quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Liturgia - 01 de outubro - SANTA TERESA DO MENINO JESUS DA SAGRADA FACE






SANTA TERESA DO MENINO JESUS DA SAGRADA FACE
Virgem da nossa Ordem e Doutora da Igreja




Cor Litúrgica: Branco

Ofício festivo próprio na OCD ou
Liturgia das Horas: 1679-795-1333
Oração das Horas: 1539-764-1386

Leituras próprias: Is 66,10-14c – Sl 130 – 1Jo 4,7-16 – Mt 11,25-30
“Ocultaste estas coisas aos sábios e as revelaste aos pequeninos.”



Santa Teresa do Menino Jesus da Sagrada Face recebeu sólida formação cristã no seio de sua família em Alençon, e depois nas beneditinas de Lisieux. Durante os nove anos passados no Carmelo de Lisieux, de 1888 até sua morte, ela praticou e depois ensinou o caminho evangélico da infância espiritual, aquela caridade que, do coração da Igreja, pode sozinha fecundar todo esforço apostólico. Por este motivo, foi proclamada, juntamente com São Francisco Xavier, padroeira das missões apostólicas. O Papa João Paulo II falando dos motivos que o levaram a proclamá-la “Doutora”, disse: ... “A simples e grande Teresa do Menino Jesus da Sagrada Face será proclamada Doutora da Igreja (outubro de 1997) precisamente por este motivo: porque com a “teologia do coração” soube indicar, com termos acessíveis a todos, um caminho seguro para buscar a Deus e para se deixar encontrar por Ele...” Frei José Cláudio Rodrigues, OCD


“Viver de amor é a Deus dar sem medida, sem o salário nunca reclamar. É dar amor, vontade, força e vida, tudo a Jesus para os irmãos salvar! Hei de viver, de gozar lá no empírio, então terá fugido a dor, mas, cá na terra eu quero em meu martírio viver de amor, Jesus, viver de amor!
Santa Teresinha do Menino Jesus – P 17,5

“Não basta ter conseguido a liberdade em relação às criaturas; é preciso libertar-se e despojar-se totalmente do que se refere às coisas espirituais.”
São João da Cruz – 2S 7,4

“O bem de quem pratica a oração – refiro-me à oração mental – obtém, já foi tratado por muitos santos e homens bons. Glória a Deus por isso! Se assim não fosse, embora pouco humilde, eu não sou tão soberba que me atrevesse a falar disso.”
Santa Teresa de Jesus – V 8,5




“Quando saí de casa durante o dia, me encontrei com a Madre Superiora do Carmelo, sem conhecer-me, havia me enviado um retrato de Teresinha do Menino Jesus, por mamãe, o que me proporcionou muito prazer. Encomendar-me-ei à Teresinha para que me sare e possa ser carmelita. Porém, só quero que se cumpra a vontade de Deus. Ele sabe melhor o que me convém. Oh, Jesus, te amo; te adoro com toda a minha alma.”
Teresa de Jesus de Los Andes – D 11



“Surpreendeu-me o que você escreveu sobre Santa Teresinha de Lisieux. Pelo que você disse, enxerguei, pela primeira vez, como aquela vida pode ser vista por outro prisma. Minha impressão foi somente esta: que uma vida humana, foi aqui inteira e individualmente transformada pelo amor divino até as últimas conseqüências. Algo maior não conheço e disso desejo tomar para minha vida o quanto for possível como também para o bem de todos que me rodeiam.”
Santa Teresa Benedita da Cruz (Edith Stein)



“Portanto, querida senhora e irmã, coragem. Recomendo-a especialmente a uma carmelita falecida aos 24 anos de idade em odor de santidade. Chamava-se Teresa do Menino Jesus. Antes de morrer, ela diizia que passaria seu céu fazendo o bem sobre a terra. Sua missão consiste em dilater as almas, em lançá-las nas ondas do amor, da confiança, do abandono. Dizia que tinha encontrado a felicidade depois que começara a esquecer-se de si mesma. Invoque-a todos os dias comigo para que nos conceda essa ciência que santifica e que outorga tanta paz e felicidade à alma.”
Santa Elisabete da Trindade – C 217

Carta de Santa Teresa de Jesus em 01

1571 – C 36 – À D. Maria de Mendoza, em Villadolid – Acerca de alguns assuntos de suas fundações. Elogio do Padre Visitador das Descalças. Priorado de Pe. Bañes.








Queridos irmãos em Cristo e no Carmelo

“Não me arrependo de ter me entregue ao amor.”


Hoje, é realmente um dia importante...

Dia de festa e de alegria!

Data em qual celebramos a Santa da Pequena Via.

Maria Francisca Teresa Martin,

Teresinha do Menino Jesus.

A pequena e grande santa.

Que as nossas vidas, por intercessão conduz.

Ela vos anime...

E por seu caminho possamos trilhar.

Caminhando dia a dia rumo ao céu;

Que por hoje é só amar!

Na oração e no coração;

Nos unimos a vocês irmãos queridos no Carmelo.

Sejamos firmes na luta diária,

A vida é um instante que passa.

Nosso abraço e nosso carinho

Dos que tanto amam a vocês e esta ordem.

