quarta-feira, 29 de novembro de 2017

29/11 - Beatos Dionísio da Natividade, Presbítero, e Redento da Cruz, religioso, Mártires de nossa Ordem


Os carmelitas descalços, Dionísio e Redento, encontraram-se no ano de 1635, no Convento do Carmo, em Goa. Sem antes se conhecerem, aqui se juntaram para virem a ser os primeiros mártires da família fundada por Santa Teresa de Jesus e São João da Cruz.

O Beato Redento da Cruz é português, natural de Cunha, Paredes de Coura, Viana do Castelo. Aqui nasceu em 1598. O seu nome de batismo foi Tomás Rodrigues da Cunha. Cresceu embalado por sonhos dourados de guerreiro e de glória.

Muito jovem ainda dirigiu-se a Lisboa, onde embarcou para a Índia, vindo a ser nomeado capitão pela sua valentia nas batalhas em que tomou parte. Não só devido à sua valentia, mas também à destreza e ao seu espírito afável e temperamento comunicativo e alegre, conquistava as simpatias de quantos o conheciam.

Na cidade de Tatá, no reino de Sinde, conheceu os carmelitas descalços que aí tinham uma comunidade. Depressa se sentiu atraído peio estilo de vida destes homens que, seguindo os passos de santa Teresa de Jesus e são João da Cruz, viviam uma santidade alegre e comunicativa.

A princípio, o prior do convento escusou-se a admitir o capitão da guarda de Meliapor pensando que ele não era para aquele gênero de vida. Mas Tomás Rodrigues da Cunha tanto insistiu que o prior acedeu ao seu pedido deixando-o tomar hábito e iniciar o noviciado. Tomás deixou tudo: a carreira militar, a posição social, a glória e até o nome vindo a chamar-se, desde então, Frei Redento da Cruz.

No ano de 1620, foi fundado o nosso convento do Carmo de Goa, para onde foi enviado Frei Redento, depois de também ter sido frade conventual no convento de Diu. Frei Redento cativava com a sua simpatia e era estimado por todos por ser alegre, simpático e com um grande sentido de humor. Em Goa, deram-lhe o ofício de porteiro e sacristão.

No ano de 1600, em França, nasceu Pedro Berthelot. Também este jovem se inclinou para o mar fazendo-se marinheiro apenas com 12 anos de idade. Em 1619, também ele embarca para a Índia, onde trabalhou para a armada francesa e holandesa, ao serviço de quem se tornou célebre, ascendendo a piloto de caravela. Finalmente colocou-se ao serviço dos portugueses que o nomearam Piloto-mor e Cosmógrafo das Índias. Deixou-se contagiar pelo testemunho do carmelita, Frei Filipe da Santíssima Trindade e decidiu, como ele, fazer-se carmelita. Todos os dias visitava a igreja do Carmo e um dia decidiu tomar hábito. Era a véspera do Natal e recebeu o nome deFrei Dionísio da Natividade.


Em 1636, os holandeses atacaram Goa. O Vice-rei das índias escreve ao Prior do Carmo pedindo-lhe licença para o noviço Frei Dionísio comandar as operações. O que aconteceu. O Piloto-mor e Cosmógrafo das Índias, agora vestido de hábito castanho e capa branca e calçando sandálias, conduziu a esquadra portuguesa à vitória. Em 1638, foi ordenado sacerdote.

O Irmão Redento da Cruz continuava o seu ofício de porteiro do convento do Carmo de Goa, enquanto Frei Dionísio se preparava para o sacerdócio. Todos conheciam o porteiro do Carmo e todos o tinham por santo. Não perdia ocasião de a todos edificar oferecendo fios, que arrancava do seu hábito, às pessoas suas amigas, dizendo-lhes que eram relíquias de santo. As pessoas riam-se com Frei Redento, mas ele apenas dizia: “agora se riem, mas, esperem um pouco e haveis de ter pena de não ter mais relíquias minhas”. Deus segredava-lhe ao coração que um dia seria santo.

