sábado, 30 de abril de 2011

I CICLA-SUL DA OCDS: SEJAM BEM VINDOS!!


Queridos irmãos e irmãs ,

É com grande alegria que nos reunimos para esta comunhão fraterna do Carmelo Descalço Secular.

Neste encontro, nosso objetivo principal é desenvolver e criar laços de fraternidade nas diversas realidades entre os Carmelitas Seculares de Brasil e outros países da América Latina e assimilar o carisma deixado por Santa Teresa de Jesus.

Esperamos que o idioma não esteja sendo um obstáculo insuperável, já que temos pessoas de vários países diferentes. Apesar da linguagem poderemos nos conhecer e faze-nos irmãos acolhedores destes que vem de longe para que se sintam em suas casas!

Recordemos que Santa Teresa nos anima a evangelizar e lutar pelo Reino de Deus com uma determinada determinação. Assim, que possamos adquirir neste encontro a experiência e um grande desejo de apresentar o Carmelo onde quer que possamos ir, com espírito Teresiano de oração e amor pela Igreja nossa mãe.

Que possamos no final dizer : VALEU A PENA!!!

Um santo homem Brasileiro, D. Helder Câmara nos diz:

"É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas a graça das graças é não desistir nunca".

SEJAMOS DISCÍPULOS MISSIONÁRIOS

INCANSÁVEIS POR AMOR A JESUS.

Rose Piotto, ocds

sexta-feira, 29 de abril de 2011

I CICLA SUL DA OCDS - 2º DIA - manhã



Iniciamos o segundo dia do I CICLA SUL DA OCDS com missa com laudes às 07:00 horas.
Após o café da manhã tivemos a primeira palestra do evento, ministrada por Efigênia Ribeiro, Presidente da Comunidade Rainha do Carmelo, da OCDS de Fortaleza e Secretária do Conselho Provincial da OCDS - Província São José. O tema da palestra foi: "Ratio - Conteúdo e Significado". De forma muita clara e objetiva, Efîgênia definiu e apresentou resumidadente todo o conteúdo da Ratio. A primeira parte do documento apresenta os preceitos que tratam do tema da formação: os aspectos essenciais da formação, os agentes de formação, a metodologia, os recursos básicos e o objetivo. Já a segunda parte trata dos princípios que ajudam no discrernimento da vocação à Ordem Secular.
Concluindo Efigênia afirmou que a Ratio é o sinônimo daquilo que é essencial na formação do carmelita secular para que as comunidades não se percam no caminho do seguimento a Cristo pelo carisma do Carmelo Descalço.


###################


A segunda palestra da manhã foi proferida por Frei Fabiano Alcides, ocd, Delegado Provincial da OCDS - Província São José para as regiões Sudeste e Centro-Oeste. O tema da palestra foi "A dimensão apostólica na formação do Discípulo Missionário a partir do Documento de Aparecida.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

I CICLA-SUL DA OCDS: BIENVENIDOS!!

I CICLA-SUL DA OCDS: BIENVENIDOS!!: "Queridos hermanos y hermanas, Es con gran alegría que los recibimos en nuestro país para esta comunión fraterna en el Carmelo descalzo..."

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Novo e-mail para o Jornal Monte Carmelo


Comunicamos a todos o novo e-mail para o Jornal Monte Carmelo. Por este e-mail será recebido as notícias, avisos, sugestões de temas, outras sugestões, e avaliações referente o jornal. E ainda é por este e-mail que deverá ser comunicada a alteração de endereço dos membros OCDS para a remessa do jornal, bem como, os dados (nome e endereço) de novos membros. O e-mail é: comissaojornalmontecarmelo@gmail.com

Agradecemos.
Comissão do Jornal Monte Carmelo

COMUNIDADE OCDS 'SAGRADA FACE' DE VARGINHA-MG



Em 19de abril, nós, Comunidade OCDS Sagrada face de Varginha juntamente com a Comunidade OCDS de Três Pontas, estivemos reunidos no Carmelo São José daquela cidade, com o nosso novo Delegado Provincial Frei Fabiano Alcides, onde ele nos falou do ser carmelita na visão de Santa Teresa, da fidelidade ao carisma, citando vários artigos de nossas Constituições.
Agradecemos sua disponibilidade de estar nos atendendo e orientando e conte com nossas orações.
Cida Carvalho

domingo, 24 de abril de 2011

AVISO AOS PARTICIPANTES DO I CICLA-SUL DA OCDS


No dia 28 de abril, próxima 5ª feira, Tonini e José Eduardo Manfredini estarão no Aeroporto de Guarulhos, para receber os estrangeiros e os brasileiros que irão chegar por este aeroporto.
Foram contratadas VANs, as quais irão apanhar os carmelitas no aeroporto e levá-los até Aparecida.
Estas VANs também irão ser utilizadas no domingo para a viagem de Aparecida até o aeroporto em Guarulhos.
Caso mais alguém necessite deste meio de transporte, deverá informar ao Sr. Tonini até a próxima terça feira - 26-abril-2011, às 15:00 h, através dos seguintes telefones: 
12-78145251 - Tonini
12-78145254 - Angela (esposa)
12-78145250 - Milena (filha)
12-36083680 - Tonini - apenas na terça feira
ou através dos seguintes e-mails:
actonini@gmail.com

Mensagem do Delegado Provincial para a OCDS da Província São José (regiões Sudeste e Centro-Oeste)


Caros irmãos e amigos do Carmelo secular,
O Senhor ressuscitou,aleluia, aleluia!
Cantemos com alegria com toda a Igreja: “Este é o dia que o Senhor fez para nós: alegremo-nos e nele exultemos”! A alegria pascal é a alegria de possuir a verdade que Cristo trouxe ao mundo e confirmou com sua ressurreição.
Neste clima das alegrias pascais, desejo a todos uma feliz e abençoada Páscoa!
Frei Fabiano Alcides, ocd

Viver a Páscoa!