Somos nós Ana e Paulinho

Festa de Santa Teresinha desse ano catequético/sacerdotal-2009

Liturgia - 30 de setembro - SANTA TERESINHA DO MENINO JESUS DA SAGRADA FACE












SANTA TERESA DO MENINO JESUS DA SAGRADA FACE,
Virgem e Doutora

I Vésperas do Ofício próprio na OCD ou

Liturgia das Horas: 1683-1665
Oração das Horas: 1386-1543-1536

1897 – Pelas 19:20 horas, Teresinha do Menino Jesus morre, num êxtase de amor. Suas últimas palavras foram:




“Bom Deus, eu te amo!”







terça-feira, 29 de setembro de 2009

Liturgia - 30 de setembro - SÃO JERÔNIMO, PRESBÍTERO E DOUTOR






SÃO JERÔNIMO, Presbítero e Doutor

Cor litúrgica: Branco

Ofício da memória
Laudes: Liturgia das Horas: 1330-772
Oração das Horas: 1385-891

Leituras: Ne 2,1-8 – Sl 136(137) – Lc 9,57-62
“Senhor, seguir-te-ei para onde quer que vás.”
Os discípulos não compreenderam que a atitude de Jesus é sempre de misericórdia e não de destruição.


São Jerônimo nasceu na Dalmácia, no século IV, e foi batizado em Roma. Preocupado com o problema da perfeição cristã, freqüentou os primeiros monges de Treves, voltou a Itália e partiu depois para o Oriente, onde viveu como eremita no deserto da Síria, onde se entregou a rudes mortificações e à lição dos livros sagrados. Ordenado presbítero em Antioquia, iniciou-se em Constantinopla nos estudos das obras escrituras de Orígenes, e regressou a Roma. Secretário ao mesmo tempo de São Dâmaso e diretor espiritual de grande nomeada, determinou retirar-se definitivamente para a Palestina. Fundou dois mosteiros em Belém, coadjuvado por Santa Paula e pela filha desta, Santa Estóquia, que assumiram sucessivamente o governo do mosteiro das mulheres, enquanto ele dirigiu o dos homens. Morreu nonagenário em 419 ou 420. Os seus restos mortais descansam em Roma na basílica de Santa Maria Maior. São Jerônimo traduziu a bíblia e fixou em grande parte a do texto latino da Vulgata, que a Santa Igreja adotou como versão oficial. A sua grande sabedoria, os seus grandes comentários sob à Sagrada Escritura e o vigor com que combateu as heresias de seu tempo mereceram o título de Doutor.



“O divino Mestre acrescenta: estreito é o caminho que conduz à vida, ou seja, o caminho da perfeição; para nos ensinar não ser suficiente a alma entrar pela porta apertada, abandonando todo o sensível, mas que também se há de reduzir e desembaraçar, desapropriando-se puramente em tudo o que é espiritual.”
São João da Cruz – 2S 4,5

“Quão rico ficará quem deixou todas as riquezas por Cristo. Que honrado será quem não quis honra por amor a Ele, mas se comprazia em ver-se muito abatido! Quão sábio quem folgou por ver que o tinham por louco, pois o levaram à própria sabedoria!”
Santa Teresa de Jesus – V 27,14






P. Aloysius Deeny publica um livro com conferencias sobre o Carmelo Secular

aloysiusp.jpg (118×135)
La editorial ICS Publications, dos Estudos Carmelitas de Washington, acaba de publicar uma obra imprecindivel para todos aqueles que desejam conhecer a Ordem do Carmelo Secular Descalça.(OCDS)

Com o titulo (“Bienvenido al Carmelo Seglar de la Orden de los Carmelitas Descalzos”) é um apanhado de conferencias feitas pelo Padre Aloysius Deeny aos membros da Ordem secular. Apresenta ai, também as chaves essenciais da Espiritualidade e apostolado do Carmelo Secular.

Como Delegado Geral nos convida a um estudo Continuado, pois qualquer pessoa que deseja ser um Carmelita Secular deve ter em sim um desejo aprender e assimilar a espiritualidade de nossos santos e do Carmelo. Um carmelita que não se interessa pela oração e o estudo perderá rápido sua identidade.

Peregrinos célebres em Lisieux‏


Muitos homens e mulheres ilustres do nosso século renderam-se aos encantos da Pequena Flor de Lisieux. Santos, intelectuais e artistas tiveram sua vidas profundamente marcadas pela espiritualidade daquela que foi considerada por Pio X "a maior santa dos tempos modernos". A seguir, um resumo biográfico de algumas pessoas famosas, que foram a Lisieux beber na fonte do Amor de Teresa.

São Daniel Brottier

Daniel Brottier era natural da França. Nasceu no dia 7 de setembro de 1876. Ingressou na Congregação do Espírito Santo (Padres Espiritanos) e por sete anos foi missionário no Senegal (Äfrica). Na Primeira Guerra Mundial, alistou-se voluntariamente como capelão militar nas linhas de frente. Por quatros anos, assistiu os moribundos, cuidou dos feridos, deu assistência espiritual a seus compatriotas. No fim da Guerra foi condecorado com a Cruz da Guerra e com a Legião de Honra. Em 1923, tornou-se diretor da Casa dos Órfãos Aprendizes de Auteuil, que chegou a abrigar cerca de mil e quatrocentos jovens abandonados e carentes. Fundou também a União Nacional dos Antigos Combatentes, com cerca de dois milhões de associados. Sua fé, sua oração, sua grande capacidade inventiva e de organização fizeram dele um apóstolo e "homem de empresa, empreendedor e contemplativo, Daniel Brottier foi um homem de nosso tempo. Morreu no dia 28 de fevereiro de 1936. Foi canonizado pelo Papa João Paulo II, em 1984, em Roma.