Em 1638, novamente foi solicitado ao Prior dos carmelitas que autorizasse Frei Dionísio a comandar uma nova expedição. Concertadas as coisas, Frei Dionísio escolheu e pediu por companheiro a Frei Redento da Cruz que, ao despedir-se da comunidade, disse sereno e de bom humor: “se eu for martirizado pintem-me com os pés bem de fora do hábito, para que vendo as sandálias todos saibam que sou carmelita descalço”. As pessoas e benfeitores do convento tentaram impedir por todos os meios a saída do santo porteiro do Carmo temendo o seu martírio. Finalmente, como último recurso, colocaram-lhe drogas na comida para o adormecerem, mas estas não surtiram efeito. Seguidamente embarcou o santo exclamando: “vamo-nos que tenho de ser mártir”.

De fato, traídos pelo rei de Achem, a armada portuguesa foi surpreendida e detida. Forçaram-nos a renegar a fé, mas, não conseguiram tal traição a Cristo de nenhum dos 60 prisioneiros. Decidiram o seu martírio. Muitos dos sessenta prisioneiros eram rapazes jovens. Havia também um sacerdote indiano que recusou a liberdade. Frei Redento foi o primeiro a ser martirizado, encorajando os companheiros de martírio; Frei Dionísio, o último para a todos confortar. Era o dia 29 de Novembro de 1638. Quando em Goa se soube do acontecimento, repicaram os sinos na igreja do Carmo como em dia de grande festa e cantaram um Te Deum em ação de graças.


Oração:

Senhor, nosso Deus, que concedestes aos mártires Dionísio da Natividade e Redento da Cruz a honra e a graça de dar a vida pelo nome de Cristo, infundi em nós a vossa força, pois, somos fracos, e a exemplo daqueles que morreram corajosamente por vosso amor, fazei que saibamos mantermo-nos fortes e fiéis para dar testemunho do vosso amor com a nossa vida.


Fonte: http://www.santosebeatoscatolicos.com/2013/11/29-de-novembro-beatos-dionisio-da.html

*Texto enviado pela Comissão de Espiritualidade OCDS

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Missa de abertura do Ano Nacional do Laicato participação das Comunidades Ocds Fortaleza




"Cristãos Leigos e leigas ,sujeitos na Igreja em saída á serviço do Reino."

"Após o Ano Mariano toda a Igreja no Brasil,assumirá com afeto e ternura ,o ano do Laicato,cheios de sabedoria,disposição e amor pela Igreja  e pela sociedade,espaços sagrados onde vivemos e construimos nossa história humana."(Dom Severino,OFM,Presidente da Comissão Especial para o Ano do Laicato.




Comunidade Rainha do Carmelo,Ocds Fortaleza/CE


Comunidade Flor do Carmelo de Santa Teresinha,ocds Fortaleza/Ce 

Comunidade São José de Santa Teresa,ocds Fortaleza/Ce






"Devemos ter a consciência da dignidade do que é ser cristão .Cristo deu sua vida por nós e devemos tomar consciência que somos seus seguidores.Ele nos deu um dom altíssimo que é o dom do serviço.Somos missionários de seu Reino.Ele nos vê como seus discípulos .A graça da luz de  Cristo nos foi dada pelo Batismo devemos testemunhar o Reino de Cristo amando e servindo aos irmãos."(Dom José Antônio Tosi Marques,Arcebispo da Catedral de Fortaleza Homilia da  Missa  de abertura do Ano do Laicato-Solenidade de Crsito Rei) 


As três Coumindades cearenses na Missa de Abertura do Ano do Laicato -Solenidade de Cristo Rei 

Notícias das Comunidades e Grupos Ocds da Província São José Sudeste

Comunidade Sagrada Face , Ocds da cidade de Varginha/MG comemora 18 anos de Fundação
16 de Novembro de 1999




Comunidade Flor do Carmelo de Santa Teresinha  da cidade de Fortaleza/CE comemora 02 anos de Fundação
28 de Novembro de 2015 







Comunidade São José de Santa Teresa Fortaleza/Ce  elege novo Conselho
Triênio 2017/2020




Comunidades Ocds das cidades de Três Pontas /MG e Varginha/MG fazem retiro com Fr.Pierino ,ocd.