É ser capaz de mudar,
É partilhar a vida na esperança,
É lutar para vencer toda sorte de
sofrimento,
É dizer sim ao amor e à vida,
É investir na fraternidade,
É lutar por um mundo melhor,
É ajudar mais gente a ser gente,
É viver em constante libertação,
É crer na vida que vence a morte.

Desejamos a todos da Ordem de Nossa Senhora do Monte Carmelo que as alegrias da Páscoa permaneça na vida de cada um de vocês e possam sempre resnascer e renovar! Feliz Páscoa!
Comunidade Sta. Teresa de Jesus - Campinho - RJ
Sonia- OCDS

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Comunidade Rainha do Carmelo recebe a visita de Frei Marcos Juchem


No dia 16.04.2011 a Comunidade Rainha do Carmelo, da OCDS de Fortaleza-CE, teve a honra e a alegria de receber a visita de Frei Marcos Juchen, ocd (Definidor da OCD para a América Latina e Caribe).

Efigênia acolhe Frei Marcos

Ele nos passou uma visão geral do trabalho do Padre Geral da OCD, Frei Savério, e dos 8 definidores que o acompanham. Também enriqueceu nossa tarde com muitos ensinamentos.

Obrigado por sua presença em nossa Comunidade, Frei Marcos, que o Espírito Santo o guie hoje e sempre!


Registro desse considerável momento:



quarta-feira, 20 de abril de 2011

"NÃO MORRO,ENTRO NA VIDA"(SANTA TERESINHA)







NESTE MOMENTO DE DOR E SAUDADE ,NOS UNIMOS A ROSE E SUA FAMÍLIA ,PEDINDO QUE O AMOR DE JEUS ESTEJA PRESENTE A CADA DIA ,CONSOLANDO SEUS CORAÇÕES E LHES INFUNDINDO MUITA FÉ NO ENCONTRO FINAL!!!!!!QUE MARIA ,MÃE DOS AFLITOS,INTERCEDA NESTE MOMENTO!!!!!





SÓ O SENHOR PODE ENXUGAR SUAS LÁGRIMAS ,QUERIDA ROSE E TAMBÉM AS DE SUA FAMÍLIA!!!!!





QUE A PRESENÇA DE DEUS LHES CONCEDA CONFORTO E A ESPERANÇA NA VIDA ETERNA ,AMENIZANDO ,ASSIM ,A DOR DA SAUDADE!!!!





PARA O SR PAULO ,A PÁSCOA JÁ ACONTECEU E VIDA NOVA ELE VAI TER JUNTO DO SENHOR ...CREMOS NISSO....





COM A AMIZADE ,CARINHO E ORAÇÕES DE SEUS IRMÃOS E IRMÃS DA OCDS.





MARIA EDUARDA
Comunicamos o falecimento de Paulo Lemos, pai da Rose - Passos/MG.
As nossas orações.
Em unidade com a família, nós irmãos da Ordem dos Carmelitas Descalço Secular.

Comunidade Santa Teresinha (São Roque-SP) Retiro e Admissão







Dias 08,09 e 10 de abril no Centro Teresiano de Espiritualidade em São Roque, membros da comunidade Sta. Teresinha do Menino Jesus, participaram do retiro assessorado pelo frei Geraldo Boletini "Preparação para a Páscoa do Senhor", foram dias de recolhimento e meditação na palavra de Deus, evangelho de João cap.11,1-44, Ressurreição de Lázaro.

Na manhã do domingo dia 10, nossos irmãos , Tânia Stella, Kátia, Lincon, Ediz e Marcelo na missa presidida por frei Geraldo, fizeram seu pedido para a entrada no período de formação, receberam o Escapulário, a Regra de Vida , o Estatuto e as Constituições da OCDS e a Bíblia, sinais de serviço, compromisso e meditação na Lei do Senhor.
--
Postado por Edna de Jesus no Blog da Comunidade Santa Teresinha do Menino Jesus (São Roque-SP) em 4/14/2011 10:27:00 PM

segunda-feira, 18 de abril de 2011

ARVOREANDO

(Pe. Fábio de Melo)

Uma das coisas que eu acho fascinante em Jesus é a capacidade que ele tinha de encontrar no meio da multidão, pessoas.

Ele era capaz de reconhecer em cima de uma árvore um homem, e descobrir nele um amigo.


Bonito uma amizade que nasce a partir da precariedade, quando você chega desprevenido, o outro viu o que você tem de pior, e mesmo assim, ele se apaixonou por você. Amor concreto, cotidiano, diário.


Jesus se apaixonava assim pelas pessoas e as tornava suas amigas. As trazia para perto Dele.