São Maximiliano Maria Kolbe

Nasceu na Polônia, em 1894. Morreu num campo de concentração nazista, oferecendo sua vida em favor de um pai de família condenado à morte. Era franciscano conventual. Ensinou teologia em Cracóvia. Devotíssimo de Nossa Senhora, fundou, na Polônia, a Milícia da Imaculada. E para maior divulgação da devoção à Imaculada, criou a Revista Azul, destinada aos operários, camponeses, alcançando, em 1938, cerca de 1 milhão de exemplares. A "Cidade da Imaculada" abrigava 672 religiosos e um vasto parque gráfico. Foi preso pelos nazistas no dia 7 de fevereiro de 1941, em Varsóvia. Dali foi levado para Auschwitz e condenado a trabalhos forçados. Exerceu um verdadeiro apostolado no meio dos companheiros de infortúnio, encorajando-os a resistir com firmeza de ânimo. Foi ali que se ofereceu para morrer no lugar de Francisco Gajowniczek. Único sobrevivente do grupo, no subterrâneo da morte, Maximiliano Kolbe resistiu por quinze dias à fome, à sede, ao desespero na escuridão do cárcere. Confortava os companheiros, os quais, um após outro, aos poucos sucumbiam. Morreu com uma injeção de fenol que lhe administraram. Era o dia 14 de agosto de 1941. Foi canonizado por João Paulo II, em 1982.

Georges Bernanos

Escritor francês (1888-1948).Ativo participante do movimento monarquista e antiparlamentarista denominado Ação Francesa, estreou com o romance "Sob o sol de Satã"(1926), que lhe permitiu abandonar o cargo de inspetor de seguros para viver exclusivamente da literatura. Seguiram-se "A impostura" e "A alegria"(ambos de 1929) e "O grande medo dos bem-pensantes"(1930). Em 1932, rompeu com a Ação Francesa, sem abandonar, porém, as idéias conservadoras. Quando da Guerra Civil espanhola(1936-1938), suas simpatias voltaram-se de início para os franquistas; a violência destes, entretanto, levou-o a escrever "Os grandes cemitérios sob a lua"(1938), em que condenava os excessos monarquistas. Batendo-se contra o dinheiro, a mentira, a iniqüidade, a indolência, a mediocridade e a indiferença, construiu prolífica obra romanesca e dramática. Títulos principais: Diário de um pároco de aldeia, 1936; A história de Mouchette, 1937; Diálogo das Carmelitas e As crianças humilhadas, ambos de 1949.

Paul Claudel

Escritor francês(1868 - 1955). Impressionado pela leitura de Rimbaud e convertido a um catolicismo fervorosso que conservaria até a morte, teve dupla carreira, literária e diplomática. Amigo de Mallarmé, publicou Cabeça de Ouro(1890), antes de partir, como cônsul, para Nova York(1893), e depois para Boston, onde compôs seu drama "A troca", e, finalmente, para a China, onde, durante 14 anos, ocupou diversos postos que lhe inspiraram as obras Conhecimento do Leste (1895-1904) e Conhecimento do tempo(1903). Após um retiro nas abadias de Solesmes e de Liguigé(1900) - chegou a pensar em se tornar monge -, produziu sucessivamente um drama e Cinco grandes odes. Na Europa, onde ficou de 1909 a 1917, desabrocharam seu lirismo e seu gênio dramático. Embaixador em Tóquio(1921-1927), compôs O sapato de cetim(1929) onde manifesta sua vontade de criar um teatro "total". Após uma nova passagem por Washington(1927-1933), onde escreveu O livro de Cristóvão Colombo, e depois por Bruxelas(1933-1935), onde terminou sua carreira diplomática, Claudel dividiu sua existência entre Paris e seu castelo de Granques, comentando seu credo político e religioso.

François Mauriac

Escritor francês (1855 - 1970). Autor de vasta obra romanesca, geralmente abordando a classe média provinciana e focalizando, sob a inspiração católica, os conflitos entre o pecado e a graça, escreveu também peças de teatro, livros de memória e ensaios de crítica. Opôs-se ao fascismo e participou da Resistência durante a ocupação nazista. Prêmio Nobel de Literatura, 1952.

Julien Green

Escritor norte-americano de origem francesa (Paris 1900). Autor de Romances, peças de teatro e de um Diário que exprimem a sua constante busca da pureza através da dupla fascinação da graça mística e das tentações da carne.