Grupo São José de Petrópolis /RJ  realiza Confraternização de Natal 
Tarde Formativa Grupo Nossa Senhora do Sorriso Natal/RN

domingo, 26 de novembro de 2017

A OCDS E O ANO NACIONAL DO LAICATO



A Igreja celebra hoje a solenidade de Cristo Rei, que marca o fim do ano litúrgico. Esta festa foi criada pelo papa Pio XI em 1925. Inicialmente foi instituída para que fosse celebrada no último domingo de outubro. Na reforma litúrgica passou ao último domingo do ano litúrgico para dar a entender que Ele é o fim para o qual se dirigem todas as coisas. 

Nesta data tão importante também celebramos no Brasil o Dia Nacional do Leigo! Desde o ano de 1991, o Dia Nacional dos Cristãos Leigos é comemorado na Festa de Cristo Rei. A data foi definida pela Assembleia Geral do Conselho Nacional do Laicato no Brasil (CNLB), em continuidade com a tradição da Ação Católica que realizava, nesta festa, a renovação das promessas batismais e refletia sobre a missão dos leigos. Celebrar o dia do Leigo na Festa de Cristo Rei significa reafirmar que, uma vez incorporados a Cristo pelo batismo, somos participantes de seu múnus sacerdotal, profético e régio e somos chamados a exercer, segundo a nossa condição própria, a missão que Deus confiou para a Igreja cumprir no mundo (CDC, cân. 204). Portanto, somos corresponsáveis pela miss6ão redentora de Cristo e pela implantação do Reino de Deus na Igreja e na sociedade.



Para o carmelita secular, celebrar o dia do Leigo na Festa do Cristo Rei significa reafirmar que nosso primeiro chamado é o de viver em obséquio de Jesus Cristo (Constituições da OCDS, art. 3º). O seguimento de Cristo é o caminho para chegar à perfeição que o batismo abriu a todo cristão. Por ele se participa da tríplice missão de Jesus: real, sacerdotal e profética. A primeira o compromete na transformação do mundo, segundo o projeto de Deus. Pela segunda, oferece a si e oferece toda a criação ao Pai com Cristo e guiado pelo Espírito. Como profeta anuncia o plano de Deus sobre a humanidade e denuncia tudo o que a ele se opõe Cristo é o centro da vida e da experiência cristãs. (Constituições da OCDS, Proêmio) Os membros da Ordem Secular são chamados a viver as exigências de seu seguimento em comunhão com ele, aceitando seus ensinamentos e entregando-se a sua pessoa. Seguir Jesus é participar em sua missão salvífica de proclamar a Boa Nova e de instaurar o Reino de Deus (Constituições da OCDS, art. 10).

Neste ano, de forma especial, por decisão da Assembleia Geral da CNBB, a Igreja no Brasil abre oficialmente o Ano Nacional do Laicato, que irá de 26 de novembro de 2017 a 25 de novembro de 2018. O anuncio do Ano do Laicato está sob à luz do pedido do Papa Francisco, de fazer crescer “a consciência da identidade e da missão dos leigos na Igreja”.

O tema é “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema: Sal da terra e luz do mundo (cf. Mt 5,13-14). 

Foi definido como objetivo geral do ano laicato:  

“Como Igreja, Povo de Deus: Celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”. 

Os objetivos específicos são: 

  • Comemorar os 30 anos do Sínodo Ordinário sobre os leigos (1987) e os 30 anos da Exortação Apostólica Christifideles Laici, de São João Paulo II, sobre a vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo (1988);
  • Dinamizar o estudo e a prática do documento 105: “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade” e demais documentos do Magistério, em especial do Papa Francisco, sobre o Laicato;
  • Estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, “verdadeiros sujeitos eclesiais”(DAp, n. 497a), como  “sal, luz e fermento” na Igreja e na Sociedade.