É fascinante olhar para a capacidade que esse homem, que esse Deus tem, de investigar a miséria do outro e encontrar a pedra preciosa que está escondida. Isso é Páscoa, isso é ressurreição.

É quando no sepulcro do nosso coração, alguém descobre um fio de vida, e ao puxar esse fio, vai fazendo com que a gente se torne melhor.
Não há nada mais bonito do que você ser achado quando você está perdido.
Não há nada mais bonito do que você ser encontrado, no momento que você não sabe para onde ir e não sabe nem onde está...
O amor humano tem a capacidade de ser o amor de Deus na nossa vida por causa disso: porque ele nos elege!
Por isso que é bom termos amigos, porque na verdade, as pessoas amigas antecipam no tempo, aquilo que acreditamos ser eterno...


Quando elas são capazes de olhar para nós e descobrir o que temos de bonito. Mesmo que isso, as vezes costuma ficar escondido por trás daquilo que é precário.


Por isso agradeço muito a Deus pelos amigos que tenho. Pelas pessoas que descobriram no que eu tenho de pior, uma coisinha que eu tenho de bom, e mesmo assim continuam ao meu lado, me ajudando a ser gente, me ajudando a ser mais de Deus, ajudando a buscar dentro de mim, a essência boa que acreditamos que Deus colocou em cada um de nós.

Ter amigos, é como arvorear: lançar galhos, lançar raízes... Para que o outro quando olhar a árvore, saiba que nós estamos ali... Que nós permanecemos para fazer sombra, para trazer ao outro, um pouco de aconchego que ás vezes ele precisa na vida...

ARVOREIE! CRIE ÁRVORES! SEJA AMIGO!

domingo, 17 de abril de 2011


Aos que me tem ajudado com toda atenção e delicadeza nesta missão a mim confiada ,minha gratidão !!!!!!

Juntos vamos conseguir porque JESUS RESSUSCITOU E NOS DÁ A MÃO!!!!!

A VOCÊS MEUS VOTOS DE FELIZ PÁSCOA!!!!!!!

"Páscoa, centro da vida cristã"


Após este rico período da Quaresma, onde tivemos a cada dia o convite para morrermos para nossas fraquezas e egoísmos e ressuscitarmos para o amor e a vida nova, entramos mais uma vez na Semana Santa refletindo sobre o processo de aniquilamento que Jesus enfrentou livremente por nós.
Jesus, o Servo Sofredor, se entrega por todos os que sofrem e vem encher de confiança e esperança toda a humanidade, mostrando-nos o seu Amor sem medida.
Ao caminharmos nesta semana, recordando os passos de Jesus, possamos olhar também para nossos passos muitas vezes não tão firmes e corajosos.
É hora de levantarmos a cabeça e com coragem, sustentados por sua Palavra, iniciarmos caminhada nova. Não poderemos deixar de olhar também para o nosso próximo, muitas vezes necessitado de nosso apoio e acolhida.
Mas a Vigília Pascal, a mãe de todas as vigílias, se aproxima e celebraremos a vitória da vida sobre a morte, o acontecimento central de nossa fé!!!!

JESUS RESSUSCITOU VERDADEIRAMENTE !!!!!!ALELUIA!!!!!

Uma vida nova é possível!!! As pedras são removidas!!! Os medos não existem mais!!!! O bem vence o mal!!!!
Podemos caminhar nesta certeza: O NOSSO SENHOR ESTÁ VIVO E NOS DÁ A FORÇA NECESSÁRIA PARA SERMOS SEUS DISCÍULOS E MISSIONÁRIOS APESAR DAS DIFICULDADES QUE POSSAM APARECER!!!!!

A TODOS, MEUS IRMÃOS E IRMÃS AMADOS(AS), QUERO DESEJAR UMA SANTA SEMANA SANTA E UMA FELIZ PÁSCOA!!!!!!
COM MINHA AMIZADE E CARINHO,

MARIA EDUARDA

sexta-feira, 15 de abril de 2011


O caminho da Cruz


O consolo e a vida estão,
Só na Cruz;
E ao Céu é a única senda
Que conduz.

Está na Cruz o Senhor
De céus e terra,
E o gozar de muita paz
Em plena guerra.
Todos os males desterra
Do mundo, a Cruz.
E ao Céu é a única senda
Que conduz.

Da cruz é que diz a Esposa
A seu Querido,
Que é a palmeira preciosa
Aonde há subido;
Cujo fruto lhe há sabido
Ao seu Jesus.
E ao Céu é a única senda
Que conduz.

A santa Cruz é oliveira
Mui preciosa,
Seu óleo nos unge e inunda
De luz radiosa;
Ó minh'alma, pressurosa,
Abraça a cruz:
E ao Céu é a única senda
Que conduz.

É o madeiro verdejante
E desejado
Da Esposa, que à sua sombra
Se há sentado,
A gozar de seu Amado,
O Rei Jesus.
E ao Céu é a única senda
Que conduz.

A alma que a Deus totalmente
Está rendida,
Bem deveras deste mundo
Já desprendida,
Árvore de gozo e vida
É a santa Cruz,
E ao Céu é a única senda
Que conduz.

Desde que na Cruz foi posto
O Salvador,
Só na cruz se encontra glória,
Honra louvor;
Vida e consolo na dor
Dá-nos a cruz,
E ao Céu é a única senda
Que conduz.