Madre Teresa de Calcutá
Agnes Gonxha Bajaxhiu, religiosa indiana de origem iugoslava (Üskup, atual Skopje,1910 - Calcutá 1997).
Em Calcutá, na Índia, fundou a Ordem das Missionárias da Caridade, em 1948. Adotando a cidadania indiana, Madre Teresa e suas monjas vestiam o sari como hábito. Em 1950 sua ordem recebeu sanção canônica do papa Pio XII e em 1965 tornou-se congregação pontifícia. A Congregação abriu numerosos centros de serviço, atendendo aos cegos, idosos, leprosos, aleijados e moribundos. Em reconhecimento a seu apostolado, foi honrada, em 1971, pelo papa Paulo VI, com o prêmio Internacional da Paz. Em 1972 recebeu do governo hindu o Prêmio Nehru pela obra de compreensão internacional. Em 1973, recebeu das mãos do príncipe Phillip, duque de Edimburgo, o Prêmio Templeton, outorgado pela primeiro vez. Agraciada pela FAO (organismo das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura) com a medalha Ceres, nas versões ouro, prata, cobre, bronze dourado e alumínio. Em 1979 recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

Henri Bergson

Filósofo francês(Paris 1859-id.1941). Doutor em Letras em 1889, mestre de conferências na Escola Normal Superior em 1897, tornou-se professor no Colégio de França em 1900 e membro da Academia Francesa em 1914. Recebeu, em 1928, o Prêmio Nobel de Literatura. É autor de uma filosofia espiritualista, preferindo a intuição à dedução como meio de acesso ao conhecimento, e a duração como fundamento do tempo à noção de temporalidade mecânica que propunha a ciência de sua época, marcada pelo positivismo. Afastou também o racionalismo e principalmente o relativismo, em favor de uma concepção humanista da ciência. A noção que ele pôs em primeiro plano na análise do riso ficou célebre: se rimos de alguém, é porque ele se comporta como se fosse um autômato ("o mecânico colocado sobre o vivo"). No fim de sua vida, aproximou-se do cristianismo, mas sem se converter.






Edit Piaf

Édith Giovanna Cassion (cantora francesa Paris 1915 - id. 1963). Descoberta em 1935, quando cantava na rua, por Louis Leplée, diretor de um pequeno cabaré parisiense, impôs-se, graças ao rádio, ao disco e ao teatro de variedades, como autêntica intérprete popular, cuja voz, forte e trágica, contrastando com seu aspecto frágil, ganhou definitivamente o coração do público. Seu repertório apoiou-se quase sempre na fatalidade do destino e na irresistível força do amor. Entre suas canções mais célebres, destacam-se : Mon légionnaire, L'hymne à l'amour, La vie en rose, Milord, Padam-padam, Les amants de demain, Non, je ne regrette rien, etc.

Emmanuel Mounier

Filósofo francês (1905 - 1950). Influenciado por Péguy, Bergson e Maritain, fundou a revista Esprit (1932) e desenvolveu uma doutrina considerada a síntese do cristianismo e do socialismo: o personalismo. Principais obras: Revolução personalista e comunitária(1935) e O personalismo (1949).

Papa João Paulo II

Visitou Lisieux pela primeira vez no dia 2 de junho de 1980. Retornou à cidade em setembro de 1996.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

XXVI CONGRESSO PROVINCIAL OCDS


TEMA: Caminhando com Teresa rumo ao V Centenário
LEMA: CATEQUISAR É CAMINHAR SEMEANDO O CARMELO TERESIANO
São Roque – 9 a 12.10.2009

O Congresso OCDS apresentará este ano o Carmelo-kids em seu recreio carmelitano!
Vamos recordar...
Voltar a ser criança
Traga roupa e acessórios infantis a serem usados no nosso recreio.
Lembra das brincadeiras de sua infância?
Musicas aprendidas, orações, poesias, pecinhas...
Então aproveite para partilhar desta alegria conosco.
Aguardamos você representando bem sua comunidade/grupo.
Nosso abraço.


Comunidades de Caratinga e Varginha (responsáveis pelo recreio do Congresso)

Liturgia - 29 de setembro - Ss. MIGUEL, GABRIEL e RAFAEL, Arcanjos











Ss. MIGUEL, GABRIEL e RAFAEL, ARCANJOS

Cor litúrgica: Branco

Ofício festivo próprio
Liturgia das Horas: 1320-763
Oração das Horas: 1377-877

Leituras próprias: Dn 7,9-10 – Sl 137(138) – Jo 1,47-51
“Jesus vê Natanael e diz, eis um verdadeiro israelita, no qual não há falsidade.”
A porta de sua casa, à sombra da figueira, Natanael lia as Escrituras. Era freqüente o estudo e o ensinamento da lei na tranqüilidade da sombra de uma figueira, protegido do calor e das distrações.




Antes de iniciar a leitura a respeito dos Santos de hoje é importante observarmos algumas considerações e definições.
Anjos – São seres espirituais que servem de mensageiros divinos. São representados na arte como sendo figuras humanas aladas, tanto em pinturas quanto em esculturas. Também chamamos as pessoas de índole muito bondosa de anjo.
Arcanjos – São Anjos de uma ordem superior. A palavra Arcanjo significa literalmente “anjo principal”. O prefixo “arc” significa principal ou mais importante. De acordo com a tradição do Catolicismo, existem três arcanjos: Miguel, chefe da milícia celeste, Gabriel, mensageiro celeste e Rafael protetor dos viajantes, e é sobre eles que iremos falar agora. A Igreja unificou a celebração destes três arcanjos, que são os mais famosos da história do catolicismo – Miguel, Gabriel e Rafael. Eles representam a alta hierarquia dos anjos-chefes, “mensageiros dos decretos divinos” aqui na terra.
O nome Miguel significa “ninguém é como Deus”, ou “semelhança de Deus”, é o príncipe guardião e guerreiro, defensor do trono celeste e do Povo de Deus. Chefe supremo do exército celeste e dos anjos fiéis a Deus, é o arcanjo da justiça e do arrependimento. O seu culto é um dos mais antigos da Igreja.
Gabriel significa “Deus é meu protetor” ou “homem de Deus”. É o arcanjo anunciador das revelações de Deus. Padroeiro da diplomacia, dos trabalhadores dos correios e dos operadores dos telefones, é associado geralmente a figura de uma trombeta, indicando que é aquele que transmite a Voz de Deus, o portador das notícias. Teve, das missões, a mais importante: o anúncio da encarnação do Filho de Deus. Motivo que o fez ser venerado, até mesmo no islamismo.
Rafael, significa “Deus te cura” ou “cura de Deus”, teve a função de acompanhar o jovem Tobias, personagem central do livro Tobit, no Antigo Testamento, em sua viagem, como seu segurança e guia. Foi o único que habitou entre nós. É o guardião da saúde e da cura física e espiritual, é considerado, também, o chefe da ordem das virtudes. É o padroeiro dos cegos, médicos, sacerdotes e, também, dos viajantes, soldados e escoteiros.