    Diretrizes para realização:

    • Conclamar toda a Igreja no Brasil: regionais, dioceses, paróquias, comunidades, pastorais, movimentos, as diferentes expressões laicais e os Organismos de comunhão do Povo de Deus, na realização do Ano do Laicato;
    • Desenvolver atividades que culminem na realização de  um encontro  nacional com o Laicato no encerramento do ano (Cristo Rei de 2018);
    • Despertar e motivar iniciativas e participação dos ministros ordenados, da vida consagrada e do laicato na realização desse Ano;
    • Dialogar com os diferentes sujeitos da sociedade, promovendo a cultura  do encontro e o cuidado com a vida e o bem comum, na esperança de que outro mundo é possível;
    • Envolver os meios de comunicação social nas  atividades programadas para o Ano do Laicato. 



     EIXOS DE AÇÃO:

    1. Eventos
    2. Comunicação, catequese e celebrações.
    3. Seminários temáticos nos Regionais da CNBB.
    4. Publicações.
    5. “Legados” - o que fica como legado após o Ano Nacional do Laicato (bandeiras de compromisso e ação).
    1. EVENTOS

    • Abertura do Ano Nacional do Laicato em cada Diocese e Paróquia (Solenidade de Cristo Rei – 26/11/2017);
    • Abertura pela Presidência da CNBB em rede Nacional (28/11/2017, durante o CONSEP);
    • 14º Intereclesial das CEBs em Londrina - PR (23 a 27/01/2018);
    • Visitação da Sagrada Família (imagem ou estandarte) pelas paróquias e comunidades;
    • Destacar na Abertura da CF/2018, o papel dos cristãos leigos e leigas na superação da violência;
    • Painel e celebração na 56ª AGO da CNBB;
    • Semana Missionária “Igreja em Saída” nas Igrejas locais. (sugestão mês de julho de 2018): Um Círculo Bíblico em cada rua e nos ambientes de trabalho;
    • Seminários Temáticos nos Regionais da CNBB;
    • Congresso Latino Americano/Caribenho promovido pelo CELAM sobre os Ministérios, em parceria com as Universidades Católicas, no Brasil, 1º a 4/11/2018;
    • Encontros de reflexão em novembro (2017 e 2018);
    • Dia Mundial dos Pobres (18 de novembro de 2018);
    • Encerramento com a Assembleia Nacional dos Organismos do Povo de Deus (23 e 24/11/2018) e Romaria do Laicato em Aparecida/SP. (25/11/2018)


    SEMANA MISSIONÁRIA "IGREJA EM SAÍDA"



    • a ser organizada pelas comunidades, paróquias e dioceses. 
    • Sugestões para julho de 2018 e de orientações práticas:
    • capacitar  grupos de discípulos missionários para realizar;
    • organizar visitas às famílias de cada rua ou às pessoas de determinado ambiente de trabalho, concluindo com o convite à participação de um Círculo Bíblico no início da noite;
    • em todos os dias da Semana Missionária lembrar da tríplice missão batismal (sacerdotal, profética e real), utilizar a Oração, o Hino, Ladainha e Objetivo Geral para Ano Nacional do Laicato;
    • utilizar símbolos: Logomarca do Ano do Laicato, Imagem ou estandarte da Sagrada Família, Documento 105 da CNBB.
    • Em cada dia da semana refletir a partir da atuação dos Cristãos leigos e leigas nos areópagos modernos (Doc. 105, nº 250 a 273).

    Areópagos para refletir na Semana Missionária “Igreja em saída”

    • 2ª-feira - Família (Amoris Laetitia) e Mundo do Trabalho (terceirização e Reforma Trabalhista, Previdenciária, “NÃOs” do Capítulo II da Alegria do Evangelho, nº de 56 a 60).
    • 3ª-feira - Política (lembrar dos Legados na Sociedade) e Políticas Públicas (Saúde, Educação, Assistência Social, entre outras), Carta de papa Francisco sobre indispensável atuação pública dos cristãos.
    • 4ª-feira - Comunicação (Grande Mídia, Redes Sociais, Rádio Comunitária), e Educação (Reforma Ensino Médio, papeis de estudantes e educadoras);
    • 5ª-feiraCasa Comum (pobreza, realidade socioambiental, REPAM, Laudato Si, desmatamento, agrotóxicos, migrantes, refugiados) Culturas (Povos Tradicionais, Consumismo);
    • 6ª-feiraSuperação das Violências (tema da CF/2018) e Cultura de Paz (tolerância, Mediação de Conflitos, Justiça Restaurativa).
    • Encerramento – Celebração com todas pessoas que participaram...