Teresa de Jesus

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Leigos: “gigante adormecido” da Igreja

Entrevista com o professor Luis Navarro

ROMA, quinta-feira, 14 de abril de 2011 (ZENIT.org) -

O futuro da Igreja depende de um despertar de seu "gigante adormecido", os leigos, segundo constatou um congresso organizado entre 7 e 8 de abril, em Roma, pela Faculdade de Direito Canônico da Pontifícia Universidade da Santa Cruz, com o título "O fiel leigo: realidade e perspectiva".
Neste contexto, ZENIT entrevistou o decano desta faculdade e presidente do comitê organizador do encontro, professor Luis Navarro.

ZENIT: Por que um congresso sobre os leigos?
Professor Luis Navarro: Como em muitos lugares, torna-se evidente o impulso do Concílio Vaticano II sobre o papel dos leigos como fiéis envolvidos na realidade secular, chamados à santidade e partícipes da missão da Igreja em primeira pessoa, para revitalizar um mundo que está em um beco sem saída. Novamente se atualiza a expressão de um padre sinodal sobre a vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo, que definia o conjunto dos leigos como um "gigante adormecido". Trata-se, sem ir mais longe, de mais de 95% do povo de Deus, inúmeras pessoas batizadas que vivem diferentes graus de pertença e de adesão, de participação e corresponsabilidade na vida da Igreja. São, hoje, mais de 100 milhões, 17% da população mundial. É um número impressionante e, apesar disso, é evidente que há um longo caminho a percorrer para levar a cumprimento a vocação dos cristãos em meio aos seus concidadãos ao redor do mundo.

ZENIT: É possível, portanto, fiar-se dos leigos? Podemos, inclusive, confiar neles para que levem adiante a missão da Igreja?
Professor Luis Navarro: A pergunta é complicada, porque pressupõe que alguém (não leigo) pede responsabilidades a outros; alguém que é o "verdadeiro responsável", que confia aos leigos uma determinada tarefa. Esta não é a perspectiva do Concílio. Nas mudanças na teologia dos leigos, que foram discutidas no nosso congresso, certamente foi difícil superar esquemas desse tipo, com o resultado de que se suavizou o sentido da missão dos leigos. O Concílio Vaticano II não fez uma escolha política ou sociológica, e sim afirmou uma percepção teológica do que é o leigo e a que está chamado: um batizado que segue Cristo a partir da sua vocação humana, cheia de responsabilidades e desafios seculares que constituem o lugar onde se imita o Senhor e onde se convida os outros a segui-lo.

ZENIT: Como se pode conciliar esta responsabilidade pessoal com a variedade de novas realidades ou movimentos e grupos que se dirigem aos leigos? Um leigo que não pertence a estas realidades pode levar à plenitude o seu "ser "leigo"?
Professor Luis Navarro: O interesse do nosso congresso também se concentrou em ouvir os representantes de algumas destas realidades, porque o seu carisma de origem faz referência à condição batismal como tal. A riqueza que essas realidades trouxeram à Igreja deve ser retomada em sua raiz, isto é, o fato puro e simples de que ser batizado traz uma grande alegria e também uma grande responsabilidade. Além disso, eu acrescentaria, do ponto de vista jurídico, que estas realidades também trouxeram expressões de criatividade em um nível organizacional, que devem ser estudadas, porque têm transformado alguns padrões que pareciam imutáveis.

ZENIT: Do leigo se fala em todos os lugares e, por vezes, de forma repetitiva. Será que o discurso eclesial está um pouco desgastado e que talvez seja preciso refletir diretamente sobre as necessidades da sociedade no mundo?
Professor Luis Navarro: Sua pergunta atinge o alvo se estiver fazendo referência ao fato de que o leigo tem, como interesse primário, e precisamente pela força da sua vocação, que deve ao mesmo tempo encontrar e transmitir Cristo na vida diária e nas aspirações de um mundo mais justo. Seria errado supor que isso pode ser assumido à margem da Revelação cristã e, portanto, da sua expressão no magistério, especialmente na área social: o grande desafio é que os leigos o façam em primeira pessoa, a partir da própria responsabilidade entre os homens, cidadãos como eles. Portanto, estamos confiantes de que do congresso surgirá a ideia de que, para "configurar" o mundo de acordo com a verdade cristã, o leigo deve, antes de tudo, "formar" a própria consciência, para agir em plena liberdade e com plena iniciativa. O núcleo é a ação livre dos fiéis leigos.
Um leigo bem formado e consciente dos seus próprios deveres na sociedade é "luz para o mundo".

Filme "Homens e Deuses"


Carta da CNBB de apoio ao filme

Domingo de Ramos: mudas ao invés de galhos

Olá, achei interessante e oportuna a idéia. Quem sabe não poderia entrar no boleltim da Ordem.
Um abraço, fr. Wilson

_______________________________________

Gesto simbílico e concreto para Campanha da Fraternidade: ao invés de galhos de árvores ou de palmeiras, uma muda de árvore deve ser trazida para as celebrações de Domingo de Ramos.

A experiência vem sendo motivada pela paróquia católica de Bataguassu/MS, depois da iniciativa de uma catequista da comunidade junto ao um grupo de crianças. "A celebração do Domingo de Ramos deve ser o sinal sinal de compromisso ecológico, depois de abençoadas, as mudas de árvore serão levadas para casa ou para as praças e serem plantadas", lembra o padre da comunidade Moacir Miguel dos Santos.