“As pessoas espirituais poderá e costumam ter representações de objetos sobrenaturalmente percebidos pelos sentidos: por exemplo, os olhos divisam formas e personagens do outro mundo, tal ou tal santo, bons ou maus anjos, luzes e esplendores extraordinários.”
São João da Cruz – 2S 11,1

“Ó segredos de Deus! Eu não me cansaria de explicá-los a vós se acreditasse poder acertar de alguma maneira. Assim, direi mil disparates e, se alguma vez acertar, louvemos muito ao Senhor.”
Santa Teresa de Jesus – 5 M 1,4





domingo, 27 de setembro de 2009

Liturgia - 28 de setembro - 2a-DEIRA DA 26a. SEMANA DO TEMPO COMUM






2a-FEIRA DA 26ª SEMANA DO TEMPO COMUM

Cor litúrgica: Verde


Ofício do dia de semana
Liturgia das Horas: 732
Oração das Horas: 865


Leituras: Zc 8,1-8 – Sl 101(102) – Lc 9, 46-50
“Quem recebe esta criança em meu nome, estará recebendo a mim.”
A criança é aquela que depende totalmente dos demais. O contrário do que pretendiam os discípulos, que buscavam a autonomia e o poder.


SANTOS DO DIA

São Venceslau
Rei e mártir



Perto de Praga, por volta do ano de 929, o martírio de São Venceslau, duque da Boêmia. Durante os quatro anos de seu governo, edificou por uma conduta irrepreensível sua corte de costumes duvidosos, e se esforçou para cristianizar seu povo, ainda pagão. Venceslau tornou-se depois herói nacional e religioso dos tchecos. Foi o primeiro eslavo a receber as honras da canonização. Era o filho mais velho de um Rei da região conhecida como Boêmia. Venceslau iníciou sua vida religiosa um tanto conturbada. Seu pai e sua avó eram cristãos. Sua mãe, por sua vez, estava entregue ao paganismo. Venceslau foi educado pela avó, enquanto Boleslau, seu irmão mais novo, ficou sob a tutela da própria mãe. As diferenças entre os dois eram nítidas. Ao passo que um era bondoso, justo e caridoso, o outro era perverso e se tornava cada vez mais malvado e violento. Tendo seu pai falecido, o reino ficou sendo governado por sua malvada mãe. Foi um tempo difícil, tanto para o povo quanto para a própria religião católica. Com o passar do tempo, mais precisamente no ano 925, influenciado e apoiado por poderosos nobres do reino, Venceslau assume o principado através de um Golpe de Estado. Seu reinado foi caracterizado por ser voltado aos pobres. Governou durante oito anos e foi um rei exemplar. Venceslau governou seu povo com sabedoria, justiça e brandura. Tornou-se admirado por todos e um exemplo a ser seguido. O mundo cristão até hoje o tem como protetor dos pobres, dos doentes, dos encarcerados, sendo que na época, para as viúvas e órfãos era um verdadeiro pai. Foi então no ano 935, quando por ocasião do nascimento do primeiro filho de Boleslau, o irmão, que o convidou para um banquete em seu castelo, em comemoração a seu sobrinho. Após o banquete o próprio irmão o apunhalou pelas costas. Logo em seguida o povo já o venerava como santo e mártir.




São Lourenço Ruiz
E Companheiros, Mártires


Lorenço Ruiz é o primeiro santo Filipino e também o primeiro mártir filipino da fé cristã.. Lorenço Ruiz era leigo, casado e tinha dois filhos e uma filha. Nascido em Binondo, Manila, cerca de 1600, ele foi educado na escola dos dominicanos. Serviu como coroinha e depois foi ajudante e escriturário-sacristão na igreja de Binondo. Fez sua vida, provavelmente como um calígrafo, aquele que presta documentos em caligrafia bonita para uso particular ou oficial. Para ter certeza, que o trabalho realizado e denotado por uma pessoa educada, especialmente em um momento em que um personagem ilustre estava longe de primar nessa arte. Um evento adverso fez deixar o Brasil em 1636. Quando estava com vinte e tantos anos ou trinta , ele se envolveu ou foi acusado de estar envolvido em um caso criminal. As circunstâncias estão longe de serem claras. Se ele estava envolvido ou não, uma coisa era clara, ele tinha medo de que, como conseqüência de um ensaio ou anulação do julgamento, ele poderia ter uma sentença de morte. Após o desembarque no Japão, onde os cristãos estavam sendo perseguidos, ele foi detido e preso, juntamente com seus companheiros. Sofreu torturas desumanas e corajosamente confessou a Fé Cristã. Recusando-se a renunciar à sua fé, ele disse ao seu algoz que estava pronto para morrer por Deus e dar milhares de vidas, se ele as tivesse. Em 27 de setembro de 1637, ele foi pendurado em uma forca pelos pés, ficando seu corpo balançando em um buraco. Após dois dias de agonia, morreu de hemorragia e asfixia. Seu corpo foi cremado e as cinzas jogadas no mar. Ele e os companheiros de quinze anos, martirizados na mesma perseguição, foram beatificados pelo Papa João Paulo II em Manila, no dia 18 de fevereiro de 1981 e elevado às honras dos altares, por canonização, em 18 de outubro de 1987, em Roma.