    2. COMUNICAÇÃO, CATEQUESE, CELEBRAÇÃO

    • Utilizar Portal da CNBB e portais dos Organismos do Povo de Deus e das demais organizações eclesiais;
    • Visitação da imagem ou estandarte da Sagrada Família pelas paróquias e Comunidades com Celebração de Chegada e Celebração de Envio.
    • Hino para o “Ano do Laicato”.
    • Oração Ano Nacional do Laicato.
    • Criação de logomarca, cartaz, vídeos e ladainha com os Santos e Beatos leigos e leigas;
    • Mídia, encartes, cartilhas, roteiros homiléticos, Círculos Bíblicos para os meses de novembro ( 2017 e 2018 ) em  preparação para o Dia Nacional dos Cristãos  Leigos e Leigas.

    3. SEMINÁRIOS TEMÁTICOS NOS REGIONAIS DA CNBB


    Seminários a serem organizados pelos Regionais da CNBB, dioceses, e instituições de ensino (escolas, universidades, cursos de teologia) e nos  movimentos, associações e conselhos laicais.


    Temas propostos para os Seminários Regionais da CNBB:
    • O Laicato e o Papa Francisco;
    • Diálogo do Papa Francisco com os Movimentos Populares;
    • Celebração do terceiro ano da Laudato Si’ (Parceria com a REPAM);
    • O Laicato nos diversos areópagos: Família, Mundo do trabalho, Política, Cultura e Educação, Juventude, Comunicação em geral;
    • 50 anos de Medellín e 10 anos de Aparecida; 
    • Os Ministérios Laicais; 
    • Teologia do Laicato

    4. PUBLICAÇÕES:
    • Folder sobre o Ano Nacional do Laicato; (Reprodução local)
    • Roteiros para 3 Encontros de Reflexão para novembro de 2017 (sobre Doc. 105 – CNBB, serão vendidos pelas Edições da CNBB)
    • Sugestões para Celebração de Abertura do Ano Nacional do Laicato para dia 26/11/2017 (baixar do site das Edições CNBB).
    • Celebração de Chegada do Estandarte (ou imagem) da Sagrada Família e para Celebração de Envio para comunidades.
    • Textos decorrentes do Documento 105 (aprofundamento, esclarecimentos, elaborados pelo Grupo de Reflexão da Comissão e outros).
    • Papa Francisco e o Laicato (Observatório Papa Francisco)
    • Coletânea de textos sobre o laicato (sairá pelas Edições CNBB)

    5. LEGADOS DO ANO NACIONAL DO LAICATO

    • O que vamos realizar durante o Ano Nacional do Laicato que tenha incidência direta na sociedade com a atuação efetiva dos cristãos leigos e leigas?
    • Que mudanças vão permanecer na Igreja após a realização do Ano Nacional do Laicato?
    • Serão os frutos da mobilização das ações dos Cristãos  leigos e leigas, e de toda Igreja, para que permaneçam na Igreja e na sociedade após a realização do Ano Nacional do Laicato. É um jeito de Cristãos leigos e leigas atuarem “como sujeitos na Igreja e na sociedade”, realizando ações transformadoras como “marcos” do Ano do Laicato;

    Âmbitos dos Legados do Ano Nacional do Laicato
    • Para o âmbito da Sociedade  
    • Promover mecanismos de participação popular para o fortalecimento do controle social e da gestão participativa:  Conselhos de Direitos, Grupos de Acompanhamento ao Legislativo, Iniciativas Populares, Audiências Públicas, Referendos, Plebiscitos, entre outros;
    • Mobilizar a sociedade brasileira para a realização da auditoria cidadã da dívida pública.
    • Para o âmbito Eclesial
    • Criar programas de formação de  ministérios leigos de coordenação e animação de comunidades, pastorais e movimentos;
    • Fortalecer a articulação das redes de Comunidades ( Doc. 100);
    • Criar e/ou fortalecer os Conselhos Regionais e Diocesanos de Leigos”  como preconiza o  DOC. 105, 275 letra ‘f’.