Em um encontro assessorado pelo CEBI, do qual participaram 116 lideranças da comunidade, a proposta se solidificou e tomou força. Muitas famílias já vêm preparando as mudas, envolvendo espeialmente as crianças, bastante empolgadas com a iniciativa. ´"Essa nova geração ainda vai nos ensinar muito", afirma Pe. Moacir.

Fonte: CEBI - Centro de Estudos Bíblicos

quarta-feira, 13 de abril de 2011

COMO REGAR O JARDIM DA ALMA





COMO REGAR O JARDIM DA ALMA
Parece-me que li ou ouvi esta comparação ‑ como tenho memória ruim, não sei onde nem por quê; mas, para o meu objetivo aqui, basta-me citá-la. Quem principia deve ter especial cuidado, como quemfosse plantar um jardim, para deleite do Senhor, em terra muito improdutiva, com muitas ervas daninhas. Sua Majestade arranca as ervas daninhas e planta as boas. Façamos de conta que isso já aconteceu quando uma alma decide dedicar-se à oração e começa a se exercitar nela. Com a ajuda de Deus, temos de procurar, como bons jardineiros, que essas plantas cresçam, tendo o cuidado de regá-las para que não se percam e venham a dar flores, cujo perfume agradável delicie esse nosso Senhor, para que Ele venha a se deleitar muitas vezes em nosso jardim e a gozar entre essas virtudes.
Vejamos agora a maneira de regar, para sabermos o que fazer e o quanto isso nos há de custar; verificar se o lucro é maior do que o esforço e o tempo que o trabalho levará.
Parece-me que é possível regar de quatro maneiras:
Ø tirando a água de um poço, o que nos parece grande trabalho;
Ø tirá-la com nora e alcatruzes movidos por um torno; assim o fiz algumas vezes:
dá menos trabalho que a outra e produz mais água;
Ø trazê-la de um rio ou arroio; rega-se muito melhor, a terra fica bem molhada, não é preciso regar com tanta freqüência e o jardineiro faz menos esforço;
Ø contar com chuvas freqüentes; neste caso, o Senhor rega, sem nenhum trabalho nosso, sendo esta maneira incomparavelmente melhor do que as outras.
continue lendo este texto:

terça-feira, 12 de abril de 2011

Curso de Espiritualidade




O Centro Teresiano de Espiritualidade promove, há mais de 15 anos, o Curso de Espiritualidade, realizado em três etapas, sempre no mês de julho.

O curso propõe um aprofundamento da Espiritualidade Cristã, como também uma abordagem das espiritualidades presentes na pós-modernidade.

É destinado a pessoas que queiram unir seu apostolado a uma vida de profunda intimidade com Deus, tais como: sacerdotes, formadores, religiosos, religiosas e leigos engajados.

As inscrições para cada etapa podem ser feitas através de solicitação da ficha de inscrição, por telefone ou e-mail.

A duração de cada etapa é de 22 dias.

Veja a grade curricular completa das três etapas do curso.

Contatos, inscrições e informações

Tel: 0xx.11.4712-2270
Fax: 0xx.11. 4712-6976
e-mail: centroteresiano@yahoo.com.br

Direção: Fr. Leandro Alcides, ocd


para ver a grade curricular clique abaixo:

http://2.bp.blogspot.com/-SBa21K8SiN4/TaBZa7NHpNI/AAAAAAAAAAw/AVoaKIZXWEc/s1600/Scan_Pic0004.jpg

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Catequese do Papa: Teresa do Menino Jesus e a ciência do amor

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 6 de abril de 2011 (ZENIT.org) -

Apresentamos, a seguir, a catequese dirigida pelo Papa aos grupos de peregrinos do mundo inteiro, reunidos na Praça de São Pedro para a audiência geral.

