Junto à cruz... Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe". (Jo 19,25-27a)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

XIV. JESUS É SEPULTADO.
V. Nós vos adoramos e vos bendizemos, Senhor Jesus Cristo!
R. Porque pela vossa santa cruz remistes o mundo.



"Oh! almas redimidas pelo sangue de Jesus Cristo (...) Não com riquezas se há de ganhar o que Ele comprou com tanto sangue (...) Não olheis nossa cegueira, meu Deus, mas o muito sangue que derramou vosso Filho por nós".
(M 1,2,4; F 10,11; E 8,3)

"Ele o desceu da cruz, envolveu-o num pano de linho e colocou-o num sepulcro, escavado na rocha, onde ainda ninguém havia sido depositado". (Lc 23,53)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

▪︎Manifestai, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
▪︎Santíssima Virgem Maria, roga por nós! 
▪︎Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

ORAÇÃO FINAL:
Salve Rainha. 


#ComissãoDeEspiritualidade 
#EstelaDaPaz 

quarta-feira, 25 de março de 2020

CANCELADO - XV Congresso da OCDS Norte/Nordeste


Meus irmãos e irmãs!

Neste 4º Domingo da Quaresma comunicamos que o XV  Congresso Norte/ Nordeste está adiado por tempo indeterminado. Após conversarmos com Frei Alzenir (Delegado Geral para OCDS)  e João Pedro (Coordenador do Grupo A Pequena Via) deliberou-se por adiar o Congresso, até segunda ordem.

Questionamento: tem previsão de data?

Resposta: possivelmente entre os meses de setembro ou outubro. Caso contrário apenas em junho do próximo ano, se assim Deus nos permitir.

Pedimos a Nossa Mãe Santíssima, Senhora do Carmo que continue intercedendo por nossas vidas e dos nossos familiares.

Aproveitemos este tempo propício a colocarmos em dia nossos compromissos de oração e intimidade com Deus. Tenhamos constância na Lectio Divina e na prática da oração meditativa.

Cordialmente,

Rose Lemos
Presidente da Província São José - OCDS

CANCELADO - Retiro de Espiritualidade Carmelitana



Caríssimos irmãos e irmãs,
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

Unindo nossas orações à nossa nação e a toda humanidade, face aos cuidados para evitar o coronavírus, estamos nesse instante cancelando o Retiro Provincial OCDS 2020, de 01 a 03 de maio, a pedido de nosso Conselho Provincial.

Que cada um de nós, e aqueles que tanto desejam o Retiro, faça em seu lar, um retiro especial comungando com Nosso Senhor e nossos santos, momento especial de oração.
Bendito seja você que está em permanente união com a Santíssima Trindade!

Bendito seja!

*Comunicado da Comissão de Espiritualidade OCDS 2020

domingo, 22 de março de 2020

Oração de São José




(Tradução do italiano do frei Pierino)


São José – como todos sabemos – em todos os Evangelhos não diz uma palavra sequer.
Podemos, porém, imaginar sua oração e, com um pouco de fantasia,
interpretar seu diálogo com Deus. Talvez José rezava assim:


“Chegará outra noite, ó Deus,
e talvez outro sonho, ou uma visão,
 e tu me pedirás de fugir longe,
ou de voltar para casa,
ou de permanecer ali onde estou,
porque assim te apraz.


Despertarei ao raiar da  aurora, como sempre,
e farei como me dizes, tu o sabes.
O doce peso da Mãe e do Menino
carregarei sobre meu coração enamorado,
e será novamente como tu queres,
amanhã e depois de amanhã,
e um ano atrás de outro
até à última curva da estrada.


Dir-te-ei ainda sim, sem palavras,
dir-te-ei sim com um olhar.
E cantarei feliz, sem voz, 
com o coração que explode de alegria”.

(Davide Caldirola)

sexta-feira, 20 de março de 2020

VIA SACRA COM SANTA TERESA DE JESUS (I).


Entregando o seu Filho pelos nossos pecados, Deus manifesta que o seu plano sobre nós é um desígnio de amor benevolente, independente de qualquer mérito da nossa parte: «Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, foi Deus que nos amou a nós e enviou o seu Filho como vítima de propiciação pelos nossos pecados» (1 Jo 4, 10). «Deus prova assim o seu amor para connosco: Cristo morreu por nós quando ainda éramos pecadores». (Rm 5, 8). (CEC 604)

Santa Madre Teresa viveu sua espiritualidade pautada na experiência da Humanidade de Cristo, especialmente através do Mistério da Cruz... Neste momento, mais do que nunca, diante das impotências humanas, precisamos nos colocar diante da PAIXÃO de Jesus para encontrarmos conforto espiritual, alívio para os males do corpo e da alma, sabedoria para as autoridades civis e religiosas, ciência divina e humana para os profissionais de saúde, misericórdia para os infectados, para nós e para mundo inteiro.
Rezemos com confiança esta Via Sacra, verdadeiro mistério de Amor e de Cruz... Meio que nos conduzirá à salvação. 

ORAÇÃO INICIAL:
▪︎Sinal da Cruz.
▪︎Credo.
▪︎Pai Nosso, Ave-Maria e Glória.


"Ficai aqui e vigiai comigo. Vigiai e orai para que não entreis em tentação. O espírito está pronto, mas a carne é fraca". (Mt 26,41)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Seguia-o uma grande multidão de povo..." (Lc 23,27a)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Levaram então consigo Jesus. Ele próprio carregava a sua cruz..." 
(Jo 19,17)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Simeão disse a Maria, sua mãe: uma espada de dor transpassará a tua alma". 
(Lc 2,35)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, a quem obrigaram a levar a cruz de Jesus". (Mt 27,32)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Seguia-o uma grande multidão de povo e de mulheres, que batiam no peito e o lamentavam." (Lc 23,27)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Jesus carregava a sua cruz para fora da cidade...". (Jo 19,17)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, chorai por vós mesmas e por vossos filhos". (Lc 23,28)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Jesus carregava a cruz... em direção ao lugar chamado Calvário, em hebraico Gólgota". (Jo 19,17)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Repartiram entre si as minhas vestes e deitaram sorte sobre a minha túnica". (Jo 19,24)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Chegados que foram ao lugar chamado Calvário, ali o crucificaram..." (Lc 23,33)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Jesus deu um grande brado e expirou. O véu do templo rasgou-se então de alto a baixo em duas partes". (Mc 15,37-38)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Junto à cruz... Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse à sua mãe: Mulher, eis aí teu filho. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe". (Jo 19,25-27a)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!


"Ele o desceu da cruz, envolveu-o num pano de linho e colocou-o num sepulcro, escavado na rocha, onde ainda ninguém havia sido depositado". (Lc 23,53)
"Ó Senhor meu! quando penso de quantas maneiras padecestes, e que de nenhuma o merecíeis, não sei o que diga de mim, nem onde o tinha sido quando não desejava padecer, nem onde estou quando me desculpo". (C 15,5)

Manifestai Senhor a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação!
Santíssima Virgem Maria,Mãe da Misericórdia, roga por nós! 
Santa Teresa de Jesus, roga por nós!

ORAÇÃO FINAL:
Salve Rainha. 

#ComissãoDeEspiritualidade 
#EstelaDaPaz 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...