Aprendam antes a cuidar de firmar sua vontade em amor humilde e generoso, na prática sólida das boas obras e da mortificação, imitando a vida do Filho de Deus. É por esse caminho, e não pela multiplicidade dos discursos interiores, que se chega a todo o bem espiritual.”
São João da Cruz – 2S 29,9

“Passei a ter pouco medo da morte, da qual sempre temi antes disso. Hoje, ela me parece facílima para quem serve a Deus, porque, com ela, a alma se vê, num instante, livre deste cárcere e posta em descanso.”
Santa Teresa de Jesus – V 38,5



sábado, 26 de setembro de 2009

Liturgia - 27 de setembro - 26o. DOMINGO DO TEMPO COMUM












26º DOMINGO DO TEMPO COMUM

Cor
litúrgica: Verde

Ofício dominical comum
II Semana do Saltério
Liturgia das Horas
: 713-273
Oração das Horas: 853-715

Leituras: Nm 11,25-29 – Sl 18 (19) – Tg 5,1-6 – Mc 9,38-43.45.47-48
“Não há ninguém que faça um prodígio em meu nome e em seguida possa falar mal de mim.”
A doutrina cristã é radical e exigente. Não admite mais ou menos. Portanto, orai e vigiai.


SANTO DO DIA


São Vicente de Paulo,

Presbítero

(memória omitida hoje)



Memória de São Vicente de Paulo, sacerdote, morto em 1660. Depois de ter se dedicado aos prisioneiros, fundou em Paris o Instituto dos Padres da Missão, cujos membros, mais conhecidos por lazaristas, se dedicam à evangelização das regiões do interior e à formação do clero. Pai dos pobres e das crianças abandonadas, contribuiu, com Santa Luísa de Marillac, na fundação das Filhas da Caridade.


São Vicente de Paulo nasceu em 1581 na França. Como desde criança apresentará excelentes qualidades de espírito, seu pai esforçou-se ao máximo para lhe proporcionar os estudos eclesiásticos, sendo este um desejo de Vicente. Logo após ser ordenado padre foi trabalhar como vigário paroquial numa paróquia do interior onde aí teve contato direto com as misérias materiais e espirituais que assolavam a sociedade francesa desta época.Toda esta realidade que o circundava foi como que a motivação primeira para que ele envereda-se por uma profunda vocação de ajuda aos mais necessitados. Vicente também passou por grandes provações, uma delas foi ter sido capturado por piratas durante uma viagem que fazia, ficando dois anos cativos. Ele em nenhum momento murmurou tal sorte, sendo durante seu cativeiro um grande pregador do Evangelho a ponto de converter seu patrão do islamismo. Livre do cativeiro Vicente volta para sua terra a fim de prontamente colocar-se ao trabalho dos mais necessitados.Trabalhou com os colonos, ajudou na reforma do clero, nas obras de assistência e na luta contra o jansenisno.Com um grupo de companheiros funda a Congregação da Missão ou dos Lazarista que emitiam votos de consagração a evangelização dos pobres.Junto a Santa Luísa de Marillac, Vicente funda as Filhas da caridade, conhecidas por irmãs vicentinas com o intuito de se dedicar ao serviço dos abandonados, dos órfãos dos velhos, das moças, dos inválidos e demais necessitados.
São Vicente alcançou a idade de 85 anos. Embora bastante enfraquecido e alquebrado, levantava-se às 4 horas, celebrava a Missa e dedicava três horas à oração. O pensamento da morte era-lhe familiar. Todos os dias rezava as orações da Igreja pelos moribundos. A morte encontrou-o, pois, otimamente preparado. Morreu aos 27 de setembro de 1660, sendo -lhe o corpo sepultado na igreja de São Lázaro (ou capela dos Lazaristas), enquanto seu coração se conserva também incorrupto no convento das Irmãs da Caridade em Paris. Grandes e numerosos milagres foram-lhe observados no túmulo. A sua canonização realizou-se em 1737 pelo Papa Clemente XII,repleta de honras espirituais, acumuladas durante sua vida.A Igreja o canonizou dando-lhe o título de Padroeiro das Obras Sociais.


São Vicente de Paulo, rogai por nós!

“Muitos são os proveitos recebidos pela alma quando aparta o coração do gozo dos bens naturais. Esta abnegação, além de dispô-la para o amor divino e para todas as virtudes, produz diretamente a humildade consigo mesma e a caridade geral para com o próximo.”
São João da Cruz – 3S 30,5

Cartas de Santa Teresa de Jesus em 27

1572 – C 45 – À D. Juana de Ahumada, em Alba – Sobre assuntos da família e das Descalças de Alba de Tormes.