***
Queridos irmãos e irmãs:
Hoje eu gostaria de vos falar de Santa Teresa de Lisieux, Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face, que viveu neste mundo apenas 24 anos, no final do século XIX, levando uma vida simples e oculta, mas que depois de sua morte e da publicação dos seus escritos, tornou-se uma das santas mais conhecidas e amadas. A "pequena Teresa" não deixou de ajudar as almas mais simples, os pequenos, os pobre, os que sofrem e os que rezam a ela, mas também iluminou toda a Igreja, com sua profunda doutrina espiritual, tanto assim que o Venerável João Paulo II, em 1997, quis dar-lhe o título de Doutora da Igreja, acrescentando o título de Padroeira das Missões, dado por Pio XI, em 1939. Meu querido predecessor a definiu como uma "especialista na ‘scientia amoris'" (‘Novo Millennio ineunte', 27). Esta ciência, que vê brilhar no amor toda a verdade da fé, Teresa a expressa principalmente no relato da sua vida, publicado um ano após a sua morte com o título de "História de uma alma". É um livro que foi de imediato um enorme sucesso; foi traduzido para muitas línguas e distribuído em todo o mundo. Eu gostaria de convidar-vos a redescobrir este pequeno-grande tesouro, este luminoso comentário do Evangelho plenamente vivido! "História de uma alma", de fato, é uma maravilhosa história de amor, contada com tal autenticidade, simplicidade e frescor, que o leitor não pode deixar de ficar fascinado! No entanto, qual é esse amor que preencheu a vida de Teresa, desde a infância até sua morte? Queridos amigos, este amor tem um rosto, tem um nome, é Jesus! A santa fala continuamente de Jesus. Percorramos, então, as grandes etapas de sua vida, para entrar no coração de sua doutrina.
Teresa nasceu em 2 de janeiro de 1873, em Alençon, uma cidade da Normandia, na França. Foi a última filha de Louis e Zelie Martin, esposos e pais exemplares, beatificado os dois em 19 de outubro de 2008. Eles tiveram 9 filhos, dos quais 4 morreram na infância. Restaram 5 filhas, que se tornaram todas religiosas. Teresa, aos 4 anos, foi profundamente afetada pela morte de sua mãe (Ms A, 13r). O pai, com as filhas, mudou-se então para a cidade de Lisieux, onde se desenvolveu toda a vida da santa. Mais tarde, Teresa, sofrendo uma doença nervosa grave, curou-se devido a uma graça divina, que ela definiu como "o sorriso de Nossa Senhora" (ibid., 29v-30v). Recebeu a Primeira Comunhão, vivida intensamente (ibid., 35r), e colocou Jesus Eucaristia no centro da sua existência.
A "Graça do Natal" de 1886 marcou o ponto de inflexão, o que ela chamou de "conversão completa" (ibid., 44v-45r). De fato, ela se curou totalmente de sua hipersensibilidade infantil e iniciou um "caminho de gigante". Na idade de 14 anos, Teresa aproximou-se cada vez mais, com muita fé, de Jesus Crucificado, e levou muito a sério o caso, aparentemente desesperado, de um criminoso condenado à morte e impenitente (ibid., 45v-46v). "Eu queria a todo custo evitar que ele fosse para o inferno", escreveu a santa, com a certeza de que a sua oração o teria colocado em contato com o sangue redentor de Jesus. É sua primeira e fundamental experiência da maternidade espiritual: "Tão confiante estava na infinita misericórdia de Jesus", escreveu. Com Maria Santíssima, a jovem Teresa ama, crê e espera, com "um coração de mãe" (cf. PR 6/10r).
Em novembro de 1887, Teresa vai em peregrinação a Roma, com seu pai e sua irmã Celina (ibid., 55v-67r). Para ela, o momento culminante foi a audiência do Papa Leão XIII, a quem pede permissão para entrar, com apenas 15 anos, no Carmelo de Lisieux. Um ano depois, seu desejo foi realizado: ela se torna carmelita, para "salvar almas e rezar pelos sacerdotes" (ibid., 69v). Ao mesmo tempo, começou a dolorosa e humilhante doença mental de seu pai. É um grande sofrimento que leva Teresa à contemplação do Rosto de Jesus em sua Paixão (ibid., 71rv).
Assim, seu nome religioso - Irmã Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face - expressa o programa de toda a sua vida, na comunhão com os mistérios centrais da Encarnação e da Redenção. Sua profissão religiosa, na festa da Natividade de Maria, em 8 de setembro de 1890, é para ela um verdadeiro matrimônio espiritual, na "pequenez" do Evangelho, que se caracteriza pelo símbolo da flor: "Que festa bonita a Natividade de Maria para me tornar a esposa de Jesus!", escreve. Era a pequena Virgem Santa de um dia que apresentava sua pequena flor ao Menino Jesus (ibid., 77r). Para Teresa, ser religiosa significa ser esposa de Jesus e mãe das almas (cf. Ms B, 2v). No mesmo dia, a santa escreveu uma frase que mostra a orientação da sua vida: pede a Jesus o dom do seu amor infinito, de ser a menor e, especialmente, pede a salvação de todos os homens: "Que nenhuma alma se condene hoje" (Pr 2). De grande importância é a seu Ato de Oferta ao Amor Misericordioso, feito na Festa da Santíssima Trindade em 1985 (Ms A, 83v-84r; Pr 6): uma oferta que Teresa partilhou com suas irmãs, sendo já auxiliar da mestra de noviças.
Dez anos após a "Graça do Natal", em 1896, chega a "Graça da Páscoa", que abre o último período da vida de Teresa, com o início da sua paixão profundamente unida à Paixão de Jesus; trata-se da Paixão do corpo, com a doença que a levou à morte através de grandes sofrimentos, mas acima de tudo se trata da paixão da alma, com uma muito dolorosa prova de fé (Ms C, 4v-7v). Com Maria, junto à cruz de Jesus, Teresa vive agora a fé mais heroica, como luz nas trevas que invadem a sua alma. A carmelita tem a consciência de viver esta grande prova para a salvação de todos os ateus do mundo moderno, chamados por ela de "irmãos". Ela viveu, então, mais intensamente o amor fraterno (8r-33v): com as irmãs de sua comunidade, com seus irmãos espirituais missionários, com os sacerdotes e com todos os homens, especialmente aqueles mais distantes. Ela se torna uma "irmã universal"! Sua caridade amável e sorridente é a expressão da profunda alegria cujo segredo ela nos revela: "Jesus, minha alegria é amar-te" (P 45/7). Neste contexto de sofrimento, vivendo o maior amor nas menores coisas da vida cotidiana, a santa leva a pleno cumprimento a sua vocação de ser o amor no Coração da Igreja (cf. Ms B, 3v).
Teresa morreu na noite de 30 de setembro de 1897, dizendo as palavras simples: "Meu Deus, eu te amo!", olhando para o crucifixo, que apertava com as mãos. Estas últimas palavras da santa são a chave de todos os seus ensinamentos, da sua interpretação do Evangelho. O ato de amor, expresso em seu último suspiro, era como a respiração contínua da sua alma, como o bater do seu coração. As simples palavras "Jesus, eu te amo" são o centro de todos os seus escritos. O ato de amor a Jesus a introduz na Santíssima Trindade. Ela escreveu: "Ah, tu sabes, divino Jesus, eu te amo,/ o espírito de Amor inflama-me com seu fogo /e, amando-te, eu atraio o Pai" (P 17/2).
Queridos amigos, também nós, com Santa Teresinha do Menino Jesus, podemos repetir cada dia ao Senhor, que queremos viver de amor a Ele e aos outros, aprender na escola do santos a amar de maneira autêntica e total. Teresa é um dos "pequenos" do Evangelho, que são guiados por Deus nas profundezas do seu mistério. Uma guia para todos, especialmente para os que, no povo de Deus, desenvolvem o ministério de teólogos. Com a humildade e a fé, caridade e esperança, Teresa entra continuamente no coração das Sagradas Escrituras, que contêm o mistério de Cristo. E essa leitura da Bíblia, alimentada pela ciência do amor, não se opõe à ciência acadêmica. A ciência dos santos, de fato, da qual ela fala na última página de "História de uma alma", é a ciência mais alta: "Todos os santos a entenderam; em particular, talvez, aqueles que encheram o universo com a irradiação do ensinamento do Evangelho. Não será, talvez, por meio da oração, que os santos Paulo, Agostinho, João da Cruz, Tomás de Aquino, Francisco, Domingos e muitos outros ilustres amigos de Deus obtiveram essa ciência divina que encanta os maiores gênios?" (Ms C, 36r). Inseparável do Evangelho, a Eucaristia é, para Teresa, o sacramento do Amor Divino que desce até o extremo para elevar-nos até Ele. Em sua última carta, a santa escreveu estas simples palavras sobre a imagem que representa o Jesus Menino na Hóstia consagrada: "Não posso temer um Deus que por mim tornou-se tão pequeno! (...) Eu o amo! De fato, Ele é só Amor e Misericórdia!" (LT 266).
No Evangelho, Teresa descobre sobretudo a misericórdia de Jesus, a ponto de dizer: "Ele me deu sua misericórdia infinita; através dela contemplo e adoro a demais perfeições divinas! (...) E então todas me parecem radiantes de amor; a própria justiça (e talvez mais do que qualquer outra), parece-me revestida de amor" (Ms A, 84r). Assim se expressa também nas últimas linhas da "História de uma alma": "Basta folhear o Santo Evangelho e imediatamente respiro o perfume da vida de Jesus e sei para onde correr... Não é ao primeiro lugar, mas ao último que me dirijo... Sim, eu o sinto; inclusive se tivesse sobre a consciência todos os pecados que se podem cometer, iria com o coração partido de arrependimento lançar-me nos braços de Jesus, porque sei o quanto Ele ama o filho pródigo que retorna a Ele" (Ms C, 36v-37r). "Confiança e amor" são, portanto, o ponto final do relato da sua vida, duas palavras que, como faróis, iluminaram todo o seu caminho de santidade, para poder guiar no seu próprio "pequeno caminho de confiança e amor", da infância espiritual (cf. Ms C, 2v-3r; LT 226). Confiança como a da criança que se abandona nas mãos de Deus, inseparável pelo compromisso forte, radical do verdadeiro amor, que é o dom total de si mesmo, para sempre, como diz a santa, contemplando Maria: "Amar é dar tudo, é dar a si mesmo" (P 54/22). Assim, Teresa indica a todos nós que a vida cristã consiste em viver em plenitude a graça do Batismo, no dom total de si ao amor do Pai, para viver como Cristo, no fogo do Espírito Santo, o seu próprio amor aos outros.
[No final da audiência, o Papa cumprimentou os peregrinos em vários idiomas. Em português, disse:]
Queridos irmãos e irmãs:

Padroeira das missões e doutora da Igreja, Santa Teresa de Lisieux, apesar da sua vida breve, que terminou em 1897, tornou-se uma das santas mais conhecidas e amadas. Um ano após a sua morte, foi publicada a sua obra autobiográfica, "História de uma alma". Trata-se de uma maravilhosa história de amor que encheu toda a vida Teresa; este amor tem um rosto e um Nome: é Jesus. Recebida a autorização papal, pôde, aos dezesseis anos, entrar no Carmelo de Lisieux, assumindo o nome de Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face. Era movida pelo desejo de salvar almas e rezar pelos sacerdotes. Um ano antes da sua morte, iniciou a sua paixão pessoal que viveu em profunda união com a Paixão de Cristo. Tratou-se de uma paixão do corpo, com a doença que acabaria por levá-la à morte, mas, sobretudo, tratou-se de uma paixão na alma com uma dolorosa prova da fé, a qual ofereceu pela salvação de todos os ateus do mundo. Neste contexto de sofrimento, vivendo o maior amor nas pequenas coisas da vida diária, Teresa realizou a sua vocação de ser o Amor no coração da Igreja. De fato, as palavras "Jesus, eu Vos amo" estão no centro de todos os seus escritos, nos quais ressalta o "pequeno caminho de confiança e amor" que ela percorreu e procurou inculcar aos demais.
Queridos peregrinos lusófonos, a todos saúdo e dou as boas-vindas, particularmente, aos portugueses vindos de Espinho e aos brasileiros de Divinópolis. Possa essa peregrinação reforçar o vosso zelo apostólico para fazerdes crescer o amor a Jesus Cristo na própria casa e na sociedade! Que Deus vos abençoe!