    Dessa forma, constatamos que a OCDS da Província São José, em consonância com objetivo geral do Ano do Laicato, promoveu o aprofundamento de sua identidade, vocação, espiritualidade e missão na realização do XXXIII Congresso Provincial acontecido de 02 a 05/11/2017, que teve como tema "A identidade do carmelita secular" e como lema: "Os seculares trazem para a Ordem a riqueza própria de sua secularidade". 


    Diante de tudo o que foi direcionado acima pela CNBB e pelo CNLB em relação ao Ano Nacional do Laicato, orientamos às comunidades e grupos da OCDS que se coloquem à disposição da Igreja local para promoção e participação nos eventos propostos, conforme estabelecem as Constituições da OCDS em seu art. 27: "O Carmelita Secular está chamado a viver e testemunhar o carisma do Carmelo Teresiano na Igreja particular, parte do povo de Deus na qual se faz presente e atua a Igreja de Cristo. Cada um procure ser testemunho vivo da presença de Deus e se responsabilize pela necessidade de ajudar a Igreja na pastoral de conjunto, em sua missão evangelizadora, sob a direção do bispo."

    Entendemos, ainda, que é indispensável que seja incluído em seus planos de formação do ano de 2018 o estudo da Exortação Apostólica Pós-Sinodal CHRISTIFIDELES LAICI sobre a vocação e missão dos leigos na Igreja e no mundo, bem como o estudo do Documento 105 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); “Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade – Sal da Terra e Luz do Mundo”.

    É muito importante que as Comunidades e grupos contribuam com a Igreja local promovendo atividades voltadas à espiritualidade, que é o apostolado próprio do Carmelo Secular, conforme Constituições da OCDS, art. 28: "Em seu compromisso apostólico, levará a riqueza de sua espiritualidade, com os matizes que confere a todos os campos da evangelização: missões, paróquias, casas de oração, Institutos de espiritualidade, grupos de oração, pastoral da espiritualidade." 

    Desejamos, assim, que todos nós possamos vivenciar o Ano Nacional do Laicato de forma consciente e comprometida, correspondendo aos objetivos propostos pela CNBB e pela CNLB, bem como ao que preconiza nossas Constituições: Assim, com seu testemunho de comunhão fraterna conforme o carisma teresiano, a Comunidade do Carmelo Secular coopera com a missão evangelizadora da Igreja no mundo (Constituições da OCDS, art. 24-d). Como Seculares, filhos e filhas de Teresa de Jesus e João da Cruz, estão chamados a “ser perante o mundo testemunhas da ressurreição e vida do Senhor Jesus e sinal do Deus vivo”, mediante uma vida de oração, de um serviço evangelizador e por meio do testemunho de uma comunidade cristã e carmelitana (Constituições da OCDS, Epílogo).

    Luciano Dídimo, ocds




    sábado, 25 de novembro de 2017

    A preparação para o Advento foi parte principal da formação na OCDS Camaragibe

       Neste dia 25 de novembro a formação foi uma preparação para o início do Advento. O Evangelho de São Mateus (15, 14-30) nos revelou que o compromisso do cristão e, por consequência, do carmelita, é fazer multiplicar os "talentos", os quais se traduzem na palavra do Evangelho, nos dons individuais, nos chamados do nosso Senhor, nas vocações para as quais Ele nos chama, para o crescimento interior para com Ele.

       Na ocasião, Gustavo, o Formador da Comunidade, distribuiu um texto: "O Verbo de Deus virá a nós" e, em seguida, um rol de perguntas da palestra de Frei Wilson no X Congresso Norte/Nordeste, em Bananeiras.