1575 – C 86 - Ao Pe. Jerônimo Gracián – Boa dis´posição que aparentaram os Calçados de Andaluzia em relação à visita do Pe. Gracián. Dá o hábito a sua sobrinha Teresita de Cepeda. Recomenda a S. João da Cruz para o cargo de Vigário da Encarnação. Sente a Santa a ausência do Pe. Gracián.



FORTALEZA-CE - LAZER DA COMUNIDADE RAINHA DO CARMELO

Amigos da OCDS, compartilhamos com vocês neste vídeo um pouco da alegria que foi o lazer da Comunidade Rainha do Carmelo realizado hoje em nosso sítio.
Abraços,
Luciano Dídimo

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Liturgia - 26 de setembro - NOSSA SENHORA NO SÁBADO













NOSSA SENHORA NO SÁBADO

Cor litúrgica: Branco

Ofício da memória de Nossa Senhora
Laudes: Liturgia das Horas: 1552-695
Oração das Horas: 1472-841
I Vésperas: Liturgia das Horas: 703-270
Oração das Horas: 848-715

Leituras: Zc 2,5-9.14-15a – Cânt. JR 31,10.11-12ab.13(r/.10d) – Lc 9,43b-45
“Jesus revela a iminência de sua Paixão.”
Jesus revela que sua missão terrestre passa pela morte do Servo.


SANTOS DO DIA


Ss. Cosme e Damião,
Mártires


Na Síria setentrional, o martírio dos Santos Cosme e Damião, que uma tradição apresenta como dois irmãos que exerceram gratuitamente a medicina, a fim de ganhar a clientela para a fé cristã. Seu culto se popularizou muito na região mediterrânea, a partir do século V.
Protetores dos médicos, farmacêuticos e crianças,Cosme e Damião eram irmãos gêmeos e cristãos. Na verdade, não se sabe exatamente se eles eram gêmeos. Mas nasceram na Arábia e viveram na Ásia Menor, Oriente. Desde muito jovens, ambos manifestaram um enorme talento para a medicina. Estudaram e diplomaram-se na Síria, exercendo a profissão de médico com muita competência e dignidade. Não aceitavam receber um centavo pelo serviço prestado. Os irmãos aproveitavam também para divulgar a fé cristã entre aqueles que se recuperavam das doenças. Inspirados pelo Espírito Santo, usavam a fé aliada aos conhecimentos científicos. Com isso, seus tratamentos e curas a doentes, muitas vezes à beira da morte, eram vistos como verdadeiros milagres. A riqueza que mais os atraía era fazer de sua arte médica também o seu apostolado para a conversão dos pagãos, o que, a cada dia, conseguiam mais e mais.Isso despertou a ira do imperador Diocleciano, implacável perseguidor do povo cristão. As perseguições do Imperador Diocleciano, porém, não demoraram a frear a ação benéfica destes "médicos do amor". Na Ásia Menor, o governador deu ordens imediatas para que os dois médicos cristãos fossem presos, acusados de feitiçaria e de usarem meios diabólicos em suas curas. Foram forçados a negar sua fé.Mandou que fossem barbaramente torturados por negarem-se a aceitar os deuses pagãos. Condenados à morte, resistiram milagrosamente a pedradas e flechadas. Em seguida, foram decapitados. O ano não pode ser confirmado, mas com certeza foi no século IV. Os fatos ocorreram em Ciro, cidade vizinha a Antioquia, Síria, onde foram sepultados. Mais tarde, seus corpos foram trasladados para uma igreja dedicada a eles.Quando o imperador Justiniano, por volta do ano 530, ficou gravemente enfermo, deu ordens para que se construísse, em Constantinopla, uma grandiosa igreja em honra dos seus protetores. Mas a fama dos dois correu rápida no Ocidente também, a partir de Roma, com a basílica dedicada a eles, construída, a pedido do papa Félix IV, entre 526 e 530. Tal solenidade ocorreu num dia 26 de setembro; assim, passaram a ser festejados nesta data. Inúmeros milagres se deram na sepultura deles.Os nomes de são Cosme e são Damião, entretanto, são pronunciados infinitas vezes, todos os dias, no mundo inteiro, porque, a partir do século VI, eles foram incluídos no cânone da missa, fechando o elenco dos mártires citados. Os santos Cosme e Damião são venerados como padroeiros dos médicos, dos farmacêuticos e das faculdades de medicina.





Santo Elzeário de Sabran e
Bem-aventurada Delfina Glandèves,
Cônjuges


Elzeário de Sabran, nascido na França, conde de ariano dos Herpinos, casou a bem-aventurada Delfina de Glandèves, com quem, segundo se diz, viveu em perfeita virgindade. Entrou com a esposa na Ordem Terceira Franciscana, ilustrando-a com suas exímias virtudes. Partilhavam generosamente com os pobres suas abundantes riquezas, preocupados ao mesmo tempo com a vida de oração e das boas obras. Elzeário morreu em Paris, a 27 de Setembro de 1323, e Delfina, perto da cidade francesa de Apt, a 26 de Novembro de 1358, após quase sete lustros de piedosa viuvez.