[Tradução: Aline Banchieri.
© Libreria Editrice Vaticana]

Papa: ler “História de uma alma”, de Teresinha do Menino Jesus

Apresenta a vida da santa especialmente como guia para os teólogos

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 6 de abril de 2011 (ZENIT.org) -

O Papa Bento XVI aconselhou hoje os fiéis a "redescobrir esse pequeno-grande tesouro" da autobiografia de Santa Teresa de Lisieux, "História de uma alma".
O Pontífice dedicou sua catequese da audiência geral de hoje, realizada na Praça de São Pedro, a apresentar a vida e os ensinamentos da santa jovem francesa a quem João Paulo II proclamou Doutora da Igreja em 1997.
O Papa polonês a definiu como "especialista na ‘scientia amoris'", uma afirmação sobre a qual Bento XVI aprofundou.
"A ‘pequena Teresa' não deixou de ajudar as almas mais simples, os pequenos, os pobres, os que sofrem e os que rezam a ela, mas também iluminou toda a Igreja, com sua profunda doutrina espiritual."
A "ciência do amor," Teresa "a expressa principalmente no relato da sua vida, publicado um ano depois de sua morte sob o título ‘História de uma Alma'", explicou o Papa, convidando todos a "redescobrir este pequeno-grande tesouro, este luminoso comentário do Evangelho plenamente vivido!".
‘História de uma alma', prosseguiu, "é uma maravilhosa história de amor, contada com tal autenticidade, simplicidade e frescor, que o leitor não pode deixar de ficar fascinado!".
O Papa narrou os principais fatos da vida da santa, desde o seu nascimento, em Alençon (1873), passando pala morte da sua mãe na infância, sua experiência das graças divinas, sua entrada no Carmelo e sua morte, com apenas 24 anos de idade, em 1897.
Pelos ateus
Para Teresa, disse o Papa, ser religiosa "significa ser esposa de Jesus e mãe das almas".
A última fase da sua vida foi marcada pela doença e pela experiência da provação espiritual. Ela "tem a consciência de viver esta grande prova para a salvação de todos os ateus do mundo moderno, chamados por ela de ‘irmãos'", afirmou.
"Também nós, com Santa Teresinha do Menino Jesus, podemos repetir cada dia ao Senhor, que queremos viver de amor a Ele e aos outros, aprender na escola do santos a amar de maneira autêntica e total", afirmou.
Teresa "é um dos ‘pequenos' do Evangelho, que são guiados por Deus nas profundezas do seu mistério".
Em particular, o Papa a propôs como guia "para os que, no povo de Deus, desenvolvem o ministério de teólogos", pois, "com a humildade e a fé, caridade e esperança, Teresa entra continuamente no coração das Sagradas Escrituras, que contêm o mistério de Cristo. E essa leitura da Bíblia, alimentada pela ciência do amor, não se opõe à ciência acadêmica".
"A ciência dos santos, de fato, da qual ela fala na última página de ‘História de uma alma', é a ciência mais alta", acrescentou.
Outro dos traços da santa é sua confiança total em Jesus: "Sim, eu o sinto; inclusive se tivesse sobre a consciência todos os pecados que se podem cometer, iria com o coração partido de arrependimento lançar-me nos braços de Jesus, porque sei o quanto Ele ama o filho pródigo que retorna a Ele", escreveu Teresinha.
Assim, "Teresa indica a todos nós que a vida cristã consiste em viver em plenitude a graça do Batismo, no dom total de si ao amor do Pai, para viver como Cristo, no fogo do Espírito Santo, o seu próprio amor aos outros", concluiu.

terça-feira, 5 de abril de 2011

ALEGRIA DO ENCONTRO!!!!!

QUERIDOS IRMÃOS E IRMÃS,

 "NUNCA O VOSSO ESPOSO TIRA OS OLHOS DE CIMA DE VÓS" (SANTA TERESA C 26,3)

SERÁ UMA ALEGRIA IMENSA REVÊ-LOS EM APARECIDA !!!!!!!! TUDO ESTA SENDO PREPARADO COM CARINHO PELA COMISSÃO DE FORMAÇÃO !!!!!

VAMOS NOS PREPARAR LENDO O QUE FOI PEDIDO PARA PODERMOS APROVEITAR MELHOR!!!!! (RATIO -CAMINHO DE PERFEIÇÃO - DOCUMENTO DE APARECIDA).

TAMBÉM REZEMOS POR TODOS (AS) QUE ESTARÃO PRESENTES, POR SUAS VIAGENS E COMUNIDADES-GRUPOS.

DEUS ABENÇOE NOSSO ENCONTRO !!!!!!!
MEU CARINHO E ORAÇÕES

MARIA EDUARDA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...