       As graças concedidas por Deus nos move de encontro a Ele mesmo, como compromisso que cada um de nós tem, de agradecer tais graças e participar da instauração de Seu Reino.





    sexta-feira, 24 de novembro de 2017

    Membro da Ordem dos Carmelitas descalços seculares recebe homenagem Universidade do Pará




    A Comunidade Santa Teresa dos Andes em Belém do Pará  tem motivos de sobra para comemorar. seu fundador , maestro João Bosco recebeu merecida homenagem por sua atuação como músico, compositor, pianista e regente da Universidade Federal do Pará.

    quinta-feira, 23 de novembro de 2017

    XXXIII - Congresso Provincial da OCDS



    Tema: A Identidade do Carmelita Secular

    Lema: Os Seculares trazem para a Ordem a riqueza de sua secularidade




    Foto Oficial do XXXIII Congresso Provincial Ocds

    Aconteceu entre os dias 02 e 05 de novembro de 2017 o XXXIII Congresso Provincial da OCDS, no Centro Teresiano de Espiritualidade, São Roque-SP. O tema, A identidade do carmelita secular, que norteou toda a reflexão do congresso, foi um convite a uma revisão de vida e de vocação. De que forma nós seculares podemos contribuir com nossa secularidade com a missão da Ordem e o projeto de Deus para o mundo? Nesses dias, refletimos, estudamos e rezamos essa questão tão fundamental e necessária para nós que já começamos a viver o jubileu do centenário da OCDS no Brasil.


    Celebração Eucarística Fr.Javier, ocd  Delegado Ocds America Latina 






    Acolhida fraterna 


    Já no primeiro dia, após a missa de abertura e o jantar, fomos acolhidos de uma maneira muito especial e fraterna. São próprias do espírito teresiano a comunhão e a alegria de os irmãos estarem sempre junto. Dessa forma, fomos recebidos com muito entusiasmo e festa, por meio de uma dinâmica que nos permitia sair de nossos lugares e ir ao encontro do outro e acolhê-lo pessoalmente.



    Presidente das Comunidades e Grupos Ocds Provincia Sudeste Luciano Didimo



    Na ocasião, foi lançado o IV Livro de Formação da Província (Primeiro ano para as Promessas definitivas). Compuseram a mesa, Rose Piotto, coordenadora da comissão de formação, Lourdes Pimenta, organizadora dos livros de formação da província, fr. João de Deus, delegado para a OCDS das comunidades N/NE, e Luciano Dídimo, presidente provincial.
    No dia seguinte, iniciamos nossas atividades com a Santa Missa rezada com Laudes, e logo após o café da manhã.

    Missa com Laudes 





    Liz Lelis ,ocds
    A primeira palestra do ciclo de reflexões foi proferida por Liz Lélis, que abordou o tema: Sou um carmelita secular, sou um ser espiritual. Em sua fala, Liz frisou que é o exercício diário da oração que nos leva a ser um ser espiritual, buscando o Encontro com Deus, que é o que nos transforma. É a misericórdia de Deus que nos faz prosseguir, é preciso nos colocarmos sempre em suas mãos. Em seguida, nosso irmão Gustavo Castro tomou a palavra e refletiu conosco sobre o tema: Sou carmelita secular, sou leigo. Nosso irmão nos levou a pensar acerca de alguns pontos-chave, como: o que a Ordem espera do secular? O que a Igreja orienta a nós cristãos?
    O que precisamos guardar das nossas Constituições e dos ensinamentos conciliares do Vaticano II? Quais os desafios que precisamos superar e enfrentar? De que modo podemos contribuir para a implantação do Reino de Deus?