ORAÇÃO - Ó Deus, que por Santo Elzeário e Bem-aventurada Delfina nos destes sublimes exemplos de virtude na vivência de um santo matrimônio, concedei que, venerando seus piedosos méritos neste mundo, possamos participar de sua feliz companhia nos céus. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.


“Repassando na memória todas estas misericórdias recebidas, e vendo-se colocada junto do Esposo com tanta dignidade, sente a alma imenso gozo, com deleite de agradecimento e amor.”
São João da Cruz – C 33,2

Carta de Santa Teresa de Jesus em 26

1576 – C 121 – À Madre Maria de S. José, Priora de Sevilla – O Pe. Mariano em Toledo. Sobre uma postulante e as garantias de seu dote. Lembranças a Garcia Alvarez e aos Descalços.






Comentário ao Evangelho do dia feito por Santa Teresa do Menino Jesus (1873-1897), carmelita, Doutora da Igreja Pesia 52,


Lucas 9,18-22.
Um dia, quando orava em particular, estando com Ele apenas os discípulos,
perguntou-lhes: «Quem dizem as multidões que Eu sou?»
Responderam-lhe: «João Baptista; outros, Elias; outros, um dos antigos
profetas ressuscitado.»
Disse-lhes Ele: «E vós, quem dizeis que Eu sou?» Pedro tomou a palavra e
respondeu: «O Messias de Deus.»
Ele proibiu-lhes formalmente de o dizerem fosse a quem fosse;
e acrescentou: «O Filho do Homem tem de sofrer muito, ser rejeitado pelos
anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos doutores da Lei, tem de ser morto
e, ao terceiro dia, ressuscitar.»


Da Bíblia Sagrada



Comentário ao Evangelho do dia feito por

Santa Teresa do Menino Jesus (1873-1897), carmelita, Doutora da Igreja
Pesia 52, «O abandono é o fruto delicioso do amor»


«"E Eu, quando for levantado da terra, atrirei todos a Mim". E dizia isto para indicar de que morte ia morrer» (Jo, 12, 32-33)

Há nesta terrauma Árvore maravilhosacuja raíz, oh mistério!se encontra nos céus.À sombra dos seus ramosnada pode ferir;aí se pode repousarsem temer a tempestade.Esta Árvore inefáveltem por nome Amor;e seu fruto deleitávelchama-se abandono.É um fruto que me torna
felizjá nesta vida;e minha alma se alegracom seu odor divino.Este fruto, quando lhe toco,é para mim um tesouro;ao levá-lo à bocamais doce ainda o sinto.Ele me dá neste mundoum oceano de paz;e nesta paz profundarepouso para sempre.Só o abandono me entregaem Teus
braços, Jesus.Ele me faz vivera vida dos eleitos.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Liturgia - 25 de setembro - 6a-FEIRA DA 25a. SEMANA DO TEMPO COMUM















6ª-FEIRA DA 25ª SEMANA DO TEMPO COMUM

Cor litúrgica: Verde

Ofício do dia de semana
Liturgia das Horas: 674
Oração das Horas: 828

Leituras: Ag 1,15b-2,9 - Sl 42(43) - Lc 9,18-22
“E vós, quem dizeis que eu sou?”
No seguimento de Jesus para o Gólgota, será revelado plenamente a eles o mistério de sua pessoa.

“Porque pedes palavras e revelações parciais; se olhares o meu Filho acharás nele a plenitude; pois ele é toda a minha palavra e resposta, toda a minha visão e toda a minha revelação.”
S. João da Cruz -2S 22,5

“Quando vi Cristo imprimiu-se em mim Sua grandíssima formosura, qu ainda hoje está presente; e, para isso, bastava uma única vez, quando são tantas as vezes em que o Senhor me concede esse favor!”
Santa Teresa de Jesus – V 37,4

SANTO DO DIA



S. Firmino
Bispo e Mártir


Século II) O pai e a mãe de São Firmino, que eram os mais ricos e consideráveis da cidade de Pamplona, Espanha, no fim do Século I, converteram-se à fé cristã por Santo Honesto, padre de Toulouse e discípulo de São Saturnino.
Convencidos que o bom desenvolvimento depende da educação recebida na infância, eles confiaram o filho a este santo eclesiástico, que o instruiu e fez com que ele o acompanhasse em suas missões apostólicas.
Sacerdote aos vinte e quatro anos, Firmino conheceu tanto sucesso através de suas pregações que Santo Honório, sucessor de São Saturnino em Toulouse, ordenou-o bispo para evangelizar os pagãos. O bispo missionário percorreu a Gália, evangelizou as regiões de Agen, Clermont, Angers, Beauvais, sofrendo diversas vezes a perseguição, levando surras de vara, preso a correntes, atirado aos calabouços. Amiens foi a última e mais gloriosa etapa do seu apostolado, onde Firmino fixou sua Sé. Desde os primeiros dias, o senador Faustiniano foi convertido juntamente com toda a sua família.
Firmino unia ao charme de sua eloqüência o testemunho invencível de uma multidão de milagres. Um dia era um homem com problemas de visão que ficava curado; no dia seguinte, dois leprosos; depois, eram cegos, coxos, surdos, mudos, paralíticos, pessoas possuídas pelo demônio. Pouco tempo depois de sua chegada, os templos de Júpiter e de Mercúrio tornaram-se completamente desertos. Firmino acabou sendo decapitado.
Os fatos principais de sua vida estão narrados na fachada da Catedral de Amiens





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...