    Gustavo Castro, ocds

    Na parte da tarde, escutamos nosso irmão Moisés Farias que refletiu conosco o seguinte tema: Sou carmelita secular, vivo em comunidade. Moisés nos falou sobre a dimensão maior que nos caracteriza enquanto família: somos uma família mundial, 


    Moisés Rocha,ocds



    provincial e local, e como membros de uma só família somos chamados a uma obediência que fortifica nossa unidade e amor entre nós. É necessário ter essa visão de conjunto para podemos avançar em nossos projetos comuns e em nossa fraternidade. Na palestra seguinte, proferida pelo Definidor da Casa Geral para América Latina e Caribe, fr. Javier Mena, cujo tema foi: “Os seculares trazem para a Ordem a riqueza própria da sua secularidade”, fr. Javier reitera nossa participação privilegiada na Ordem, apontando que somos, de fato, carmelitas e, por isso, herdeiros das graças de que Deus favorece a Ordem e, mais que isso, responsáveis por ela em toda a parte. Fr. Javier chama atenção para a revitalização de nossas comunidades, dizendo (e nos mostrando como um desafio a superar) que precisamos dar abertura aos jovens, que o nosso carisma, embora antigo, é sempre novo e deve ser atrativo aos mais jovens também. A dimensão missionária foi muito estimulada em sua fala, e a leitura da carta do Padre Geral à OCDS, veementemente recomendada.


    Fr.Javier Mena,Delegado P. Ocds América Latina

    Na parte da noite, assistimos a um vídeo sobre o percurso de anos da OCDS no Brasil. Voltamos ao tempo, ao ver fotos de nossas comunidades e dos eventos da OCDS durante esses anos de atuação.
    Primeiras notícias sobre o Fórum de Santa Teresinha, que acontecerá em Aparecida, entre os dias de 15 a 18 de novembro de 2018, foram repassadas. Começamos, desde já, a nos movimentar para estarmos, em peso, nessa grande celebração jubilar dos nossos 100 anos de presença no Brasil, sendo abençoados e acompanhados por santa Teresinha.



    No terceiro dia do congresso, meditamos com Luciano Dídimo acerca do tema: Sou carmelita secular, sou Igreja. Luciano enfatizou que nossa adesão à Igreja deve ser concreta e comprometida, dessa forma, se faz necessária nossa presença nos movimentos e associações em que podemos mostrar o rosto da nossa vocação. Na palestra que segue, Rose Piotto abordou o tema: Sou carmelita secular, sou um ser em formação. Nossa coordenadora da comissão formativa nos fez refletir sobre nosso compromisso com a Ordem que só pode ser possível e aderido por meio de uma formação sólida que nos faça compreender o que de fato quer dizer pertencer a uma Ordem e as consequências dessa agregação. “O único modo correto de compreender o nosso lugar e nosso papel como carmelitas seculares é buscar uma formação consciente e participativa, integrada com a Ordem OCD, província OCDS, e a Igreja”.


    Presidente Luciano Didimo e Vice-Presidente Rose Piotto

    Na noite de sábado, celebramos nossa fraternidade no recreio carmelitano, dançando e cantando músicas dos tempos dourados. Foi um momento de descontração, intimidade, festa e bom gosto!!!

    Casal Ocds Juliana e Fabio 




    Recreio Carmelitano



    Anos Dourados -Recreio Carmelitano CTE 



    Festa Retrô Ocds 



    Fr.João de Deus,Ocd Delegado Provincial Ocds N/Ne 


    Na manhã do último dia do congresso, fr. João de Deus nos brindou com sua palestra: Sou carmelita secular, sou missionário a serviço da Igreja e da sociedade humana. Muito animado, partilhou conosco sua experiência de missão na Holanda e, inflamado, nos despertou para a necessidade da missão. É preciso sair, é preciso fazer mais, é preciso assumir cada vez mais a nossa vocação com os olhos e o coração abertos ao que a Igreja nos
    pede. Em resposta à sua palestra, o Conselho Provincial criou mais uma comissão, a Comissão Missionária, coordenada por Moisés Farias, com o objetivo de se colocar à disposição da evangelização.

    Conselho Provincial da Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares Província Sudeste 




    Louvemos a Deus pela graça de nossa vocação e peçamos à sempre Virgem Maria, Mãe e Rainha do Carmelo, a graça de em tudo correspondermos à vontade de Deus e às necessidades da Igreja e da Ordem. Amém!

      
    Texto :Artur Viana,Formador Com.Flor do Carmelo de ST e coordenador Escola de Formação Edith Stein
    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...